30/05/2013 07h00 - Atualizado em 30/05/2013 07h00

Tecnologia de impressão 3D vira realidade para o consumidor brasileiro

Maria Eduarda Chagas
por
Para o TechTudo

Armas, estações espaciais, órgãos e agora até em pizza vai dar. As possibilidades das impressoras 3D são muitas. Os cientistas apostam cada vez mais no desenvolvimento desta tecnologia, que começa a chegar, aos poucos, nas residências brasileiras. O número de aparelhos disponíveis para o usuário final no país vem crescendo, mas eles ainda são caros e possuem algumas limitações no que se refere ao material que pode ser impresso e ao tamanho do artigo final.

A empresa Robtec vende, desde abril, o modelo de uso pessoal fabricado pela 3D Systems. A impressora Cube custa R$ 6.990 e produz objetos de plástico ABS ou PLA de até 14 cm de largura, comprimento e profundidade.

Modelos Matemáquina, Cliever CL1 e Cube são opções de impressoras 3D para residência (Foto: Divulgação)Modelos Matemáquina, Cliever CL1 e Cube são opções de impressoras 3D para residência (Foto: Divulgação)

Duas empresas nacionais já comercializam suas próprias impressoras 3D. A gaúcha Cliever vende seu carro-chefe Cliever CL1 por R$ 4.650. Já o modelo da paulistana Matemáquina custa R$ 3.700. Ambas também imprimem em filamentos de plástico ABS e PLA.

Quem tem mais habilidade com a tecnologia pode comprar um kit para montar em casa, alternativa mais barata. Esse é o caso de Tiago Ramalho Pinheiro, técnico em informática, programação PHP e robótica. Ele adquiriu uma impressora RepRap por R$ 2.200 e tem estudado formas de usar o equipamento para imprimir partes dele mesmo. “Uma pessoa que tem uma impressora desta pode duplicá-la e vender”, explica. E acrescenta que essa é uma maneira de reduzir o custo de produção da máquina.

Possibilidades e limitações dos modelos mais acessíveis de impressora 3D

Além da possibilidade de produzir as suas próprias peças, a impressora 3D serve a muitos outros propósitos. O usuário pode criar em casa brinquedos em miniatura, utensílios domésticos e acessórios, como pulseiras, anéis e armação para óculos e capas de celular, por exemplo.

Ainda que sejam infinitas as possibilidades, os modelos mais acessíveis para o consumidor final ainda esbarram em algumas limitações. Além das restrições de tamanho e material, a impressão é lenta e a qualidade do produto muitas vezes deixa a desejar.

Outro ponto que pode dificultar a experiência com o equipamento é a necessidade de trabalhar com softwares de edição em três dimensões, como o AutoCad, o 3D Studio Max, o Blender e o SketchUP. Em geral, as impressoras 3D têm suporte a arquivos com extensão .STL e é preciso saber trabalhar com este formato.

Entretanto, sites na internet já disponibilizam desenhos prontos para o usuário baixar, o que pode facilitar bastante o uso do equipamento. Um bom exemplo é o Thingiverse, citado pelo site da MakerBot, uma das principais fabricantes de impressora 3D.

Empresa nacional oferece serviço para imprimir projeto do usuário

A start up Imprima 3D, sediada em São Caetano do Sul, São Paulo, foi fundada no final de 2011 com o objetivo de imprimir os protótipos de pessoas do Brasil inteiro. A ideia é simples: basta subir o arquivo nos formatos .STL ou .WRL que o site calcula o orçamento por volume em cm³ e oferece o valor da impressão em cada um dos materiais disponíveis. Também é possível encomendar objetos idealizados por outros designers.

Produtos disponíveis para impressão no site Imprima 3D (Foto: Reprodução/Imprima 3D)Produtos disponíveis para impressão no site Imprima 3D (Foto: Reprodução/Imprima 3D)

Segundo Vinicius Dourado, gestor de e-commerce da empresa, a start up já recebeu mais de dois mil pedidos. Algumas encomendas são inusitadas: “Já pediram por exemplo um sutiã em 3D, mas é constante solicitarem a impressão de santinhos, parentes, cachorros.”, explica . Dourado avisa que, na prática, é possível imprimir objetos com esses moldes, mas é necessário que o projeto seja enviado em um formato que a impressora reconheça.

Para quem não tem um equipamento em em casa, mas quer ver o seu protótipo se tornar real, o serviço pode ser uma boa opção. “Hoje imprimimos praticamente de tudo: joias, bonecos, toy art, objetos de decoração, peças técnicas para indústria alimentícia, médica, moveleira”, afirma. O importante é saber trabalhar com os softwares especializados para que o projeto saia o mais próximo possível do esperado.

O designer Alexandre Neto, de Sorocaba, é cliente do serviço e se diz satisfeito. “Hoje não preciso trabalhar mais com sites de impressão de fora do Brasil”. Ele começou a estudar a tecnologia quando percebeu a facilidade de enviar suas criações para as empresas com que tinha parceria. “Eu fazia esculturas da maneira tradicional, com a mão na massa. Agora envio o arquivo e o modelo é entregue em poucos minutos. Se eu pudesse, eu teria umas três impressoras 3D em casa”, se diverte. Quem sabe um dia.

Tem dúvidas sobre tecnologia? Pergunte no Fórum do TechTudo!

Seja o primeiro a comentar


Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Imagem do usuário
Sair

Quer realmente sair da globo.com?

Imagem do usuário

recentes

populares

  • Leandro Rodrigues
    2013-05-30T16:21:49

    nem sabia que isso existia

    COMPARTILHAR

    Imagem do usuário