01/02/2013 09h14 - Atualizado em 01/02/2013 11h43

'Esta não é a era da informação', diz polêmico escritor na Campus Party

Nick Ellis
por
Da Campus Party

Don Tapscott, pesquisador canadense e autor do best-seller Wikinomics, subiu ao palco principal da Campus Party Brasil nesta quinta para falar sobre os problemas que o mundo enfrenta e como podemos resolvê-los. Falando sobre o próprio evento no qual é um dos principais destaques, Don explica que o evento não é "o que você pensa": "A Campus faz parte de uma nova forma de organização em rede, que é crítica para assegurar que o mundo que nossas crianças irão herdar seja um mundo melhor”.

Confira a galeria de fotos da Campus Party 2013 no TechTudo

Don Tapscott fala sobre como resolver os problemas do mundo (Foto: Nick Ellis/TechTudo)Don Tapscott fala sobre como resolver os problemas do mundo (Foto: Nick Ellis/TechTudo)

 

“Será que todos estes problemas são realmente tão difíceis de resolver, ou nosso modelo atual está completamente errado? O modelo que usamos atualmente data do final da Segunda Guerra, quando foram criadas uma série de instituições globais como o Banco Mundial, as Nações Unidas, etc. Se você for a uma reunião de uma destas instituições, as únicas pessoas que podem votar ou falar são os representantes formais, você não pode falar, não tem voz. Este é o modelo que tivemos nos últimos 60 anos, e que não funciona”, conta Tapscott.

Para resolver estes problemas, é preciso pensar fundamentalmente diferente, acredita. “A primeira maneira de resolver este problema é a revolução tecnológica. A web social, que é uma plataforma gigante computacional, é um computador que todos nós programamos. Não apenas os campuseiros, mas qualquer pessoa que entre na Internet e faça uma busca no Google, suba uma foto, ou remixe uma música ou um vídeo, está programando este computador global. A humanidade está criando uma máquina, onde as pessoas podem colaborar em uma escala astronômica.”

Para Tapscott, a segunda revolução que pode resolver os problemas do mundo é a demográfica. “A maior parte de vocês na plateia nasceu depois de 1977. Vocês são a primeira geração a crescer usando tecnologia digital. A minha geração cresceu assistindo TV, mas a sua geração não é uma receptora passiva de conteúdo. Vocês são os atores, os iniciadores, os compositores, aqueles que se lembram, os construtores, os autenticadores. Não existe força mais poderosa para mudar a instituição do que a primeira geração de nativos digitais. Eu sou um imigrante digital, eu preciso aprender a linguagem. Eu estudei 11 mil jovens em vários países do mundo, incluindo o Brasil. Esta é a primeira geração global da história. E a razão para isto é que a juventude de todos os países nunca teve uma forma de se comunicarem, e agora vocês têm isto.”

A terceira revolução está em andamento, é a social. “Eu não estou falando de um bilhão de pessoas no Facebook, a mídia social está virando produção social. Não é apenas conversar online, isto é um novo meio de produção. Isto pode mudar não apenas a maneira como colaboramos, nos comunicamos, nos apaixonamos e nos informamos sobre o que nossos amigos estão fazendo.  A imprensa nos dava acesso to a palavra escrita, mas a internet permite que cada um de vocês seja um editor de livros. A internet nos dá acesso não apenas a informação, mas a inteligência de outras pessoas. Esta não é uma era da informação, e sim uma era da inteligência em rede", diz

Don Tapscott diz que precisamos repensar a maneira de enfrentar o problemas (Foto: Reprodução/Flickr)Don Tapscott diz que precisamos repensar a maneira de enfrentar o problemas (Foto: Reprodução / Flickr Campus Party)

 

 

Tapscott diz que o Wikileaks é parte deste novo modelo, assim como o Creative Commons e a The Alliance, organização que luta pela proteção do clima. Embora controverso, outro exemplo de como mudar o mundo é o Anonymous, na verdade um ecossistema ao invés de uma corporação. Seu lema é: “Você não deve temer seu governo, ele deve temer você.”

Tapscott explica como revolução tecnológica pode nos ajudar (Foto: Reprodução/Flickr)Tapscott explica como revolução tecnológica pode nos ajudar (Foto: Reprodução / Flickr Campus Party)

Apesar dos governos não conseguirem reduzir suas emissões de carbono em até 80%, mais de 10 milhões de pessoas estão se organizando sozinhas para tentar amenizar este problema. “De que forma podemos resolver esta questão? 20 milhões de curtidas no Facebook não são a solução, e sim a organização de campanhas para reduzir a emissão. São indivíduos que se juntam para resolver os problemas. O que acontece aqui na Campus Party também acontece no mundo inteiro. Na ponta dos dedos você tem a ferramenta mais poderosa do mundo para criar renda, para descobrir o que está realmente acontecendo com nossas start-ups, para respostas coletivas e para resolver problemas. Você é parte da rede de solução global.”

Com este novo modelo para mudar o mundo sem a participação dos governos, você pode não só ler um livro, mas também publicar o seu próprio. Não apenas ouvir uma música mas também remixar. “Imagine por um segundo se podemos nos conectar ainda mais neste planeta. Não apenas compartilhar informação e sim conhecimento e inteligência. Podemos criar uma consciência global”, concluiu.

  • imprimir
Seja o primeiro a comentar


Imagem do usuário
Sair

Quer realmente sair da globo.com?

Imagem do usuário

recentes

populares

  • Xterminador Maximus
    2013-02-01T14:04:59

    o termo "Era da Informação" foi um erro, contudo a mídia adotou e difundiu, há muitos textosde estudiosos provando o que o Tapscott comentou, só que utilizando outros termos, e alguns outras bases conceituais. Mas o fato é que o Tapscott falou para leigos. Entretanto, é interessante ver a divulgação disso, soando como se fosse uma surpresa no título da matéria, sendo que isso é evidente e talvez até redundante.

    COMPARTILHAR

    Imagem do usuário