Internet

19/08/2013 10h29 - Atualizado em 20/08/2013 12h58

Ask.Fm lança nova política de segurança para prevenir bullying online

Thiago Barros
por
Para o TechTudo

O Ask.fm decidiu mudar suas políticas de segurança após os crescente relatados de ciberbullying na rede social. Ao mesmo tempo em que é uma plataforma interessante para que internautas se conheçam melhor com perguntas e respostas, o Ask.fm também se tornou um grande pesadelo para vítimas de bullying na Internet. Para evitar casos mais graves, a companhia responsável pela página adotou algumas mudanças com impacto imediato.

Guia do Ask.fm: descubra como fazer tudo com dicas e tutoriais.

Criando uma conta nova no Ask.fm (foto: Reprodução/João Kurtz) (Foto: Criando uma conta nova no Ask.fm (foto: Reprodução/João Kurtz))Ask.fm permite fazer perguntas e respostas para usuários cadastrados (foto: Reprodução/João Kurtz)

A rede social, agora, tem o compromisso de analisar qualquer denúncia sobre possíveis casos de ciberbullying, mensagens de ódio, spam, fraudes, pornografia e violência em, no máximo, 24 horas. A ideia é fazer com que perguntas com conteúdo ilegal e ofensivo sejam removidas o mais rápido possível. São mais de 70 milhões de usuários cadastrados no mundo todo.

A percepção é de que o fato de o Ask.fm permitir, principalmente, perguntas anônimas, cria uma sensação de impunidade para quem está praticando o bullying. Muitos casos foram revelados internacionalmente e agora a companhia parece estar ouvindo muitas reclamações, especialmente de pais de adolescentes, e levando-as em consideração.

O próximo passo será diminuir o número de recursos que o internauta não registrado no serviço pode utilizar. Além disso, o Ask.fm passará a pedir obrigatoriamente um endereço de e-mail válido para quem desejar se registrar. Algumas destas mudanças passam a valer em setembro.

Via TNW


Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares