Internet

19/12/2011 08h29 - Atualizado em 19/12/2011 08h29

Homem por trás do .xxx diz que o domínio ajudará os pais a protegerem seus filhos

Filipe Garrett
por
Para o TechTudo

Os domínios .xxx, que estrearam em 6 de dezembro, são uma proposta de organizar melhor a variedade de sites com conteúdo adulto. Para Stuart Lawley, CEO da ICM Registry, empresa criadora do .xxx, a estreia dos endereços favorecerá um controle maior de qualidade e de acesso aos conteúdos. A novidade, no entanto, é encarada com ceticismo e ainda gera polêmica.

.xxx (Foto: Divulgação).xxx (Foto: Divulgação)

A opinião de Lawley não é unânime. Muitos empresários do setor hesitam em aderir ao .xxx por temerem que certos governos ditatoriais possam levantar filtros e barreiras para que as populações não tenham acesso aos sites. Eles temem que o .xxx seja uma mancha negativa para suas marcas. Além disso, acreditam que tais governos consigam monitorar com maior facilidade, se assim desejarem, o tipo de conteúdo que as pessoas costumam consumir na Internet.

Lawley, por sua vez, diz que o .xxx servirá para identificação imediata de um site e de sua proposta. Além disso, o empresário acredita que a identificação do endereço com seu conteúdo favorece, por exemplo, o controle dos pais sobre aquilo que seus filhos visitam na Internet.

Além do temor de censura governamental em determinadas regiões do mundo, há o receio de que o padrão torne-se obrigatório. Embora a adoção do domínio não seja obrigatória, muitas companhias relevantes do setor temem que sejam forçadas a adotar o domínio por alguns países sob o argumento de “monitoramento”, ou mesmo de censura.

Por outro lado, não é só o pessoal da pornografia que debate a questão. Grupos religiosos temem que os domínios .xxx legitimem a pornografia na Internet e reivindicam contra sua adoção.

Via Cnet

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares