Fabricantes

01/09/2011 08h25 - Atualizado em 01/09/2011 08h25

EA revisa contrato do Origin, mas continua coletando dados

Rafael Monteiro
por
Para o TechTudo

Após muita revolta de usuários quanto aos termos de uso do serviço Origin, a Electronic Arts resolveu utilizar palavras mais brandas e revisar o contrato com os usuários. Na prática, no entanto, a empresa continua recolhendo informações do jogador.

EA revisa contrato do Origin, mas continua coletando dados (Foto: Divulgação)EA revisa contrato do Origin, mas continua coletando dados (Foto: Divulgação)

O problema começou quando foi encontrado nos termos do serviço Origin, loja digital da Electronic Arts, a informação de que a empresa poderia coletar dados de usuários e até partilhá-los com outras companhias para fins de marketing.

Com vários jogos da EA exigindo ativação através do Origin, inclusive um dos maiores títulos da temporada, Battlefield 3, sendo exclusivo para PC na loja digital dela , os jogadores se sentem pressionados, tendo que aceitar as condições para acessar o serviço. Agora o contrato tem uma parte revisada:

“A EA sabe que você liga como informação sobre você é coletada, usada e partilhada, e nós apreciamos sua confiança de que iremos fazê-lo de forma cuidadosa e sensível. Informações sobre nossos clientes são uma importante parte do nosso negócio, e a EA nunca venderia sua informação pessoal identificável para ninguém, nem jamais iria usar spyware ou instalar spyware nas máquinas de usuários”.

Apesar de fazer uma média com os jogadores, dizendo o quanto eles são importantes, na prática a empresa continuará com os mesmos procedimentos, só com uma linguagem mais suave e uma leve bajulação. Provavelmente veremos novos capítulos dessa novela, já que os protestos não deverão parar e a Electronic Arts não parece querer ceder.

Via Destructoid

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares