TechTudo

30/11/2012 16h18 - Atualizado em 30/11/2012 16h23

Aprenda como fotografar com longa exposição e obtenha fotos criativas

Adriano Hamaguchi Para o TechTudo

Confira nossas dicas para fotografar com longa exposição de forma criativa. Este recurso é utilizado para fotografar cenas em que o sensor precisa de mais tempo para captar a imagem adquadamente, o que é frequente em ambientes com pouca luz.

Imagem de fagulhas de esponja de aço fotografada com longa exposição (Foto: Vinicius Carvalho)Imagem de fagulhas de esponja de aço fotografada com longa exposição (Foto: Vinicius Carvalho)

O que é?

Para obter uma fotografia, é preciso que a luz incida em um objeto foto sensível – como o sensor das câmeras digitais ou filme das câmeras analógicas –, fazendo com que aquela imagem seja captada. Para que esse objeto seja exposto corretamente (resultando em uma boa foto) são necessários três fatores: abertura do diafragma, ISO e velocidade do obturador.

O obturador é o mecanismo que abre e fecha em milissegundos, permitindo que a luz entre na câmera e exponha o sensor. Se você permite que ele fique muito tempo aberto, isso se chama longa exposição.

Entenda seu equipamento

Leia o manual e aprenda a operar os controles de configuração para longa exposição. Modelos mais básicos, as câmeras compactas geralmente oferecem os modos “fogos de artifício”, “luz de vela”, “noite com tripé” ou "modo noturno", mas não são o equipamento ideal. Para obter o efeito com câmeras amadoras que não permitem o controle manual, é preciso improvisar. Escolha o modo, desligue o flash e dimunua o ISO para no máximo 100. Dessa forma, a câmera vai ser “obrigada” a diminuir a velocidade do obturador automaticamente.

Já os modelos semiprofissionais oferecem o controle do tempo de exposição. Você pode optar pelo modo manual ou pelo modo “S”, Prioridade pela Velocidade do Obturador (“Shutter Speed Priority”). Os modelos profissionais normalmente oferecem o modo “Bulb“, em que o tempo da captura da imagem é controlado manualmente, além dos modos “S” e “Manual”.

À esquerda, ícones dos modos de longa exposição, ao meio, um controle seletor e à direita, um display indicando o modo "bulb" (Foto: Adriano Hamaguchi)À esquerda, ícones dos modos de longa exposição, ao meio, um controle seletor e à direita, um display indicando o modo "bulb" (Foto: Adriano Hamaguchi)

Para longas exposições, o uso do tripé é indicado para garantir a qualidade de suas imagens. Esta é a melhor forma de fotografar usando longa exposição, mas também é possível tentar estabilizar a câmera apoiando-a em algum lugar fixo. Outro ponto importante é que o flash embutido deve ser desativado.

Para uma fotografia profissional, é recomendável o uso do controle disparador. Ele permite que o fotografo dispare a câmera sem correr o risco de tremer a imagem com o movimento que faz ao apertar o botão. Esse acessório também permite travar a câmera no modo bulb.

Conheça os diferentes tipos de efeitos fotográficos com o uso de longa exposição.

Panning

Panning é o efeito em que o objeto fotografado aparece nítido em contraste com o fundo, que mostra uma aparência arrastada.

Moto sendo fotografada com câmera acompanhando seu movimento (Foto: Reprodução)Moto sendo fotografada com câmera acompanhando seu movimento (Foto: Reprodução)

Para obter este efeito, o fotógrafo deve acompanhar o movimento do objeto. É preciso prática para conseguir uma imagem nítida.

Esquema mostra o ângulo da câmera acompanhando o movimento da motocicleta a ser fotografada (Foto: Adriano Hamaguchi)Esquema mostra o ângulo da câmera acompanhando o movimento da motocicleta a ser fotografada (Foto: Adriano Hamaguchi)

No caso de veículos, como no exemplo acima, você pode utilizar uma velocidade entre 1/60 e 1/125 segundos. Para pessoas andando, 1/8 de segundo é suficiente. Nesses casos, é indicado usar um tripé de cabeça móvel ou um monopé para não correr o risco de tremer a imagem. Mantenha o objeto centralizado em sua composição.

Confira a matéria do TechTudo sobre a técnica Panning, que explica mais detalhes para compor uma fotografia com este efeito.

Light Painting

A técnica conhecida por Light Painting ("Pintura com Luzes", em tradução livre) consiste em utilizar uma baixa velocidade do obturador para capturar o “caminho” deixado pelos pontos de luz. Você pode aprender um pouco mais da técnica Light Painting no artigo do colunista Julio Preuss.

Uma maneira simples de obter o efeito é utilizar uma esponja de aço amarrada a um arame, queimar e girá-la, fazendo com que suas fagulhas sejam projetadas no sentido do movimento. Com uma exposição maior que cinco segundos, abertura F11 e ISO 200, é possível capturar belas imagens.

Fotografia de esponja de aço em chamas em movimentos circulares, com tempo de exposição de  39 segundos, F11 e ISO 200 (Foto: Vinicius Carvalho)Fotografia de esponja de aço em chamas em movimentos circulares, com tempo de exposição de 39 segundos, F11 e ISO 200 (Foto: Vinicius Carvalho)

Realizamos outro experimento, desta vez utilizando uma velocidade de 5 segundos, abertura F8 e ISO 80. Observe que a quantidade de evoluções e fagulhas é maior na imagem anterior.

Fotografia de esponja de aço em chamas em movimentos circulares, com exposição de 5 segundos, abertura F8 e ISO 80 (Foto: Adriano Hamaguchi)Fotografia de esponja de aço em chamas em movimentos circulares, com exposição de 5 segundos, abertura F8 e ISO 80 (Foto: Adriano Hamaguchi)

Capturando fantasmas

É possível também criar fantasmas em suas fotografias. Utilizando o flash, você pode configurá-lo para uma baixa potência e dispará-lo algumas vezes durante a exposição. Para isso será necessário utilizar um flash externo.

Foto de longa exposição com malabares, com exposição de 20 segundos, F11 e ISO 100, com disparos de flash externo (Foto: Vinicius Carvalho)Foto de longa exposição com malabares. Imagem feita com exposição de 20 segundos, F11, ISO 100 e disparos de flash externo (Foto: Vinicius Carvalho)

Para fotografias sem o uso do flash, configure o tempo de exposição de 10 a 30 segundos. Para que o “fantasma” seja captado, mantenha o objeto imóvel na posição desejada por 1/3 do tempo total da exposição. Quanto mais tempo imóvel, mais visível será o “fantasma”.

Efeito fantasma (Foto: Luiza Junqueira) (Foto: Efeito fantasma (Foto: Luiza Junqueira))Efeito fantasma obtido com longa exposição (Foto: Luiza Junqueira)

Confira a matéria do TechTudo e aprenda a criar fantasmas com longa exposição e a obter bons resultados com e sem o uso flash.

Rastro de luzes

Quanto mais escuro estiver o ambiente, mais fácil será captar o movimento das luzes. Em ambientes em que há iluminação, opte por tempos de exposição menores, para que a imagem não fique superexposta.

No comparativo a seguir, utilizamos duas velocidades diferentes: 4 e 8 segundos. Observe que o comprimento do rastro é proporcional ao tempo de exposição da imagem.

Fotografias de avenida, utilizando exposição de 8 segundos na imagem superior e de 4 segundos na imagem inferior (Foto: Adriano Hamaguchi)Fotografias de avenida, utilizando exposição de 8 segundos na imagem superior e de 4 segundos na imagem inferior (Foto: Adriano Hamaguchi)

Outros objetos interessantes para fotografar são os de parques de diversão. A imagem abaixo foi fotografada com 4 segundos de exposição, F8 e ISO 80.

Fotografia do Kamikaze em um parque de diversões, com 4 segundos de exposição, F8 e ISO 80 (Foto: Adriano Hamaguchi)Fotografia de brinquedo em parque de diversão com 4 segundos de exposição, F8 e ISO 80 (Foto: Adriano Hamaguchi)

Dependendo da velocidade do objeto, você também poderá utilizar velocidades maiores, ou seja, tempos de exposição menores. Com o movimento mais intenso de outro brinquedo, fizemos um comparativo entre duas fotografias obtidas com 10 e 1,6 segundos de exposição, com abertura F8 e ISO 80.

Fotografia da atração "Extreme" em um parque de diversões, utilizando velocidade de 10 segundos à esquerda, e 1,6 segundos à direita (Foto: Adriano Hamaguchi)Fotografia de atração em um parque de diversão, utilizando velocidade de 10 segundos à esquerda e 1,6 segundos à direita (Foto: Adriano Hamaguchi)

Escrevendo com a luz

Usando um celular, uma laterna ou qualquer tipo de objeto luminoso, você pode desenhar formas abstratas, e até mesmo escrever durante a exposição. No exemplo abaixo, a fotógrafa utilizou uma abertura F5, 4 segundos de exposição e ISO 200.

Fotografia de casal ao lado das madrinhas escrevendo palavra "love" com fogos de artifício (Foto: Mary Dougherty)Fotografia de casal ao lado das madrinhas escrevendo palavra "love" com fogos de artifício (Foto: Mary Dougherty)

Este é outro exemplo criativo de escrita com luzes (“light writing”), fotografado com utilização de leds.

Imagem de cidade desenhada por luzes de led e fotografada utilizando exposição de 30 segundos (Foto: Michael Bosanko)Imagem de cidade desenhada por luzes de LED e fotografada utilizando exposição de 30 segundos (Foto: Michael Bosanko)

Fogos de artifício

Até mesmo as câmeras compactas já oferecem o modo “Fireworks”. Mas caso queira configurar sua câmera, usar um ISO máximo de 100 para garantir uma imagem nítida e limpa. Se possível, utilize um tripé ou um apoio firme para garantir que suas fotos não saiam tremidas, e utilize uma velocidade de 2 a 15 segundos.

Confira a matéria que o TechTudo preparou e aprenda a fotografar fogos de artifício.

Luzes dos fogos deixam um rastro na imagem (Foto: Adam Chaffins)Luzes dos fogos deixam um rastro na imagem (Foto: Adam Chaffins)

Lembre-se que sua segurança é mais importante que qualquer fotografia. Não realize experimentos sem o acompanhamento e autorização de um responsável.

Conheça mais sobre o trabalho do fotógrafo Vinicius Carvalho, autor de outros experimentos com longa e múltiplas exposições.

Colaborou Luiza Junqueira

  • imprimir
  • Compartilhar no Orkut
  • Enviar para um Amigo
140 caracteres

Verificação de segurança

Gênero


    TechTudo.com.br © Copyright 2010-2014 Globo Comunicação e Participações S.A. Política de Privacidade