Fabricantes

18/03/2011 17h53 - Atualizado em 14/07/2011 06h58

Microsoft ajuda a desligar botnet com 1 milhão de PCs infectados

Thássius Veloso
por
Para o TechTudo
Steve Balmer, presidente da Microsoft, desistiu da briga contra a pirataria? (Foto: Época Negócios)Steve Balmer (Foto: Época Negócios)

A Rustock é uma das mais importantes botnets do mundo. A partir de seus servidores, ela envia comandos para nada menos que 1 milhão de PCs zumbis, que foram previamente infectados por malware. A partir daí, temos um processo de envio de spam praticamente sem fim. Ou melhor, tínhamos, porque a Rustock foi desativada nessa semana.

Para tanto, a atuação da Microsoft foi mais do que fundamental nessa história. A gigante do software foi quem originalmente mapeou onde ficavam os servidores da Rustock — em 7 cidades dos Estados Unidos —, a fim de vistoria-los depois de receber o aval da justiça para tal. Tiveram que trabalhar inclusive com agentes federais durante essa investigação.

Em jogo estava uma botnet que responde por quase 50% dos e-mails de spam no mundo. Ou seja, a própria Microsoft tinha total interesse em desativá-la, para economizar uma graninha em seus servidores de e-mail com tráfego desnecessário.

O resultado dessa ação em conjunto é que a Rustock foi oficialmente desligada, depois que seus servidores principais estavam em poder dos agentes da lei. Nada mais de e-mails falso, ataques DDoS e disseminação de malware a partir de 1 milhão de computadores infectados no mundo.

Isso é só o começo. A Microsoft agora está trabalhando com provedores locais para avisar os donos desses computadores de que está mais do que na hora de instalar um bom antivírus nas máquinas. Enquanto isso, pode apostar que outros hackers já estão tramando a próxima grande botnet. Essa disputa de gato e rato parece nunca ter fim.

Via: Tecnoblog

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares