Video game

13/01/2011 14h09 - Atualizado em 14/07/2011 07h06

Hacker diz que chaves do PS3 não podem mais ser retiradas da internet

Thássius Veloso
por
Do Tecnoblog

O que a Sony promete, a Sony cumpre. A empresa iniciou nesta quarta-feira um processo contra os responsáveis por publicar as chaves do PlayStation 3 na internet. Disponíveis publicamente, essas chaves permitem quebrar a proteção do console, e até mesmo a instalação de novos firmwares. Em resumo, a pirataria pode correr solta a partir de agora.

PlayStation 3 (Foto: Divulgação)PlayStation 3 (Foto: Divulgação)

O processo lista o o hacker Geohot, conhecido de longa data por publicar formas de burlar a proteção do iPhone, como um dos responsáveis pelo vazamento. Ele é citado nominalmente no processo, de modo que se viu obrigado a responder as acusações da Sony. Geohot disponibilizou sua defesa na internet, para qualquer um ver.

No documento, o hacker afirma não participar do grupo fail0verflow, que também publicou as chaves do console. Ele não diz, mas sugere que trabalha sozinho nos seus hacks, e que não deve ser associado a nenhum grupo. No mundo hacker, seria o suficiente para receber sozinho os méritos da descoberta. Como estamos falando do campo jurídico, talvez ele enfrente um processo em separado, que não inclua o pessoal do fail0verflow.

O mais interessante da defesa de Geohot é sua resposta para o pedido da Sony de remover as chaves publicadas na internet. Ele diz que não existe forma de "despublicar" as chaves, pois elas estão aí para livre acesso. Geohot vai além e afirma que qualquer usuário está a apenas "uma busca do Google de distância" das informações que a Sony quer de volta para si.

A Sony ainda não respondeu Geohot. Mas, ao que tudo indica, a empresa vai continuar brigando no único lugar em que não é mal vista pela comunidade: nos tribunais.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares