20/07/2011 08h20 - Atualizado em 20/07/2011 08h20

Você realmente precisa de um tablet?

Raphael Crespo
por
Da Contém Conteúdo

Já imaginou o folclórico Joel Santana trocando sua famosa prancheta, na qual faz desenhos táticos e anotações, por um tablet? Será que funcionaria? O José Mourinho, técnico do Real  Madrid, resolveu arriscar, e além de usar o tablet durante as partidas, também mandou fazer um aplicativo para administrar seu time em campo durante as partidas da Liga dos Campeões.

Um jogo representa apenas 90 minutos para mostrar toda uma semana repleta de treinos, concentrações, preleções e planejamentos. E por isso mesmo, até mesmo o Joel, declaradamente avesso a novas tecnologias, encontraria muita utilidade em um tablet. Mas, e  você? Será que você realmente precisa de um tablet?

O iPad 2 da Apple é, atualmente, o tablet mais desejado do mercado (Foto: Divulgação)O iPad 2 da Apple é, atualmente, o tablet mais desejado do mercado (Foto: Divulgação)

Diante dos preços praticados no Brasil para a venda desses tipos de aparelhos – por volta de R$ 1.000, para os mais baratos –, é preciso que você bote numa balança todos os prós e contras de se investir uma grana tão alta em uma coisa que, convenhamos, você até hoje viveu sem.

Antes de mais nada, se você tiver dinheiro sobrando para comprar um tablet, não pense duas vezes. Compre! Do contrário, é preciso ter em mente o seguinte: utilidade não é o mesmo que necessidade.

Utilidades os tablets têm diversas e servem a vários propósitos, tanto para entretenimento quanto para trabalho. No caso de alguns profissionais, esse tipo de ferramenta pode ser de grande importância no dia-a-dia, por sua praticidade.

Por exemplo, vamos supor que você seja um representante comercial, que anda com quilos e mais quilos de catálogos no porta-malas do carro e precisa bater de porta em porta de clientes. Neste caso, a quantidade de papel pode ser perfeitamente reduzida para um folheto – afinal de contas, é sempre bom o cliente ter algo físico em mãos, para se lembrar de você – enquanto o grosso da apresentação do produto é feita para ele num arquivo de PDF ou PowerPoint na tela do tablet. E, o que é melhor, se o cliente quiser ficar com a apresentação, basta enviar por e-mail ou, dependendo do modelo, até espetar um pendrive no aparelho e copiar o arquivo.

Prático, não? Vale o investimento? Certamente. Ainda mais pela quantidade menor de peso que você passaria a carregar, ao invés de carregar um notebook pesado que dura, no máximo, 2 horas sem carga (alguns tablets duram até 10 horas de uso ininterrupto). E convenhamos... faria muito bem também para a sua coluna.

Muitos restaurantes, por exemplo, têm usados os tablets como uma forma de apresentar o menu, passando para os clientes, na tela, os pratos do dia, e até mesmo, por intermédio da ferramenta, fechando os pedidos. Quer mais utilidade do que isso?

Dell Strike 7 com tecnologia 4G (Foto: Divulgação)Dell Strike 7, ainda sem previsão de chegada no
Brasil, é um dos tablets Android mais respeitados
do mercado por já vir com tecnologia 4G (Foto:
Divulgação)

Agora, se você já tem um computador em casa – especialmente se for um notebook ou um netbook, que dão mais mobilidade –, e pensou num tablet apenas para entretenimento, talvez ainda não esteja no seu momento de comprar. Ainda mais se você estiver precisando segurar um pouco as despesas, ou se tiver outras prioridades de compra, como uma nova geladeira ou a sonhada TV de LCD de 32 polegadas, que, atualmente, pode ser comprada por um valor menor que o de um tablet.

É importante lembrar também que a compra de um tablet não vale muito se você optar por um modelo apenas com Wi-Fi, uma vez que, neste caso, você ficará na dependência de usá-lo apenas em lugares com rede aberta para acessar a internet. O ideal de um tablet é partir para os modelos também com acesso à internet 3G para usá-los em qualquer lugar, mas ele são mais caros e implicam em mais gastos com assinatura de pacotes de dados.

Além disso, vale a pena ficar de olho no noticiário sobre essa nova tecnologia no Brasil. Recentemente o governo brasileiro lançou uma medida provisória que reduz os impostos dos tablets e promete aquecer o mercado no país, uma vez que várias fabricantes já se interessaram em produzir os aparelhos por aqui. O resultado: alguns modelos deverão sair com preços até 36% mais baratos que os de hoje.

  • imprimir
Seja o primeiro a comentar


Imagem do usuário
Sair

Quer realmente sair da globo.com?

Imagem do usuário

recentes

populares

  • Givanildo Filho
    2012-05-04T00:39:56

    A possibilidade se torna ainda melhor de aderir uma versão so Wi-Fi no fato de voce possuir um SmartPhone Android, ou até mesmo um Iphone, que pode compartilhar a internet 3G com o Tablet via Wi-Fi !

    COMPARTILHAR

    Imagem do usuário
  • Jeremias Klausner
    2011-07-20T20:28:44

    Ótima reportagem ! É muito importante essa orientação quanto a compra dos equipamentos, pois evita decepções e perda de dinheiro. Conheço várias pessoas que compraram o tablet como substituto de um notebook e se arrependeram. O produto não tem a mesma finalidade e como é uma tecnologia nova, ainda não tem todas as funcionalidades das mais maduras (netbooks/notebooks). É um equipamento muito simpático e legal de usar, mais ainda não é substituto de um computador, pelo menos por enquanto.

    COMPARTILHAR

    Imagem do usuário
  • Carlos Moncao
    2011-07-20T12:59:03

    Na boa, só irei comprar um tablet no Natal. Os tablets com o chip Tegra 3 deverão sair de Setembro para frente, assim como o Ipad 3, então o melhor é esperar.

    COMPARTILHAR

    Imagem do usuário
  • Marcos
    2011-07-20T11:39:09

    Com certeza o tablet atende às necessidades mais práticas e que fazem parte da rotina....é questão de tempo até se tornarem como os celulares.....mas o que me faz hesitar na compra de um modelo é o fato da assistência técnica ainda estar em fase de consolidação....é o preço que os pioneiros e vanguardistas tem que pagar....e que eu não quero!!!

    COMPARTILHAR

    Imagem do usuário
  • Klaus Röthig
    2011-07-20T11:17:07

    Convenhamos: no Brasil uma redução de 38% nos custos dificilmente é repassada na íntegra ao consumidor. Só em sonho.

    COMPARTILHAR

    Imagem do usuário