Internet

17/08/2011 12h26 - Atualizado em 17/08/2011 12h26

Dois homens são condenados à prisão por incitarem tumulto via Facebook

André Fogaça
por
Para o TechTudo

Uma onda de violência tomou conta da capital londrina e seus arredores na última semana, mas só agora dois homens foram condenados por incentivarem estes tumultos com a utilização da rede social mais acessada no mundo, o Facebook. A dupla foi sentenciada a quatro anos de reclusão por organizar e orquestrar a desordem ocorrida.

Perry Sutcliffe-Keenan, um dos condenados (Foto: Divulgação)Perry Sutcliffe-Keenan: condenado (Foto: Divulgação)

Os condenados foram Jordan Blackshaw, de 20 anos, e Perry Sutcliffe-Keenan, de 22, no tribunal de Chester Crown nesta terça-feira (16). Ambos os homens foram presos durante a onda de ataques que começou no dia 6 de agosto deste ano. De acordo com o jornal The Guardian, Jordan Blackshaw criou um evento no Facebook que tinha o nome de "Destruam Northwich Town" e o outro rapaz criou uma página na rede social para incentivar a desordem em Warrington.

De acordo com o jornal canadense Toronto Star, aproximadamente 3 mil pessoas já foram presas desde o início dos ataques e 1.200 destas já visitaram os tribunais ingleses com acusações relacionadas aos saques e atos de violência ocorridos. As penas são variadas, sendo um londrino condenado a seis meses de prisão pelo roubo de um regador em um supermercado, e uma mulher da cidade de Manchester, que não teve participação direta nos ataques, condenada a cinco meses de reclusão por vestir um par de sapatos roubados por uma colega de quarto.

Representantes do governo estão dispostos a sentar com responsáveis pelo Facebook e pelo BlackBerry Messenger para encontrar uma solução para estes problemas, que segundo o governo, estão sendo organizados por meio destas duas ferramentas sociais.

Via Mashable

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares