29/08/2011 19h27 - Atualizado em 29/08/2011 19h27

Cientistas afirmam que jornais velhos poderiam ser utilizados como combustível para carros

 Alessandro Iglesias
por
Para o TechTudo

Uma equipe de cientistas do setor de estudo de células e biologia molecular da Universidade de Tulane, Nova Orleans, anunciou a descoberta de um novo e ótimo uso para bactérias. Neste caso, os pesquisadores teriam conseguido, com o uso de uma variante bacteriana batizada como TU-103, gerar butanol como produto de sua reação com a celulose presente em folhas de jornal.

Seriam os jornais em papel os salvadores da crise energética? (Foto: Reprodução)Seriam os jornais em papel os salvadores da crise energética? (Foto: Reprodução)

A grandiosidade deste achado consiste em, primeiramente, o butanol ser um ótimo álcool biocombustível, superior em relação ao etanol em termos de energia, podendo facilmente substituir a gasolina para movimentar automóveis e demais veículos sem a necessidade de que eles precisem passar por alterações. Seu armazenamento e transporte também são facilitados, sendo adequado aos canos já presentes em postos e reservatórios de gasolina. Além disso, o produto não possui alta corrosividade, o que manteria a integridade das estruturas por mais tempo.

Ainda, sendo a celulose um composto presente em toda a matéria vegetal, ela é o polímero orgânico mais presente em todo o planeta, o que garantiria suprimento de combustível por gerações e ainda amorteceria os problemas relacionados ao uso de combustíveis fósseis e sua já prevista extinção.

Conforme afirma Harshad Velankar, pós-doutorando do setor de biologia molecular do instituto, somente nos Estados Unidos haveria, por ano e no mínimo, 323 milhões de materiais compostos por celulose que são desperdiçados, e com os quais os pesquisadores pretendem gerar este potencial e novo modal energético.

Equipe de estudo de células e biologia molecular da Universidade de Tulane (Foto: Reprodução)Equipe de estudo de células e biologia molecular
da Universidade de Tulane (Foto: Reprodução)

A descoberta da subespécie TU-103 foi dada a partir do estudo de bactérias em fezes animais, e, após sua identificação, amostras foram cultivadas e testadas, até se chegar à conclusão de que seria viável a conversão de celulose em butanol com seu uso. Membros da equipe ainda comentaram que o Clostridium não é somente a única versão da bactéria capaz de fazer a conversão diretamente, mas também a única capaz de sobreviver em ambientes em que o oxigênio está presente. Isso que baratearia o custo da produção, já que não seria necessário isolar a TU-103 em ambientes estritamente anaeróbios.

Até o momento, a equipe da Universidade de Tulane tenta licenciar a descoberta e já pensa em outras vantagens: “Esta descoberta poderia baixar o custo da produção de biobutanol, além de colaborar na redução de gases poluentes na atmosfera e preservação de áreas de cultivo para fins bioenergéticos”; afirma Velankar.

Via Geeky-Gadgets e Tulane University

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Yago Oliveira
    2011-09-01T15:56:03

    kkkkkkkkkkkkk vc's são ilários