Internet

20/07/2014 07h40 - Atualizado em 20/07/2014 07h40

Wi-Fi 802.11 ax: entenda como será o próximo padrão de conexão sem fio

Pedro Zambarda
por
Para o TechTudo

A conexão Wi-Fi 802.11 ax pode ser o novo padrão de Internet sem fio até 2019 - ou quando for consolidada pela WiFi Alliance. A equipe que está desevolvendo a novidade deseja entregar uma velocidade quatro vezes mais rápida do que o sistema 802.11 ac, banda larga ideal para localidades públicas, como os sinais abertos em praças. Confira, no TechTudo, como funcionará de fato esta nova padronização.

Roteador da Netgear visa ambientes com muitos aparelhos ligados ao Wi-Fi

Wi-Fi 802.11 ax pode ser o futuro padrão sem fio (Foto: Creative Commons/Flickr/Sean MacEntee)Wi-Fi 802.11 ax pode ser o futuro padrão sem fio (Foto: Creative Commons/Flickr/Sean MacEntee)

Qual é o padrão atual? Como vai evoluir?

O Institute of Electrical and Electronics Engineers (IEEE) fundamentou o padrão 802.11 a em 1999. De lá para cá, vieram pelo menos quatro padrões: o 802.11 b em setembro de 99, junto com o primeiro; o g em junho de 2003; o n em outubro de 2009; e o último padrão foi o 802.11 ac em dezembro de 2013. Ainda tivemos os padrões 802.11 s, 802.11 ad e 802.11 aj, que são menos utilizados.

A conexão mais básica, de 802.11 a, alcança a velocidade máxima de 54 Mbps. Já a mais recente, 802.11 ac, chega até 866,7 Mbps. Os picos de conexão ac chegam em 1,3 Gbps na banda de 5 GHz, e 450 Mbps na banda de 2,4 GHz.

Uma segunda onda da conexão 802.11 ac chegará em 2015, mais focada na banda de 5 GHz, enquanto a de 2,4 é utilizada pelo Wi-Fi dos tipos b, g e n. Esse novo padrão terá uma tecnologia de multi-acesso para entrada e saída de dados, o que permitirá a multiplicação de clientes. Haverá suporte também de um canal de 160 MHz. O resultado deste tipo de tecnologia inteligente será um rendimento de até 7 Gbps no pico.

O novo padrão só virá depois, com o nome de 802.11 ax e desenvolvido pela WiFi Alliance. A intenção deste novo formato é quadruplicar a velocidade de conexão sem fio individual para atingir toda a rede. Eles esperam chegar em 10,53 Gbps na banda de 5 GHz de frequência.

A WiFi Alliance é uma organização sem fins lucrativos com cerca de 600 integrantes que buscam implementar tecnologias sem fio. A organização existe desde 99, com a popularização do primeiro sistema 802.11 a.

Roteador da Huawei deve chegar em 2018 (Foto: Divulgação)Roteador da Huawei deve chegar em 2018 (Foto: Divulgação/Huwaei)

O único roteador do ax é da Huawei, até o momento

A fabricante chinesa Huawei se adiantou e promete fabricar o primeiro roteador no novo padrão de conexão em meados de 2018. Isso só acontecerá, é claro, se o 802.11 ax for consolidado como plataforma Wi-Fi. A previsão oficial é que a nova tecnologia só chegará ao grande público em 2019.

Se o padrão ax não for adotado, o aparelho da Huawei funcionará com a versão atualizada do 802.11 ac, previsto para ser lançado em 2015, com o esgotamento de seu antecessor no mercado.

Qual é o principal foco do 802.11 ax?

O objetivo é atingir usuários de redes públicas de Wi-Fi, como os hotspots de estabelecimentos comerciais e praças. Ou seja, você poderá enfim ter uma conexão sem fio razoável dentro de uma Starbucks, assim como poderá acessar com mais facilidade em um parque com outras pessoas já conectadas.

É óbvio que a conexão não ficará em 10 Gbps o tempo todo, mas você poderá baixar filmes e filmagens em alta resolução com mais facilidade. Outra vantagem pensada neste padrão é um alcance maior através de paredes.

Quais são os principais problemas? A qualidade dos roteadores. Nos Estados Unidos, a Internet via Google Fiber promete 1 Gbps de velocidade, mas o rendimento nunca é atingido no modo Wi-Fi, ficando em míseros 200 Mbps. No cabo de fibra óptica, a média de velocidade do Fiber ficou entre 600 Mbps e 700 Mbps.

Não há ainda informações precisas sobre a velocidade de download ou de upload da versão 802.11 ax. Sabe-se apenas que o roteador da Huawei chegou no pico de velocidade de 10,53 Gbps. Nos próximos anos, serão realizados novos testes para verificar como a conexão será na prática.

A média de velocidade das operadoras de Internet banda larga do Brasil, de empresas como Oi, TIM, NET, GVT, Vivo e outras, fica no patamar de somente 2 Mbps. Então, mesmo que o padrão 802.11 ax se consolide, ele vai demorar para realmente impactar a conectividade brasileira mais comum, de acordo com os serviços ofertados por aqui.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Guilherme Pinheiro
    2018-01-08T18:30:20

    Já uso enlaces com as Ubiquitis AC e é muito toppp.. uma banda agregada de 350 mega com sinal a -54... Logo logo chega no paraguai essas novas antenas em AX... ai a coisa fica séria!

  • Vagner Kikuti
    2017-08-30T04:13:02

    Favor corrigir tanta baboseira escrita, dá até vergonha um site que deveria ensinar corretamente escrever que o primeiro padrão wifi foi o 802.11a(5ghz), mas sim o 802.11(2mbps).

  • Ricardo Ferreira
    2014-07-25T14:24:42  

    Com os backbone's que temos no Brasil, na media de 2MBps, do que adianta este roteadores?

    recentes

    populares

    • Ricardo Ferreira
      2014-07-25T14:24:42  

      WLAN é a resposta. Dependendo da aplicação a conexão cabeada ainda é um requisito. Mas com redes wireless rápidas podemos ter escritórios operando via wireless. Fiz a implantação de uma solução Wireless 802.11ac da Cisco em uma multinacional Sueca, até então o padrão N não atendia o departamento de engenharia, o padrão AC supriu a demanda por throughput e largura de banda. Agora o engenheiro pode optar pelo cabo ou pelo Wireless.

  • Benedito Nogueira
    2014-07-21T22:38:39

    Só deus sabe quando chegara ao Brasil, e assim mesmo com o preço nas alturas, como sempre, tudo mais caro e com serviços de má qualidade.

  • Uelber Santiago
    2014-07-21T15:26:48

    2019??? No Brasil isso só acontecerá em 2020 ou 2021, como toda tecnologia prevista para o Brasil. Sempre atrasam um ou dois anos informando dificuldades técnicas.