Jogos de ação

NOTA tt
8.5

Review Dandara

Os feitos de Dandara não serão esquecidos – e nem este jogo.

Felipe Vinha
por
em

Dandara é um jogo importante não só para quem é fã de games de plataforma, mas também para o público brasileiro. Ele pega uma figura histórica do nosso país, ainda que negligenciada, e coloca em um mundo de fantasia com inspirações reais. Dandara, que é conhecida por ter lutado ao lado de seu companheiro, Zumbi dos Palmares, vira super-heroína nesta aventura que está disponível em todas as plataformas atuais: PS4, Xbox One, Switch, Android, iOS e computadores, via Steam. Saiba se é uma obra digna de sua atenção e os detalhes sobre sua história e jogabilidade:

A Lenda do Herói é um novo jogo brasileiro que mistura RPG e música

Seus feitos não serão esquecidos

Dandara é um jogo bem tímido com sua história, mas é proposital. Ele usa a narrativa de descoberta, e vai te contando mais sobre este mundo onde a aventura se desenrola conforme você avança pelas cenas e desafios. As primeiras telas nos apresentam à personagem-título, que está adormecida, no espaço, mas que desperta quando é necessária para salvar seu povo.

Dandara (Foto: Divulgação/Long Hat House)Dandara é um jogo do estúdio brasileiro Long Hat House (Foto: Divulgação/Long Hat House)


A partir de quando Dandara acorda, o game já começa sem mais pausas e sem explicar o que ocorre ao seu redor – ao menos de início. O que temos é um jogo que se narra por meio de pequenas legendas, no canto da tela, explicando e contextualizando o que está em sua volta, além da interação com outros personagens, que aparecem pelo caminho.

A técnica de contar histórias desta forma é interessante e combina com a premissa de Dandara neste sentido. Em diversos momentos o jogo cita que “as ações de Dandara não serão esquecidas”, justamente em relação a tudo que o jogador faz, durante as fases, e vai salvando seu progresso conforme avança.

Dandara (Foto: Divulgação/Long Hat House)Dandara tem um estilo 'metroidvania' (Foto: Divulgação/Long Hat House)

Além dos personagens encontrados, e que também trocam ideia com a protagonista, os cenários narram fatos por si só, com nomes relacionados ao passado de Dandara e com frases bem curtas. Cabe muito da interpretação do jogador saber o que está ocorrendo na tela e encaixar as informações de forma que faça sentido.

Pulos, tiros e ação

A jogabilidade de Dandara é baseada em saltos. A protagonista não anda normalmente, o que é bem estranho de início. Não há uma justificativa muito exata para este tipo de movimentação, mas ela até que combina bem com os cenários, que envolvem elementos no chão e no teto, sejam inimigos ou pontos interativos.

Dandara (Foto: Divulgação/Long Hat House)Dandara não anda, apenas pula (Foto: Divulgação/Long Hat House)


Funciona da seguinte forma: o jogador precisa mirar para onde Dandara irá em seguida e pressionar o botão de pulo para que o transporte ocorra. Reforçando: a personagem não anda, se movimenta apenas com base nestes saltos, e eles até que funcionam bem, dão um ritmo interessante à ação do jogo e, bem, de certa forma é diferente do que está sendo feito por aí em termos de plataforma, então ponto para a criatividade!

Entenda que Dandara é mais um representante do “Gênero Metroidvania”. Mas o que é isso? É um tipo de jogo que tem inspirações nos clássicos Castlevania, da Konami, e Super Metroid, da Nintendo, em que o jogador deveria explorar o mapa e liberar passagens, conforme evolui seu personagem. Com o tempo, é preciso voltar a um ponto onde já passou, e assim criar um senso de grande evolução em um mapa contido.

Dandara (Foto: Divulgação/Long Hat House)Dandara é um jogo cheio de cores (Foto: Divulgação/Long Hat House)



Dandara não é apenas um Metroidvania, ele é também um ótimo representante deste gênero. Só o fato de a movimentação ser diferenciada já te faz ter uma atenção especial ao título. Além disso, os combates são diretos, mas únicos. Dandara tem o poder de atirar raios das mãos, como se fosse um tiro de energia carregado, e assim lida com os inimigos. Cabe ao jogador administrar os saltos e os ataques, para que não leve dano e nem perca a movimentação.

No fim, a jogabilidade de Dandara se resume a saber o momento certo para se movimentar. Ele é punitivo para quem não leva a sério o timing exato, e isso pode ser frustrante. Na verdade, a frustração é acompanhada de um senso de vitória quando conseguimos sair por cima, o que não torna o jogo desrespeitoso com quem tenta, mas, ainda assim, é um game que vai demorar para te fazer se acostumar com esta movimentação “sem andar”.

Dandara (Foto: Divulgação/Long Hat House)Dandara tenta parecer um jogo dos anos 90 (Foto: Divulgação/Long Hat House)

Um ponto negativo é que, como Metroidvania, Dandara falha em alguns aspectos um pouco relevantes. Não há, por exemplo, uma forma de localizar a personagem no mapa. Quando você pressiona o botão para abrir o mapa, ele é exibido e você pode ver as salas que já visitou, mas só dá para saber onde a protagonista está exatamente se você tiver um grande senso de direção – e percepção, na hora de saber para onde andar. Além disso, a movimentação em pulos não funciona muito bem nos controles tradicionais e se destaca mais com mouse ou com telas sensíveis ao toque.

Homenagens e referências

Um ponto positivo para o público brasileiro é que Dandara tem diversas homenagens e referências históricas, a começar pela própria protagonista, que é uma das representantes negras de maior expressão da história do país.

Dandara (Foto: Divulgação/Long Hat House)Dandara tem referências da cultura brasileira (Foto: Divulgação/Long Hat House)


Além disso, há a participação de personagens e figuras reais, representadas de forma fictícia ou fantasiosa por aqui. O exemplo mais famoso, e que você encontra logo no início do jogo, é o de Tarsila do Amaral. Há outros elementos referentes a grupos musicais, locais reais, povos e até outros nomes relacionados com programas de TV brasileiros.

Trabalho visual

Dandara segue de perto o exemplo de outros jogos nacionais e aposta no visual retrô, lembrando a época do Super Nintendo, mas com animações que não seriam possíveis nos anos 90. O game é todo vivo. Detalhes nos cenários, na movimentação da personagem, nos inimigos – aliás, é belo o design o de alguns chefões. É tudo muito bonito.

Dandara (Foto: Divulgação/Long Hat House)Dandara tem design bonito (Foto: Divulgação/Long Hat House)


As cores predominantes da roupa da protagonista, amarelo, verde e branco, também se espalham pelo cenário, criando a amálgama perfeita para o ambiente que Dandara proporciona. Há muito a ser visto e apreciado e, inclusive, descoberto.

Conclusão

Dandara é mais um ótimo representante de bons jogos nacionais. Só o fato de mesclar bons elementos da nossa história com elementos de fantasia já seria motivo de destaque, mas o game também tem boas ideias de jogabilidade e funciona muito bem na maioria das plataformas. Dandara é uma aventura única e que merece sua atenção – e o acesso é facilitado, já que o título está em praticamente todos os consoles, celulares e PCs.

Com que idade você aprendeu a programar? Opine no Fórum do TechTudo.

 

Nota TechTudo

NOTA tt
8.5
Gráficos
8
Jogabilidade
7
Diversão
9
Som
10

Prós

  • Jogabilidade única;
  • Bom enredo;
  • Gráficos retrô muito bonitos;
  • Elementos históricos bem misturados.

Contras

  • Problemas de localização pelo mapa;
  • A jogabilidade funciona melhor em alguns controles.
Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares