20/11/2012 10h48 - Atualizado em 20/11/2012 11h01

Com 27 anos, o Windows precisa se reinventar para continuar líder

Rodrigo Ghedin
por
Para o TechTudo

Eu nem era nascido quando o Windows 1.0 foi lançado, no dia 20 de novembro de 1985. Chamou-me a atenção esse detalhe quando comecei a pensar neste texto. Faz tempo, não? Há 27 anos a computação era muito diferente, mais restrita, menos difundida. Definitivamente menos divertida.

Windows 1.0.Windows 1.0 - A primeira versão do Windows (Foto: Reprodução)

Vínhamos, digo, a geração passada vinha de telas monocromáticas e sistemas limitados. O MS-DOS, antecessor e, por algumas versões, a base do Windows, era monotarefa, ou seja, só executava um aplicativo por vez, e um sistema baseado em texto, sem interface gráfica. Imagine o salto que isso não deve ter representado. A introdução (e a estranheza) do mouse. Ícones! Paint!

O projeto que originou o Windows 1.0 foi criado anos antes, em 1981, por um cientista da computação chamado Chase Bishop. Anos mais tarde, seu projeto “Windows” transformou-se no que a Microsoft, na época, chamava de “front-end para o sistema operacional MS-DOS”. Parece estranha essa ideia hoje, mas as versões pioneiras do Windows eram basicamente uma casca gráfica para o velho DOS. Basicamente, mas não somente isso.

O primeiro Windows dependia do DOS para várias coisas (você entrava no DOS e digitava “win” para entrar no Windows, lembra?), mas trazia diferenciais outros além da interface gráfica. Os arquivos executáveis compartilhavam a mesma extensão (.exe), mas eram compilados para o Windows. Drivers também foram criados especificamente para o novo sistema. E haviam aplicativos pré-instalados, como ocorre até hoje. Na época, vinham Calculadora, Calendário, Cardfile, Visualizador da Área de Transferência, Relógio, Painel de Controle, Bloco de Notas, Paint, Reversi, Terminal e Write (editor de textos). O conceito de janelas, o que dava nome ao sistema operacional, obviamente já existia, mas elas não se sobrepunham; em vez disso, ficavam ladeadas (somente caixas de diálogo podiam pairar sobre outras janelas). Era um negócio totalmente diferente, da mesma forma que tantas outras coisas mudaram tanto nesse intervalo de 27 anos — a moda, a política, a sexualidade, nós mesmos.

Como o Windows se tornou tão popular?

Muita coisa mudou nesse meio tempo e o Windows se tornou, em duas décadas, o sistema operacional mais usado do mundo. Estima-se que 1,5 bilhão de computadores estarão rodando o Windows no mundo inteiro até o final de 2012. Isso é bastante coisa.

Essa hegemonia não veio de uma hora para outra, ou sem esforço. Ao longo das suas várias versões o sistema foi sendo aprimorado, passando por transformações, ganhando recursos. De utilidade duvidosa, às vezes (Active Desktop, Gadgets da Área de Trabalho… alguém?), mas sempre adiante. É difícil saber por que o Windows atingiu o status de ser tão usado que seus erros passaram a ser toleráveis, mas há vários suspeitos que, talvez (provavelmente), tenham se combinado para chegar a esse resultado.

O Windows ganhou popularidade, mesmo, a partir da versão 3.1. Àquela altura a informática já era difundida nas empresas e os clones do padrão IBM-PC, muito mais baratos que os concorrentes de então (Apple e Commodore, por exemplo). A Microsoft, desde sempre, utilizou o licenciamento como meio de comercializar seus sistemas operacionais, o que significa que qualquer empresa interessada poderia comprar licenças para pré-instalar o, no caso, Windows, e vender a máquina completa, já com software rodando.

Quando as pessoas começaram a comprar computadores para as suas casas, viram nesses clones do IBM-PC dois fatores bem tentadores: familiaridade com os equipamentos que usavam no trabalho e preços mais baixos. Foi a receita do sucesso, o que impulsionou as vendas do Windows - sempre, é claro, devidamente divulgado pela Microsoft.

Mas o trabalho da MIcrosoft não se restringia ao consumidor final. Havia, como há até hoje, uma grande atenção para os desenvolvedores. A documentação do Windows era disponibilizada gratuitamente e, com isso, a Microsoft convencia mais e mais deles a criar softwares para a sua plataforma em detrimento de outras mais “fechadas”, ou caras. Software é o que nos leva a investir em um sistema operacional, mesmo hoje — o iPad é muito melhor que tablets Android pelo seu vasto acervo de apps. O Office, desde o início uma das forças do Windows, já é usado por mais de um bilhão de pessoas.

No fim, todos esses fatores colaboraram para que o Windows se tornasse onipresente. O início da era da computação pessoal foi crucial para que a Microsoft fincasse raízes e se sobressaísse no então novo segmento. Esse pioneirismo garantiu a ela uma supremacia que dura até hoje e que, só agora, se vê ameaçada. Não por outro sistema, mas por formatos diferentes: tablets e smartphones.

A evolução

Essa história não transcorreu sem turbulências. Até o fim da era do kernel 9x (Windows Me), você tinha que reiniciar o computador praticamente todo dia. O gerenciamento de memória era ruim, o sistema ficava visivelmente lento após abrir e fechar alguns poucos aplicativos. Os erros eram corriqueiros e a tela azul de morte tão comum que virou sinônimo de Windows — um estigma que o persegue, injustamente, até hoje.

Foi com o Windows 2000 e, depois, o XP, que passamos a ter um sistema confiável para trabalhar graças ao kernel NT, totalmente 32 bits e muito, muito mais robusto e confiável. O Windows XP, inclusive, ainda hoje é largamente usado — um quarto daquele 1,5 bilhão de usuários ainda está nele. O Windows 1.0 foi a versão que teve o maior tempo de suporte (até 31 de dezembro de 2001), mas o XP foi, sem sombra de dúvidas, a mais popular da história. Quiçá o sistema operacional mais popular da história.

Windows XP.Windows XP é a versão mais popular do Windows (Foto: Reprodução)

O Windows Vista teve um planejamento grandioso, um que visava reformar por completo áreas há muito negligenciadas do sistema. Na prática, esse plano naufragou em atrasos, cortes de funcionalidades e mudanças internas ainda assim tão profundas que criaram um caos de incompatibilidades e lentidão para o hardware padrão da época.

Dois anos depois, no final de 2009, o Windows 7 corrigiu os grandes problemas do Vista e, com computadores e notebooks mais potentes no mercado, finalmente conseguiu ultrapassar o Windows XP como o mais usado do mundo — e mesmo assim demorou; a marca só foi atingida agora, em setembro de 2012. Há quem diga que ele será o “novo XP”, tanto por ser muito bom, mas também pelo seu controverso sucessor.

Windows 8

27 anos mais tarde, a Microsoft ousou como nunca havia feito em um dos seus principais produtos. O Windows 8 mira em tablets, não em desktops e notebooks, e muda radicalmente para isso sem perder várias características que o tornam reconhecível a qualquer um. É um sistema híbrido, inconsistente e confuso em muitos momentos, mas uma aposta necessária, uma resposta antecipada a uma disruptura ainda em curso.

Se alguns anos atrás o império desse sistema quase trintão era tido como inabalável, hoje a realidade é outra. E a disputa veio “de baixo”: de sistemas mais limitados, com foco em mobilidade, movidos por processadores ARM que consomem pouca energia e não esquentam muito.

As próximas décadas não serão tão fáceis para o Windows, mesmo com todo o legado e expertise que a Microsoft possui.

Tem alguma dúvida de tecnologia? Entre no Fórum do TechTudo!

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Eduardo Espindola
    2012-11-24T12:53:49

    O Windows é um SO muito f...a. muito bom mesmo. Tenho celular android, mas estou louco para ver o Win8 para tablet, celular e computador desbancar. A Microsoft pisou na bola, mas acho que será possível reverter...

  • Ericson Mello
    2012-11-24T11:12:39

    lol nostalgia pura, meu primeiro pc tinha windows 3.11

  • Alexandre Ísola
    2012-11-20T23:07:19

    Sua matéria é interessante. Mas como sempre o viés editorial fica claro: Windows 8 inconsistente e confuso??? Como assim? É o melhor Windows já feito, não tenho nenhuma dúvida. Sim, é um produto de transição. Mas justamente por isso é o único SO que permite trabalhar e integrar com diversão e redes sociais em telas touch e se quiser, no desktop. Uma frase muito forte a sua sobre o Windows 8. Use, mas use mesmo, não em seu mac como sistema virtual, mas num Tablet ou mesmo Ultrabook ou Desktop. Verá um sistema ágil, robusto, em nada confuso. Traz a agilidade do XP, a estabilidade do 7.

  • Carlos Moreira
    2012-11-20T17:50:11

    Quem vai fazer o Windows virar lembrança é o Android, coração Linux com uma interface gráfica nunca antes vista, anotem aí, a revolução está a caminho. E olha que eu sou usuário de Mac...

  • Fernando Martini
    2012-11-24T12:06:24  

    nostalgico, mas comecei por ae mesmo Dos 6.22, e passei e ntalei todas as versões do windows, melhorou bastante, algumas lamentacoes no caminho, Windows ME e Vista foram tragicos, windows 8 é fantastico só ter o hardware de acordo, uma tela touchscreen para fazer jus ao potencial e recursos do sistema opracional, e evidentemente pensando na segurança, algo longe de ocorrer no marktplace do android, uma fabrica de virus

    recentes

    populares

    • Fernando Martini
      2012-11-24T12:06:24  

      Concordo com voce. Tenho android. Samsung S1, mas estou louco para que o Win8 esteja em mais celulares. Windows é Windows. nao há discussão...

  • Genilson Silva
    2012-11-21T10:08:23  

    Uma coisa que o autor deixou de falar é que o Android já ultrapassou em quantidade os celulares e tablets da Apple, quando fala que o iPad é melhor por que tem mais aplicativos. Só o Samsung Galaxy SIII já vendeu mais que o iPhone.

    recentes

    populares

    • Genilson Silva
      2012-11-21T10:08:23  

      q??????/ hein??????? q confuso.... Tentando entender, existem mais androids q iphone mas não existe mais galaxy s3 que iphone. Galaxy s3 vendeu mais nos últimos meses principalmente antes do lançamento do 5 mas não superou o iphone 4s nem o 4. Já ipad é o tablet mais vendido e a graaande maioria de tablets em uso no mundo continua sendo ipad. Mas quanto ao iphone a briga com o galaxy está muito boa e acho q o s4 vai superar de vez se não exagerarem no tamanho. Já pra tablets ainda não vejo nenhuma ameaça ao seu reinado... A popularidade e qualidade do ipad4 ainda é muito grande.

  • Everton Celistre
    2012-11-20T14:04:48  

    Ele esta fazendo isso. Autor favor pesquisar mais sobre os assuntos que escreve.

    recentes

    populares

    • Everton Celistre
      2012-11-20T14:04:48  

      favor deixar de ser capivara antes de comentar e ler o texto todo.

  • Cristiano Palmer
    2012-11-20T13:40:14  

    Acredito que a maior ousadia da Microsoft foi no Windows 98 SE. Este sim era 32 bits, o ME foi um 98 repaginado! O 2000 veio do Windows NT! Por isso a notável diferença na velocidade, pois o FAT 32 foi abandonado para dar lugar ao NTFS.

    recentes

    populares

    • Cristiano Palmer
      2012-11-20T13:40:14  

      Nao entendi nada.... Mas usei todos esses SO.