Jogos de ação

NOTA tt
6.8

Review Ethan: Meteor Hunter

Ethan: Meteor Hunter é uma mistura bem feita de plataforma com puzzle que rende um tempo de diversão mas não é nada marcante. Leia a análise do game.

Lílian Moreira
por
em

Ethan: Meteor Hunter é um título indie para PCs e PSN que mistura plataforma com puzzle, utilizando uma engine física e a habilidade de pausar o tempo e mover objetos da tela. Desenvolvido e fundado independentemente pela Seaven Studios, recebeu o greenlight do Steam e após a fase alpha, foi publicado oficialmente. O jogo se mostra interessante e divertido, com puzzles bem feitas e dificuldade moderada.

Steam: como gerenciar o sistema de leilão de cartas em sua conta

Ethan: Meteor Hunter mistura plataforma com puzzle (Foto: Divulgação)Ethan: Meteor Hunter mistura plataforma com puzzle (Foto: Divulgação)


História do game

Ethan é um ratinho que vive em uma vila. Um dia um meteoro cai e pousa em sua cabeça. Imediatamente Ethan percebe que o contato com o meteoro faz com que ele tenha poderes mágicos, agora ele pode pausar o tempo e mover objetos pesados sem tocá-los. O meteoro se quebrou em vários pedaços espalhados pelo mundo e Ethan decide recuperá-los para aumentar seus poderes e se vingar de um vizinho que destruiu sua casa.

Apesar de um pouco surreal, a história é bem simples. O gênero plataforma/puzzle não exige necessariamente um enredo envolvente, mas nesse ponto o jogo não oferece uma grande motivação para ajudarmos Ethan, que também não é um personagem cativante, engraçado ou único. O atrativo mesmo fica só por conta da jogabilidade

Jogabilidade

Ethan: Meteor Hunter é essencialmente um jogo de plataforma. Chega a ser bem desafiador em alguns pontos, com uso de uma engine física aguçada, o que às vezes torna o jogo interessante mas ao mesmo tempo dificulta a execução perfeita de alguns pulos. Os ambientes são repletos de piscinas ácidas, rodas elétricas e outros tipos de obstáculos letais. Em cada fase, no entanto, existem vários pontos de respawn e não há penalidades para morte além de algumas conquistas (ou troféus) debochadas. Chega a ser engraçado ver Ethan morrer em alguns momentos.

Ethan: Meteor Hunter pause o tempo para resolver puzzlesEthan: Meteor Hunter pause o tempo para resolver puzzles

O grande diferencial da jogabilidade fica por conta dos puzzles em tempo real. Com as habilidades adquiridas de Ethan podemos pausar o tempo e mover objetos da cena. Para evoluir na fase é preciso resolver os puzzles na hora e seguir adiante. Em geral eles envolvem pausar a cena exatamente no tempo certo e mover blocos de madeira de forma que seja possível ultrapassar os obstáculos.

Os puzzles são bem inteligentes e esse é o ponto alto do jogo. Até os mais simples são bem prazerosos de resolver e alguns envolvem um timing preciso, como saltar e pausar enquanto se está no alto, mover um bloco de madeira para o local certo, voltar o tempo e rapidamente realizar outro salto. Nessa hora o respawn automático vem bem a calhar, não deixando o jogo ficar maçante.

Outros puzzles não envolvem possibilidade de morte mas sim um planejamento maior, como ter apenas 3 pauses e uma infinidade de blocos que precisam ser movidos na ordem certa e na hora exata dos pulos para que Ethan suba para um nível bem mais alto. Apesar de algumas puzzles serem muito bem elaboradas em alguns momentos o jogo começa a ficar um pouco repetitivo.

Ethan: Meteor Hunter fator replay pouco motivanteEthan: Meteor Hunter fator replay pouco motivante

Ao longo das fases passamos por cima dos meteoritos, que são recolhidos automaticamente. Em geral eles são de fácil acesso e o máximo de prejuízo que causam é tomar mais tempo do percurso, evitando saltos, etc. O objetivo de cada fase é apenas chegar até o final e o fator replay fica por conta de tentar um tempo menor ou tentar usar menos pauses. Esse sistema não é dos mais estimulantes para se jogar uma fase de novo, mas o título é bem grande, 50 fases divididas em três mundos. Isso também deixa o custo-benefício mais interessante, considerando que é um jogo barato é até bem longo.

Gráficos e Som

A jogabilidade não varia tanto nos três mundos, mas o visual fica diferente. Apesar da apresentação gráfica do jogo ser impecável, como a maioria dos jogos indies atuais, a falta de um personagem mais cativante acaba sendo uma falha artística também.

O som por outro lado é bem agradável, com músicas bacanas ao longo da jogatina. Os efeitos sonoros são simples e eficazes, sem nada chamativo mas também sem nenhuma falha grave.

Conclusão

Ethan: Meteor Hunter é um jogo que mistura plataforma e puzzle de forma ativa, com desafios que exigem tanto uma agilidade nos dedos quanto um pensamento afiado. Apesar desse diferencial, o jogo pode facilmente ser mais um em meio a tantos jogos, independentes ou não, com gêneros similares. Em parte isso se dá pelo projeto gráfico pouco chamativo e pela jogabilidade, que embora atrativa, por vezes se torna um pouco cansativa e repetitiva. Por fim, o fator replay é bem fraco, deixando o jogo menos viciante do que talvez fosse a proposta inicial.


Qual seu jogo indie favorito?
Comente no Fórum do TechTudo!

Nota TechTudo

NOTA tt
6.8
Gráficos
7
Jogabilidade
6
Diversão
6
Som
8

Prós

  • - Puzzles inteligentes
  • - Bom sistema de respawn
  • - Gráficos e som agradáveis
  • - Boa quantidade de fases

Contras

  • - Fator replay fraco
  • - Pulo difícil de controlar
Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares