Jogos de ação

NOTA tt
7.0

Review Army of Two: The Devil’s Cartel

Com novos protagonistas e tímidas mudanças na jogabilidade, o game busca um recomeço para a série que fez história com seu modo cooperativo.

Felipe Vinha
por
em

Army of Two: The Devil´s Cartel, para PS3 e Xbox 360, é o novo game da franquia da Eletronic Arts. Com novos protagonistas e tímidas mudanças na jogabilidade, o game busca um recomeço para a série que fez história com seu modo cooperativo. Infelizmente os bugs e a jogabilidade limitada transformam The Devil's Cartel em um retrocesso. Confira:

Army of Two: The Devil's Cartel (Foto: Divulgação)Army of Two: The Devil's Cartel (Foto: Divulgação)

Enredo que surpreende e agrada

Se no primeiro título a franquia Army of Two fez história, o segundo capítulo da fanquia foi pouco elogiado pelos fãs e pela crítica. A maior reclamação era em relação a pouquíssimas mudanças de um jogo para o outro, o que acabou criando uma sensação de mesmice e tornando o jogo obsoleto.

A ideia do terceiro título foi renovar a franquia. O principal passo foi mudar os astros do game. Salem e Rios dão lugar aos novatos Alpha e Bravo. Os antigos protagonistas ainda estão no game, mas agora são uma espécie de mentores de seus pupilos. Porém, muita coisa muda no enredo até o final do jogo – vale a pena conferir.

Desta forma, surpreendentemente, o enredo acaba se tornando um dos atrativos do game. Se as histórias anteriores se limitavam a mostrar o convívio dos parceiros e seus problemas pela frente, em Devil´s Cartel, muitas reviravoltas e surpresas são apresentadas de uma forma aceitável. Pena que muitas dessas cenas são repetitivas, como as diversas vezes em que um helicóptero é abatido com os protagonistas dentro.

Army of Two: The Devil's Cartel (Foto: Divulgação) (Foto: Army of Two: The Devil's Cartel (Foto: Divulgação))Army of Two: The Devil's Cartel (Foto: Divulgação)

Jogabilidade que regrediu

Quando Army of Two foi lançado, poucos jogos de ação conseguiam ser mais interessantes quando jogados com um companheiro. A franquia foi uma das responsáveis por revolucionar os games cooperativos da atual geração. Porém, ao invés de buscar mais inovações, o game apresentou um verdadeiro retrocesso na sua jogabilidade.

No começo, tudo soa muito similar aos títulos anteriores. Tanto os sistemas de mira quanto a mecânica de proteção, que continua praticamente a mesma. Entretanto, se nos outros games alguns adicionais complementavam a experiência, em Devil´s Cartel, não há nada de novo. Até mesmo as divertidas cenas em que os heróis ficavam encurralados e precisavam “se escorar” para eliminar hordas de inimigos, não existem mais.

Entretanto o sistema de personalização agrada e torna-se um ponto positivo do game. É possível combinar armas e personalizá-las, seja com mais munições, mais precisão, etc. E se não bastasse, é possível escolher até mesmo a cor de seus armamentos e de sua máscara.

Army of Two The Devil´s Cartel (Foto: Divulgação)Army of Two The Devil´s Cartel (Foto: Divulgação)

Visual melhorado, mas repleto de bugs

O visual de Army of Two veio renovado. A Visceral Games trouxe um novo motor gráficos que ajuda a ampliar o realismo do game. Isso torna-se evidente no sistema de destruição do cenário. Praticamente tudo pode ser detonado neste game, fazendo com que paredes e outras construções sejam reduzidas a muita poeira.

Entretanto, fica a sensação de que muita coisa poderia ter sido mais caprichada. Principalmente as animações, que ainda contam com personagens um tanto serrilhados e com expressões faciais que não convencem muito. Ainda mais neste final de geração de consoles, onde cada vez mais a indústria explora ao limite o poder gráfico de videogames como PS3 e Xbox 360.

Outro problema que afeta bastante o game são os bugs. Por mais que seja realista a forma com que tudo é destruído e reduzido a escombros, ainda é possível notar personagens atravessando construções ou pedaços de cenários se misturando – a popular expressão gamer “estourado polígonos”.

Army of Two: The Devil´s Cartel (Foto: Reprodução)Army of Two: The Devil´s Cartel (Foto: Reprodução)

Conclusão

Army of Two: The Devil´s Cartel foi lançado como uma forma de renovar a franquia. O cuidado com o enredo agradou bastante e deixou o título muito mais que um simples shooter sem sentido. Porém, a jogabilidade do game parece ter regredido, pois não mostra nenhuma evolução e ainda perdeu alguns elementos divertidos. Entretanto, ainda vale pela diversão cooperativa e o visual repaginado.

 

Nota TechTudo

NOTA tt
7.0
Gráficos
8
Jogabilidade
6
Diversão
7
Som
7

Prós

  • - Enredo empolgante
  • - Personalização de armas
  • - Visual melhorado

Contras

  • - Jogabilidade limitada
  • - Muitos bugs
Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Humberto Correia
    2013-12-01T22:12:54

    Amei o jogo, só que no Play 3, onde fiz o download, quando chega na cena de matar o boss o jogo trava. Isso tb aconteceu com vcs?

  • Sidnei Souza
    2013-07-17T11:21:09

    Decepciona? Que monte de abobrinhas foi falado aqui!!! Tenho 32 jogos de ps3 e 19 de Xbox. Joguei toda a franquia desse game e ele é de arrepiar. Posso francamente dizer que ele bate de frente com o Gears of War 2 em adrenalina. Arriscaria, inclusive, a dizer que foi o melhor jogo de ação que já joguei. Minha esposa e eu simplesmente adoramos esse jogo. Avaliações assim causam descrédito ao site.

  • Patricio Pereira
    2013-07-15T15:04:38

    ainda bem que a opinião de vocês não vale nada!

  • Carlos Gomes
    2013-07-12T21:15:28

    comprei e não me arrependi, muito bom esse jogo minha nota seria 9