Jogos de aventura

NOTA tt
8.0

Review Attack on Titan

Os titãs buscam eliminar a humanidade, mas a tarefa não será tão fácil. Leia a análise completa

Felipe Vinha
por
em

Attack on Titan chegou ao ocidente após ter sido lançado no Japão há meses. O jogo que adapta o famoso animê de mesmo nome está disponível no PS4, Xbox One e PC. Trata-se de uma releitura do programa original, mas com algumas pequenas cenas a mais e que vão além da história. Leia o review da aventura de Eren, Mikasa e Armin:

Saiba a história de Attack on Titan

Começa o contra-ataque da humanidade

Attack on Titan se passa em uma realidade alternativa em que, no futuro, titãs devoraram boa parte da humanidade. São seres gigantescos que podem ter de quatro a 20 metros e conseguem devorar um humano comum com apenas uma mordida. O perigo é sempre iminente para quem está em campo aberto.Para tentar lidar com a ameaça, a humanidade se protegeu atrás de grandes muralhas, bem mais altas que os próprios titãs, capaz de conter o avanço dos monstros. Em paralelo, forças militares foram criadas com a capacidade de derrotar os titãs, proteger os civis e realizar outras tarefas arriscadas.

Eren, Mikasa e Armin fazem parte do trio principal e que desenrolam o enredo da saga. Eren Jaeger, jovem que viu sua mãe ser devorada por um titã, se alista para a força militar de exploração e guarda ainda dentro de si um misterioso poder que permite combater as criaturas de igual para igual, sem muitas dificuldades.

Attack on Titan (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)Attack on Titan (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)

É neste cenário que o jogo se desenrola. Como citamos, o game segue bem de perto o que é visto no animê original, com cenas muito bem dirigidas e animadas. Os gráficos não são exatamente “cel-shading”, como na maioria dos games de animês, mas usam uma boa técnica de animação, capaz de dar a fluidez necessária que a aventura requer.

Tudo isso por conta da forma que a humanidade combate os titãs, com lâminas afiadas e o equipamento de manobras 3D, o que faz com que as pessoas “voem” penduradas nos prédios – mais ou menos como o Homem-Aranha faz com suas teias. Esse tipo de elemento está bem traduzido não apenas nas cenas, mas também na jogabilidade.

Attack on Titan (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)Attack on Titan (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)


Os titãs chegaram

A jogabilidade de Attack on Titan agrada, e muito. Os controles foram fielmente traduzidos em relação ao que é visto no animê. O jogador pode manobrar com os personagens de forma prática e rápida pelos prédios, sem que perca o controle ou tente fazer algo e não consiga– ou pior, não tenha a resposta adequada.

Com apenas um botão, o personagem é lançado para cima com o equipamento 3D, enquanto outro ativa o gás que dá mais locomoção ao processo. Tudo é muito rápido e a passagem pelos prédios das cidades da Muralha Maria são surpreendentemente bem feitas.  

Attack on Titan (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)Attack on Titan (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)

O mesmo acontece nos combates: é preciso prender a garra do equipamento 3D nos titãs para escalá-los e atacar no único ponto fraco, a nuca, onde o golpe é extremamente mortal. O combate se baseia apenas neste sentido. Acertar outros locais do titã pode render boas estratégias, como as pernas para impedir locomoção ou os braços para impedir que ele pegue o personagem nas mãos, mas somente a ferida na nuca abate o alvo.

Mas nem só de combate vive o jogo: é preciso saber administrar os itens que o personagem carrega consigo e também lidar com aliados. Os itens são de cura para recuperar vida ou mais gás e troca de lâminas, pois eles se esgotam com base no medidor exibido em tela. Já com os aliados é possível dar pequenos comandos para reforçar proteção, atacar com tudo e mais.

Attack on Titan (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)Attack on Titan (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)

Quem está acostumado com jogos do tipo “Musou”, como Dynasty Warriors e similares, vai se sentir um pouco em casa com Attack on Titan. É possível notar a semelhança não apenas pela produtora, a Koei Tecmo, que é a mesma da outra série, mas também pela jogabilidade. Faça missões rápidas pelo mapa, movimente-se sempre e lide com hordas de inimigos – a única diferença é que aqui eles são gigantescos titãs.

Conteúdo “pouco” gigante

Apesar de divertido, dinâmico e muito bem construído, o conteúdo de Attack on Titan não importa tanto. Isto é, a história é até bem longa, mas as fases podem ser um pouco repetitivas, já que os únicos inimigos são os titãs e as lutas são sempre iguais. A produtora até insere conteúdos que vão além do animê e a história que é exclusiva do mangá, mas por enquanto não empolga os menos entusiastas.

Attack on Titan (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)Attack on Titan (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)

Além disso, os modos de jogo principais são apenas dois, um que engloba a história e outro com missões soltas. Este segundo pode ser jogado online, o que é sempre um “plus”, mas não é tão fácil encontrar parceiros e o lag possivelmente atrapalha jogadas altamente calculadas.

Vale avisar que o jogo tem seus momentos de calmaria. Não se trata apenas de combate contra os monstros. Há segmentos de fases em que apenas passeamos pelas bases para comprar itens ou interagir com outros personagens. Quase um sistema de RPG dentro da aventura, mas que também não varia muito e pode se tornar repetitivo.

Attack on Titan (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)Attack on Titan (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)

Os gráficos cumprem bem seu papel e o jogo roda levíssimo a 60 quadros por segundo, seja nos consoles ou PC, o que é primordial para uma ação tão frenética. O áudio também está de parabéns, já que todo o elenco original de dublagem japonesa do animê foram mantidos, o que deixa os fãs mais fervorosos felizes com a fidelidade.

Conclusão

Attack on Titan diz a que veio. É um jogo que adapta fielmente o produto original e faz isso com jogabilidade incrível, além de gráficos caprichados. As fases são bem feitas e cheias de ação, mas o conteúdo pode ser um pouco repetitivo e não agradar quem não é tão fã. Ainda assim, é emocionante lidar com titãs espalhados pelo mapa e, ao mesmo tempo, acompanhar a história que fez tanto sucesso no mundo todo.

Quais os melhores jogos de Dragon Ball para videogames? Comente no Fórum do TechTudo!

Nota TechTudo

NOTA tt
8.0
Gráficos
8
Jogabilidade
8
Diversão
8
Som
8

Prós

  • História fiel ao animê
  • Controles muito bem adaptados
  • Conteúdo inédito am relação ao desenho
  • Gráficos caprichados e bonitos
  • Jogo roda suave e com muita velocidade
  • Elenco de dublagem original

Contras

  • Fases um pouco repetitivas
Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Jean Duarte
    2016-12-26T13:14:47

    Pois eu não achei esse jogo muito satisfatório. Claro, em gráficos e animação não há do que reclamar. Mas a jogabilidade é robótica e tira de quem joga muita liberdade. A dificuldade não poderia ser opcional pois o jogo precisa ser difícil para que haja familiaridade com o anime. A jogabilidade tanto com DMT, quanto os ataques nos titãs também precisa ser complexa e livre, dando ao jogador a oportunidade de aprender e criar.

  • Diego Pereira
    2016-09-03T21:33:25

    Vale lembrar que não é só para a ''Next-Gen'' o jogo possui versões para o PSVita/Playstation TV e Playstation 3 também.

  • Fernando Silva
    2016-09-02T16:01:07

    Dica: o port para PC está problemático. Especialmente para usurários de placa de vídeo da AMD. Então recomendo aguardar que atualizações futuras resolvam os problemas do jogo no PC antes de comprá-lo.