Jogos de ação

NOTA tt
7.5

Review Duke Nukem 3D: 20th Anniversary World Tour

Um dos personagens mais famosos do mundo dos games volta em versão “melhorada”

Felipe Vinha
por
em

Duke Nukem 3D: 20th Anniversary World Tour marca o retorno de um dos maiores games FPS da história. Com as adições de uma nova fase, inimigos e uma divertida arma, o game busca agradar os fãs do gênero, além de mostrar aos novatos porque Duke Nukem é uma referência até hoje. Confira o review completo:

Lista de Fallout 3 reúne os dez melhores mods do jogo para PC

Duke está de volta

A edição de vigésimo aniversário de Duke Nukem 3D faz com que os jogadores mais antigos, que tiveram oportunidade de jogar o título original, apreciem um dos maiores, e mais divertidos, clássicos do gênero FPS.

Jogamos a primeira fase do jogo; assista:

A história gira em torno de Duke, um mulherengo durão, que ao voltar de uma aventura espacial, depara-se com Los Angeles sob ataque de alienígenas. Cabe ao loirão expulsar as criaturas e salvar o planeta. Para isso, você passará pelas mais bizarras situações, desde batalhas em casas de strippers, até confrontos no espaço sideral.

Duke Nukem 20th Anniversary World Tour (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)Duke Nukem 20th Anniversary World Tour (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)

Um capítulo inédito

Para os fãs da saga, há mais um motivo para se interessar por Duke Nukem 3D: 20th Anniversary World Tour: uma nova fase. Sim, depois de 20 anos, o jogo recebe uma aventura inédita com oito níveis, criada pelo designer do jogo original, Allen Blum III.

O novo capítulo traz também outra novidade: um incinerador. Com ele, é possível queimar as criaturas espalhadas pelo cenário. E por falar nelas, vale ressaltar a inclusão de novos monstros, que dão uma cara ainda mais "fresca" ao jogo.

Duke Nukem 20th Anniversary World Tour (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)Duke Nukem 20th Anniversary World Tour (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)

Visual repaginado?

Por incrível que pareça, Duke Nukem 3D: 20th Anniversary World Tour conta com "melhorias" na parte visual. Isso mesmo, por mais que seus gráficos ainda sejam os mesmos de quando foi lançado em 1996, nessa edição especial há melhorias que podem ser ajustadas durante o jogo.

Elas não tornam cenários e personagens mais polidos, mas auxiliam na iluminação, trazendo ambientes mais claros e nítidos. E por mais que pareça pouco, acredite, isso ajuda bastante em muitas fases, principalmente em cavernas, becos e salas bem escuras.

Duke Nukem 20th Anniversary World Tour (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)Duke Nukem 20th Anniversary World Tour (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)

Mas se você é um adepto da nostalgia, não se preocupe, pois você pode desligar os efeitos a qualquer momento. Com um comando no joystick ou no teclado, é possível desativar essa opção, deixando o visual idêntico ao do game original.

Já a parte sonora do jogo, ganhou novas trilhas sonoras e áudios. Para as músicas que acompanham a campanha, Lee Jackson, membro do time original, foi chamado para criar composições. Já as falas foram regravadas pelo mesmo ator que dublou o personagem no jogo original.

A velha jogabilidade

A jogabilidade de Duke Nukem 3D: 20th Anniversary World Tour divide opiniões. Se por um lado é um tanto nostálgico reviver o clássico dos anos 90 no PC ou até mesmo no PS4, os jogadores mais novos podem se sentir um tanto incomodados com comandos e movimentação do personagem.

Duke Nukem 20th Anniversary World Tour (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)Duke Nukem 20th Anniversary World Tour (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)

Além disso, os combates não são nada intuitivos. Por exemplo, atirar na cabeça de um personagem ou na perna, causará a mesma quantidade de dano. Além de permitir que tiros de shotgun acertem um personagem à distância ou que pulos de uma certa altura causem apenas danos. Sendo assim, não é de se estranhar que muitos jogadores optem por passar longe de uma coletânea tão importante como essa.

Conclusão

Duke Nukem 3D: 20th Anniversary World Tour é um game feito principalmente para os fãs da série. Apostando alto na nostalgia, o game traz os mesmos gráficos da versão original – com tímidas melhorias – além de incluir cenário, falas e até uma divertida arma. Entretanto, será difícil convencer a nova geração, acostumada com gráficos de ponta, que ainda é divertido trocar tiros em cenários poligonais e com um visual dos anos 90.

Qual game será melhor, Call of Duty: Infinite Warfare ou Battlefield 1? Deixe sua aposta no nosso Fórum!

Nota TechTudo

NOTA tt
7.5
Gráficos
5
Jogabilidade
7
Diversão
10
Som
8

Prós

  • A volta do clássico
  • Trilha sonora
  • Nova fase

Contras

  • Limitações da época
  • Multiplayer vazio
Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Felipe Costa
    2016-11-11T11:33:40  

    Nostalgia, jogava muito. Nice, me levou para meus 8 9 10 anos agora.

    recentes

    populares

    • Felipe Costa
      2016-11-11T11:33:40  

      com certeza eu jogava pacas tb na minha adolescencia.

  • Steve Mcqueen
    2016-11-11T11:41:10

    Realmente foi um grande game para época. Mas Realmente o tio Nukem deveria ter feito uma plastica com uma engine de ponta pra geração youtube curtir as falas desse fanfarrão....

  • John Tejada
    2016-11-11T11:40:37

    Top 5 de FPS de todos os tempos, mas muito mal aproveitado nessa geração.

  • Darken
    2016-11-11T11:34:14

    Shake baby! You wanna Dance?

  • Anderson Alves
    2016-11-11T11:33:09

    dnstuff