22/03/2012 09h07 - Atualizado em 22/03/2012 09h07

Reality show acende debate sobre preconceito contra mulheres gamers

Guilherme Neto
por
Da Contém Conteúdo

O preconceito contra mulheres gamers veio à tona no início deste mês, durante o programa Cross Assault, um reality show exibido pela Internet que mostra um torneio de Street Fighter X Tekken, promovido pela Capcom. Pelo Twitter, a participante Miranda Pskozdi acusou o capitão de seu time, Aris Bakhtanians, de assédio sexual e misoginia.

Miranda Pskozdi (Foto: Reprodução)Miranda Pskozdi (Foto: Reprodução)

O acusado sequer teria se importado quando confrontado em uma conversa particular, segundo Pakozdi. De fato, em outra discussão exibida no quinto episódio da série, Bakhatanians afirmou que xingamentos contra mulheres eram aceitáveis, pois assédio sexual fazia “parte da cultura de eSports há mais de 15 anos”, e que “isso não pode ser mudado”.

A polêmica repercutiu em diversos fóruns e sites especializados em games. A Capcom precisou retratar-se publicamente: “A Capcom acredita que todos devem ser tratados com respeito. Esse problema particular nos chamou a atenção e já foi resolvido. Nós sinceramente pedimos desculpas a qualquer um que tenha se sentido ofendido por quaisquer comentários expressos durante a atração."

O próprio Aris Bakhtanians pareceu ter se arrependido, publicando uma retratação no Twitter. “Ao fazer essas declarações, eu estava estressado porque senti que a cultura da comunidade que eu faço parte há mais de 15 anos estava sendo ameaçada. Eu sinceramente peço desculpas se tiver ofendido alguém."

Infelizmente, casos como esses também são comuns no Brasil. “A maioria dos homens na Internet acha que pode xingar as mulheres por ter um preconceito de que nós somos ruins e bastante inferiores, principalmente quando eles perdem para nós”, relata a jogadora profissional de Counter Strike, Carolina Ribeiro.

Jogadores de game online fazem mais sexo (Foto: Divulgação)Garotas gamers são alvo de preconceito (Foto: Divulgação)

Shayene Victorio, outra campeã de Counter Strike, também diz que situações como essa são comuns por aqui, mas faz uma ressalva. “Os meninos sentem muito orgulho de nós. Às vezes, zoam para chamar a atenção. É como quando você é criança e o menino puxa seu cabelo. Na verdade ele quer dizer que te ama!”, brinca Shay, como também é conhecida.

Ao menos dois jogadores masculinos afirmam não ter problemas com mulheres participando de campeonatos, embora relatem já ter testemunhado diversas situações de discriminação contra mulheres gamers. Para Luís Hessel, que, além de Counter Strike, jogou profissionalmente StarCraft entre 2000 e 2011, o desrepeito vai além. “Vejo constantemente provocações entre times e jogadores, e acho bem perigoso como a comunidade acha normal a guerra psicológica entre competidores. É um atentado ao respeito que devemos ter uns com os outros incondicionalmente”, explica.

Arthur Resende, mais um craque do Counter Strike e que namora outra jogadora profissional, Falissah Finger, concorda. “Geralmente eu defendo as que estiverem jogando comigo para não gerar confusão, odeio esse tipo de preconceito”, conta. O problema ocorrido no reality show Cross Assault ao menos trouxe visibilidade ao problema, acredita o jogador. “É um absurdo, isso não é normal e nem faz parte do eSport. Fazer isso em um campeonato deveria acarretar no mínimo em uma expulsão do jogador."

Já Carolina Ribeiro crê que casos como esse atrapalham e até impedem o surgimento de novas jogadoras profissionais. “Para essas meninas, eu aconselho considerar esse obstáculo como outro qualquer, porque quando alguém faz algo que gosta, vai até o fim”, afirma. Conselho semelhante ao de Shayene, que recomenda às novas profissionais terem consciência do mundo em que estão entrando. “Dizer que vai ser mil maravilhas é mentira. Mas não dê atenção aos comentários maldosos. Mostre que o seu maior diferencial é a sua habilidade, não o seu gênero”.

  • imprimir
Seja o primeiro a comentar


Imagem do usuário
Sair

Quer realmente sair da globo.com?

Imagem do usuário

recentes

populares

  • Rafael Rezende
    2012-03-22T12:22:19

    Nossa,meu sonho era casar uma dessas mulheres gamers ai.Iriamos ficar jogando sempre juntos.Ninguem iria encher o saco e falar que dou mais atenção para o video game do que pra ela

    COMPARTILHAR

    Imagem do usuário
  • Tina Lopez
    2012-03-22T12:11:31

    Isso vai acontecer sempre, independente da área de atuação da mulher. PARABÉNS pras jogadoras ...e pros meninos que acham o maximo e adoram mulheres jogadoras. MACHISMO MATA !!!!!!!!!!!!

    COMPARTILHAR

    Imagem do usuário
  • Alan Freire
    2012-03-27T16:14:52

    Sou jogador de PES profissional e já até fizemos campeonatos femininos e sempre houve muito respeito as mulheres em nossa modalidade, as que pensam em jogar, sejam bem vindas!

    COMPARTILHAR

    Imagem do usuário
  • Jayme Schmitz
    2012-03-22T14:51:09

    A melhor forma de acabar com esse preconceito é abrindo espaço e disputando com toda a força contra qualquer adversário seja ele qual for. Acho que é muito mais gratificante perder para alguem que joga bem o tempo inteiro do que para alguem que fica só tirando onda, dando aquela relaxada. E digo outra. As mulheres têm uma tendência de se portar com muito mais força pois de alguma maneira elas conseguem pensar em mais elementos ao mesmo tempo na tela. Namoro uma jogadora, por sinal, e digo que em alguns momentos eu conto é com ela para poder solucionar alguns misterios em RPGs até.

    COMPARTILHAR

    Imagem do usuário
  • Caíque Feu
    2012-03-22T12:58:00

    Taniadean: Boa Boa ... Acho muito Bacana Meninas(Mulheres) Jogarem , Todos Ganham com isso. =)

    COMPARTILHAR

    Imagem do usuário
  • Taniadean
    2012-03-22T12:46:04

    Tenho 31 e sou mae de 2 filhos pequenos, amo video games, nao sei como, mas sempre tenho para meus jogos rsrsrs, todos os jogos q vcs possam imaginar, to nem ai para os preconceituosos...

    COMPARTILHAR

    Imagem do usuário