26/11/2014 14h03 - Atualizado em 20/11/2015 11h05

Black Friday Brasil: Procon lista sites para fugir de dor de cabeça

João Kurtz
por
Para o TechTudo

A Black Friday acontece na última sexta-feira de novembro e, como já é de costume, sites mal intencionados de compras online e promoções aproveitam a data para aplicarem golpes nos consumidores. Pensando nisso, o Procon-SP divulgou um série de dicas para reduzir ao máximo os problemas na hora de aproveitar os preços baixos.

Black Friday: confira dez dicas para economizar e comprar com segurança 

O órgão tem monitorado os preços de grandes varejistas na Internet para ajudar a detectar aumentos abusivos antes do evento e a recomendação é para os usuários conferirem os preços dos produtos antes da liquidação para ter certeza que os descontos são reais.

Black Friday (Foto: Pond5)Black Friday: Confira as dicas do Procon de sites que devem ser evitados (Foto: Pond5)


Também é aconselhável confirmar as descrições dos produtos e compará-los com outras marcas. Além disso, é importante imprimir ou salvar documentos que comprovem a oferta e a confirmação do pedido – como comprovantes de pagamento, contratos ou anúncios.

O Procon também alerta para a importância de ler a política de privacidade da loja virtual para confirmar os compromissos assumidos e procurar saber mais sobre o uso de dados fornecidos pela Internet. É recomendável só comprar de sites que não tenham tido problemas no passado. Para ajudar os consumidores, a instituição divulgou uma lista de sites sempre atualizada que devem ser evitados durante a Black Friday.

Lista do Procon mostra sites que devem ser evitados durante a Black Friday (foto: Reprodução/Procon)Lista do Procon mostra sites que devem ser evitados durante a Black Friday (foto: Reprodução/Procon)

Outro detalhe a ser lembrado é que a liquidação não elimina os direitos do consumidor. A empresa é responsável por cumprir qualquer oferta veiculada e deve manter canais de atendimento de fácil acesso para o esclarecimento de dúvidas.

O consumidor tem prazo de até sete dias para desistir de compras feitas fora do estabelecimento comercial – por telefone, em domicílio, via telemarketing, catálogos ou Internet. Este prazo conta a partir da aquisição ou do recebimento do produto.

O Código de Defesa do Consumidor também estabelece prazo de 30 dias para reclamações de problemas aparentes e de fácil constatação para produtos não duráveis e 90 dias para duráveis, contados a partir da identificação do problema.

O Procon lembra que os produtos importados adquiridos no Brasil seguem as mesmas regras dos nacionais, desde que em estabelecimentos legalizados. Por fim, o usuário deve examinar a mercadoria e só assinar o documento de comprovação de recebimento após confirmar seu estado. Qualquer irregularidade deve ser justificada e a empresa responsável deve resolver o problema.

O que você achou do novo código de ética da Black Friday? Comente no Fórum do TechTudo. 

O órgão vai manter seus canais de atendimento operando 24 horas por dia no período entre as 19h de quinta-feira (27) até a meia noite de sexta-feira. Os consumidores podem registrar queixas pelo Atendimento Eletrônico no site e nas páginas do Facebook e Twitter do serviço. 


Segundo o diretor executivo da Fundação, Alexandre Modonezi, o Procon está preparado para a Black Friday. “Nosso objetivo é equacionar o problema do consumidor junto a empresa em tempo real. Além disso, recomendamos que as compras sejam feitas rapidamente por causa dos estoques”, aponta.

Via Procon