Tablet

19/09/2012 08h30 - Atualizado em 19/09/2012 08h30

Surface: uma grande promessa que pode mudar a Microsoft

Rodrigo Ghedin
por
Para o TechTudo

Longe de ser revolucionário, o Windows 7 é bastante conservador e, talvez por isso, adorado por tanta gente. A Microsoft basicamente aparou as arestas grossas e cheias de rebarbas do Windows Vista, mexeu um pouco na usabilidade do sistema baseada nos diversos padrões de uso que conhece através de telemetria e relatórios de uso, empacotou tudo e transformou em um sistema campeão de vendas, sucesso de público e crítica.

Mas isso parece não ser o suficiente ante a (provável, que se frise) mudança de comportamento pela qual passamos neste momento. Desde a introdução do iPad, no começo de 2010, os tablets caíram no gosto popular. É meio complicado entender para que serve um tablet, mas bastam uns minutinhos com um na mão para notar que muitas atividades ficam mais cômodas e divertidas com ele.

Steve Jobs apresenta o iPad.Steve Jobs apresenta o iPad (Foto: Reprodução)

O Windows 8 é a resposta direta a esse fenômeno. A nova interface moderna (ex-Metro) foi feita para ser usada com os dedos. Ela não exclui o paradigma dominante (mouse+teclado), mas o tamanho dos pontos clicáveis/tocáveis, os gestos, algumas convenções de uso (apps em tela cheia) deixam claro ao usuário: você estará melhor servido se usar seus dedinhos em vez desses arcaicos acessórios de clicar e digitar. Futuramente abordarei a questão do Windows 8 com teclado e mouse; é ruim, mas não chega a ser desastroso. Papo para semana que vem, talvez.

Voltando à aposta da Microsoft, ela é gigantesca. O Windows é seu produto mais conhecido, um dos maiores softwares do mundo — em vários sentidos. Sozinha, essa alteração já seria surpreendente. Mas tem mais aí, e esse “mais” atende pelo nome Surface.

Não, não é aquela mesa gigantesca sensível a toques que interage com objetos. Essa continua existindo, agora rebatizada como PixelSense. O novo Surface é um tablet. Da Microsoft. Você entende a dimensão disso? Se não, eu te explico.

A Microsoft, historicamente, é uma empresa de software. Ela se arrisca com alguns hardwares e, em quase todas as suas apostas, se dá muito bem: seus mouses e teclados são muito bons, o Xbox 360 é atualmente o videogame que mais vende. O Zune, apesar de toda a sua qualidade (e digo com conhecimento de causa, tive um Zune HD — RIP), não decolou, mas é aquela história, não dá para acertar em todas… Enfim, apesar dessas escapadas na produção de equipamentos, itens físicos, o negócio da Microsoft é fazer software e licenciá-lo para quem produz hardware como ganha-pão: Dell, Lenovo, HP, Acer, Samsung e tantas outras. É aí que ela lucra, e lucra bastante.

Surface.Microsoft Surface (Foto: Divulgação)

"É”, não. Era. Porque o Surface marca uma ruptura nesse modus operandi. É um hardware com Windows, um concorrente das parceiras da Microsoft. Um nó no cérebro de quem viu a empresa, por mais de trinta anos, trabalhar só com software. E uma aposta arriscada, pois coloca em rota de colisão um equipamento próprio e aparentemente bom e outros de quem, por décadas, levaram o nome Microsoft para tantos lares e, principalmente, empresas. O papo da Microsoft é de que o Surface não afeta o relacionamento com suas parceiras, mas quem sabe?

O Windows 8/RT é promissor; tem uma interface diferente, bonita e agradável — embora isso não garanta nada em termos de sucesso comercial."
Rodrigo Ghedin

O Surface foi apresentado com muita pompa em um evento fechado e exclusivo da Microsoft. A imprensa norte-americana viu em primeira mão o tablet, que tem duas versões, uma com Windows 8 Pro e outra com Windows RT (arquitetura ARM), especificações bem bacanas e uma capinha embutida/com teclado que pode ser o prego no caixão dos notebooks para quem trabalha on the road. O problema é que os jornalistas só “viram”; ninguém pôde experimentar o teclado, ou mexer nos aparelhos com muita liberdade. Um ar de incerteza ficou no ar, mas o equipamento ainda tem crédito.

Hoje o cenário do mercado de tablets está um pouco diferente do de 2010. Ou daquele de quando a Microsoft apresentou o Windows 8. Se antes o iPad reinava soberano e tablets de entrada, abaixo dos US$ 300, eram piadas de mau gosto, mas Kindle Fire HD e Nexus 7 são produtos recentes e competitivos na faixa dos US$ 200. Ainda há espaço para o Surface?

Sim. A proposta de um equipamento multiuso, que funciona muito bem como tablet e muito bem como notebook, é um sonho para muitos profissionais e estudantes. O Windows 8/RT é promissor; tem uma interface diferente, bonita e agradável — embora, a exemplo do Windows Phone, isso não garanta nada em termos de sucesso comercial. O preço terá um papel importante aí, e Ballmer disse recentemente que não é nesse aspecto que o Surface brigará, dando a entender que para a versão Pro o custo será similar ao de um iPad e, no com Windows RT, pouca coisa acima dos tablets Android de US$ 200.

O fato de vir pré-instalado impulsionará as vendas do Windows 8, então não é muito arriscado dizer que o sistema venderá bastante. Os híbridos, que vimos às toneladas na última IFA, formam um novo mercado, curioso, incerto, mas com potencial. Em meio a eles, o Surface desponta como o mais intrigante e promissor. Ele pode desencadear uma mudança sem precedentes na Microsoft, que passaria de uma “empresa de software” para uma que provê soluções completas para o usuário final — software, hardware e serviços. Uma Microsoft mais Apple. Goste você ou não da dona do iPad e dos Macs, estamos falando da empresa mais valiosa da história. Não dá para culpar a Microsoft por estar se inspirando nela.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Carlos Moreira
    2012-10-02T08:35:01  

    Mais um tiro no pé da Microsoft, que agora rompe com seus parceiros de décadas, e o sisteminha ainda tem usabilidade duvidosa, mal posso esperar para ver a reação do mercado. Acorda MS!!!

    recentes

    populares

    • Carlos Moreira
      2012-10-02T08:35:01  

      Parece que o jogo virou não é mesmo??

  • Renan Cerqueira
    2012-09-19T10:49:49

    O Surface com certeza vai fazer sucesso!

  • Edivaldo Pontes
    2012-10-18T19:24:13

    Penso até que a Microsoft demorou... não se trata de "tiro no pé" e sim de fomentar o mercado com bonitos hardwares onde ela desta vez terá participação direta e completa; produzindo Software e Hardware. Basta ver os mouses, webcans, teclados que ela produz. São de ótima qualidade! Para mim, ela está de parabéns.

  • Daniel Soares
    2012-09-20T10:31:53

    "Uma Microsoft mais Apple"... Será que a maça deveria passar a ter medo? Vai ser uma bagunça se o Surface realmente causar uma ruptura dessa dimensão... Mal posso esperar. xD"

  • Anderson Silva
    2012-09-30T16:58:58  

    Appleboys aprecendo para suas ironias e dar seus chiliques de fã em 3, 2, 1...

    recentes

    populares

    • Anderson Silva
      2012-09-30T16:58:58  

      Qualquer pessoa que use um apple já usou um Windows...Ja tive um DeskHP muito bom, com ótimas experiências com o windows. No entanto,após usar o MacOS, qualquer um nota a maior qualidade Apple...Não sou contra as outras, mas é notória a qualidade superior dos produtos Apple. A maior prova disso é a nítida cópia que as outras empresas teem feito dos produtos e da ppa Marca Apple.