Tablet

01/10/2014 10h31 - Atualizado em 01/10/2014 15h45

Capas à prova d'água permitem que dispositivos fiquem imersos em até 5m

Pedro Zambarda
por
Para o TechTudo

Capas à prova d'água para smartphones, tablets e câmeras DSLRs permitem imersão em até cinco metros de profundidade, sem limite de tempo. Os acessórios, feitos de plástico, estão disponíveis no mercado brasileiro e foram desenvolvidos pela empresa Dicapac, para que os aparelhos funcionem em águas profundas e em alto mar. Há até modelo de bolsa à prova d'água.

GoPro anuncia três câmeras e confirma Hero4 com vídeo 4K e touchscreen

Capa consegue proteger máquina fotográfica imersa em até 5 metros (Foto: Pedro Zambarda/TechTudo)Capa consegue proteger máquina fotográfica imersa em até 5 metros (Foto: Pedro Zambarda/TechTudo)


Protetor de câmeras

A companhia vende sete modelos para câmeras fotográficas. O WP-One é uma capa para máquinas compactas e amadoras. Custa R$ 190. Já o WP-570 é focado em máquinas medianas e sai por R$ 230, enquanto o modelo de capa WP-610 também é voltado para câmeras de porte similar, como a Canon G11 e a G12, e pode ser encontrado por R$ 250.

Quais celulares são mais resistentes à queda e à prova d'água? Comente no Fórum do TechTudo.

A capa WP-S5 protege câmeras tipo DSLR pequenas e custa R$ 540 (Foto: Pedro Zambarda/TechTudo)A capa WP-S5 protege câmeras tipo DSLR pequenas e custa R$ 540 (Foto: Pedro Zambarda/TechTudo)

A capa WP-H10 é destinada a fotógrafos mais profissionais e pode ser adquirida por R$ 340. E a versão WP-S3 é focada em câmeras tipo reflex, como Sony Nex e Canon M, com o preço de R$ 410, enquanto o WP-S5 abriga DSLRs pequenas e custa R$ 540. O maior modelo é o WP-S10, para DSLRs grandes, e custa R$ 599,90. Todas as capas, além de plástico preto e transparente, apresentam um formato que lembram bolsas, para facilitar a portabilidade das máquinas fotográficas mesmo embaixo d’água.

Protetor de celulares

A Dicapac também oferece três capinhas à prova d'água para smartphones, duas para tablets, uma multiúso e uma para bolsas. Os celulares e dispositivos sensíveis ao toque podem ser manipulados debaixo d'água por meio do plástico protetor. O modelo WP-C1 está disponível nas cores preta, branca, azul, rosa, amarela ou verde por R$ 110 e é compatível com smartphones de marcas diferentes, especialmente o Galaxy S3, da Samsung.

Com a capa, usuário mergulha Galaxy no mar, sem danificá-lo (Foto: Pedro Zambarda/TechTudo)Com a capa, usuário mergulha Galaxy no mar, sem danificá-lo (Foto: Pedro Zambarda/TechTudo)


O WP-C2 é voltado para aparelhos um pouco maiores, como o Galaxy Note 1 e 2, além do Galaxy S4, e seu preço é de R$ 120. Ele também está disponível nas cores preta, branca, azul, rosa, amarela e verde. Já o WP-i10 é compatível com dispositivos da Apple, como os iPhones 4S, 5 e 5S, além do iPod Touch, custando R$ 109,90. Está disponível nas cores branca, preta, azul, rosa, amarela e verde, também.

Protetor de tablets

A WP-T20 é uma capa que funciona com todos os iPads e com o Galaxy 10.1. Ela está disponível por R$ 240, nas cores branca, preta, azul, rosa, amarela e verde. Já o WP-T7 é voltado para o Galaxy Tab 7 e também funciona com outros modelos de tablets menores. Custa R$ 210 e só tem única opção de cor: preta. Enquanto isso, o protetor WP-565 é multiúso para tablets menores do que 7 polegadas e está disponível nas cores branca, preta, azul, rosa, amarela e verde, pelo valor de R$ 130.

Capa da DIcapac cabe em todos os iPads, da Apple (Foto: Pedro Zambarda/TechTudo)Capa da DIcapac cabe em todos os iPads, da Apple (Foto: Pedro Zambarda/TechTudo)


Bolsas

Por fim, o modelo WP-B3 é uma bolsa compacta à prova d’água, com espaço de 5 litros. Pode ser comprada nas cores azul, vermelho e amarelo, por R$ 140. A Dicapac aposta em consumidores que praticam mergulho profissional e pessoas que gostariam de utilizar seus gadgets até debaixo d’água.

 

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares