Sistemas Operacionais

24/03/2015 09h57 - Atualizado em 24/03/2015 09h57

Linux: Tudo o que você precisa saber antes de começar a usar

João Kurtz
por
Para o TechTudo

O Linux é um dos sistemas operacionais mais usados no mundo, ao lado do Windows e do OS X. Ele é conhecido por ser adotado mais por servidores que por usuários finais e isso dá a ele a fama de ser difícil para pessoas sem grandes conhecimentos de informática. O que, felizmente, é falso. Se você está pensando em começar a usar o Linux no seu computador pessoal, confira algumas dicas iniciais.

Veja também: O que é WHOIS?

O pinguim Tux é a mascote oficial do sistema operacional Linux criado por Larry Ewing em 1996 (Foto: Reprodução/Linux Fundation)O pinguim Tux é a mascote do sistema operacional Linux criado por Larry Ewing em 1996 (Foto: Reprodução/Linux Fundation)


O que é Linux

O Linux, da mesma forma que o Windows (Microsoft) e o Mac OS (Apple), é um sistema operacional baseado em Unix criado para desktops, mas que também é usado em servidores, smartphones, tablets e outros tipos de dispositivos, incluindo caixas bancários.  Ao contrário de seus concorrentes mais famosos, o Linux não foi desenvolvido para fins comerciais e seu software e desenvolvimento são feitos em código aberto, o que significa que qualquer pessoa pode criar e distribuir aplicativos para ele.

A parte básica do Linux é composta de um kernel, software criado para fazer a comunicação de outros programas e traduzi-los em comandos para a unidade de processamento e outros componentes eletrônicos. Para funcionar, porém, também é necessário aplicativos e bibliotecas específicas para eles.

Isto significa que um usuário de Linux pode escolher entre diversos aplicativos para executar a mesma função, sejam eles editores de texto, interfaces gráficas ou mesmo prompts de comando. O processo é semelhante à escolha entre Chrome e Firefox: os dois são navegadores, capazes de fazer a mesma coisa, mas de formas e aparência distintas.

Versões

A parte necessária e obrigatória do Linux é pequena, mas insuficiente para garantir uma experiência completa. A ideia é que cada usuário customize o uso com seus programas favoritos mas, na prática, isso é difícil e demorado. Para simplificar este processo existem várias versões do sistema operacional já montadas e disponíveis para o usuário, chamadas distribuições, com suas próprias interfaces.

Interface gráfica pode ser diferente em distribuições (Foto: Reprodução/Xubuntu)Interface gráfica pode ser diferente em distribuições (Foto: Reprodução/Xubuntu)

Uma distribuição é composta por vários softwares, como interfaces gráficas, editores de texto e navegadores já instalados, além de um gerenciador de pacotes – um sistema usado para instalar, desinstalar e atualizar programas. As distros (distribuições) são compostas do Kernel, ferramentas e bibliotecas GNU, software adicional, documentações, uma interface gráfica, um sistema de janelas (usado para controlar a interface gráfica), além de um gerenciador de desktop.

Uma forma de entender as distribuições é comparando com as variações do Android encontradas em várias marcas e operadoras de smartphones: embora elas venham com diferentes aparências e aplicativos instalados, continuam sendo, em essência, o mesmo sistema operacional.

A grande variedade de distros faz com que seja natural a existência de variantes específicas para determinados nichos. O Ubuntu, por exemplo, é voltado para usuários iniciantes, automatizando vários processos que em outras versões precisariam de conhecimentos maiores de programação. Já o Slackware é voltado para usuários avançados e suporta uma quantidade maior de customização.

As distribuições são mantidas por comunidades de usuários ou empresas, que são responsáveis por fornecer atualizações de software e correções de problemas. O site do Linux (linux.com) registra mais de 80 distribuições diferentes, cada uma com suas próprias particularidades.

Quanto custa e como obter uma versão atualizada

As distribuições do Linux costumam ser disponibilizadas de graça nos sites das mantenedoras. O Linux.com possui uma seção com os links para o download de mais de 80 versões diferentes. Elas geralmente estão em arquivos ISO e devem ser gravadas em um DVD para serem instaladas depois.

Cada distro possui um sistema de atualização diferente e é recomendado que ele seja usado após a instalação para garantir que as versões mais recentes sejam instaladas. Depois de algum tempo, ou quando o sistema recebe uma atualização maior, o arquivo de instalação pode ser atualizado. Estas mudanças podem ser conseguidas através do atualizador, sem a necessidade de reinstalar o Linux.

O que deve ser levado em consideração antes de escolher

As distros de Linux possuem públicos-alvo diferentes e é importante se informar sobre as características de cada uma antes de escolher qual instalar. Os usuários avançados, que estão acostumados a programar ou mesmo digitar comandos em um prompt de comando podem escolher versões como o Slackware, uma das mais antigas ainda mantidas. Já os novatos podem optar pelo Ubuntu, que foi desenhado para ser mais amigável e configurado sem a necessidade de enfrentar telas de texto.

Ubuntu é uma das distribuições de Linux mais fáceis para usuários iniciantes (Foto: Reprodução/Ubuntu)Ubuntu é uma das distribuições de Linux mais fáceis para usuários iniciantes (Foto: Reprodução/Ubuntu)

O conhecimento técnico, porém, não é o único fator decisivo para escolher uma distribuição. Algumas vezes, o fator diferencial pode ser os softwares que são inclusos. Por exemplo: O Ubuntu usa um programa de interface gráfica chamado Unity, mas existe uma outra versão dele chamado Kubuntu, que usa a KDE.

Com o tempo, o usuário que desejar conhecer mais a fundo o sistema operacional pode escolher outra distribuição e aumentar a complexidade de seu sistema de forma controlada. A melhor maneira de escolher uma versão é se informar sobre quais programas ela inclui e para quem ela foi desenvolvida, adotando aquela que melhor se adequar às suas necessidades como usuário.

Benefícios do Linux

Um dos grandes benefícios do Linux é que ele é desenvolvido para funcionar em qualquer computador, mesmo antigo. Claro que uma máquina de 20 anos não vai ficar rápida o suficiente como uma nova, mas vai ser beneficiada por um sistema operacional atualizado e que ainda possui suporte.

O Linux também é gratuito, o que significa que um PC antigo não precisa de uma versão pirata e antiga do Windows. Ao mesmo tempo, o sistema permite transformar o computador em uma máquina especializada, como um servidor que baixa arquivos automaticamente ou um vídeogame rudimentar.

Outro grande benefício do Linux é que a maior parte dos golpes praticados contra usuários comuns são voltados ao Windows ou OS X. Caso um usuário baixe um arquivo executável malicioso por engano, ele não vai funcionar no sistema operacional. Da mesma forma, a maior parte dos vírus existentes na Internet não afeta o Linux. Isto não significa que ele seja imune a falhas de segurança, como demonstrado em 2014 com o Shellshock, uma vulnerabilidade grave no prompt de comando Bash.

Contras do Linux

O fato de o Linux não suportar programas do Windows também pode ser ruim, já que isso significa que muitos softwares não estarão disponíveis. Este problema é mais aparente em jogos que não possuem versões específicas para o sistema operacional. Se você joga no PC, a mudança pode ser ruim.

Outro aplicativo que não possui uma versão específica é o pacote Microsoft Office. Felizmente, estas limitações no uso de outros programas podem ser resolvidas com a loja de aplicativos do Ubuntu, que possui muitos jogos que mesmo com nomes diferentes são iguais aos encontrados no Windows. Já o problema do Office pode ser resolvido usando softwares como Apache OpenOffice, Google Docs ou mesmo o Microsoft Office Online.

Além da compatibilidade de software, muitos problemas que ocorrem no Linux possuem soluções diferentes das encontradas no Windows, o que pode fazer com que uma tarefa que antes era intuitiva se torne mais demorada e com uma solução menos clara. Outro problema é o modo de superusuário, que parte do pressuposto que o usuário sabe o que está fazendo, mas cujo mau uso pode resultar no apagamento de informações do computador e levar até mesmo à reinstalação do Linux.

Como instalar

Se você optar mesmo pelo sistema é preciso baixar o arquivo ISO contendo a distribuição escolhida e gravar a mídia em um disco para rodá-lo na inicialização do computador. Isto vai inicializar o sistema a partir do DVD e fazer a instalação. Algumas distros, como o Ubuntu, permitem que o Linux seja usado diretamente sem instalação, o que torna possível experimentar sem comprometer o PC.

Instalação pode ser feita a partir de DVDs das distribuições (Foto: Reprodução/Slackware)Instalação pode ser feita a partir de DVDs das distribuições (Foto: Reprodução/Slackware)

Um detalhe importante é que o Linux não espera ser o único sistema operacional instalado no computador e possui um software que permite escolher qual SO será inicializado quando o computador é ligado. Ele também não pode ser usado em partições do tipo FAT.

É recomendado que o usuário tenha um pouco de conhecimento sobre particionamento de disco rígido (HD) para fazer a instalação. A boa notícia é que como o Linux não precisa da partição em FAT, não há a necessidade de formatar a partição e nenhum dado é perdido no processo.

É difícil se familiarizar com o sistema?

Quem está interessado em começar a usar Linux deve manter algumas coisas em mente. Em primeiro lugar, certas distribuições procuram tornar seus sistemas parecidos com o Windows para facilitar a migração, mas por baixo dos panos está um sistema diferente que opera de outra forma, apesar de similar.

O processo de adaptação ao Linux pode ser comparado a aprender a dirigir. Um motorista iniciante precisa se lembrar dos pedais e de trocar a marcha e prestar atenção em cada movimento, mas com o tempo estas ações vão se tornando automáticas e mais naturais.

O primeiro impacto para o usuário novo é a diferença na interface gráfica. Alguns aplicativos vão ter atalhos de teclado diferentes dos que ele está acostumado no Windows, ou o processo para inicializar um software é diferente devido às posições deles no menu, o que pode desacelerar um pouco a produtividade.

Por baixo dos panos, o sistema operacional também vai funcionar de forma diferente e vários problemas podem aparecer não por falha no sistema, mas por inexperiência do usuário. Ao invés de clicar em um botão, ele vai precisar acessar fóruns e descobrir uma solução para seus problemas sozinho.

Um exemplo são alguns dispositivos que necessitam de drivers de terceiros. Equipamentos mais antigos podem não ter o software específico para o Linux, o que vai resultar em um bom tempo de pesquisa para encontrar uma versão genérica e não-oficial, mas que seja compatível.

Tem vírus no Linux? Comente no Fórum do TechTudo.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Walvick Silva
    2016-11-03T15:26:45

    alguem ai sabi informar meu teclado esta com algumas teclas sem fucionar e outras trocadas liguei pra assisten;ia tec. da dell eles mi disserao q era problema do sistema linux eu coloquei teclado externo e continuo o mesmo erro

  • Matheus Santos
    2015-03-24T10:00:29  

    A primeira dica deveria ser: não use.

    recentes

    populares

    • Matheus Santos
      2015-03-24T10:00:29  

      B8

    recentes

    populares

    • Matheus Santos
      2015-03-24T10:00:29  

      Todo programador gosta de Linux, por isso uso dualbot!

  • Sara Segadaes
    2017-03-04T14:46:30

    Melhor artigo sobre GNU/Linux que já vi!

  • Gláucio Duarte
    2017-01-17T16:06:48

    Vim aqui pois hoje vi um pc num preço muito bom com excelente configuração com Linux. Depois de ler os comentários não consegui chegar a nenhuma conclusão mas com uma grande tendência a não comprar. Sei lá. Posso estar antiquado, com medo da mudança, de ter um trabalho exagerado para resolver uma coisa simples. E o que me mata é perder tempo. Um dia vou tentar sem compromisso mas que dá vontade de comprar o pc e mandar a garantia pro espaço metendo um piratóvisky..

  • Odnanref Moore
    2016-08-02T12:56:27

    O Linux são para pessoas inteligentes, se você é burro, preguiçoso ou os dois, esqueça.