Celulares & Tablets Tablet
NOTA tt
8.6

Review iPad 3

O novo iPad não tem grandes novidades. Alguns atrativos são a maior resolução na tela e câmera, além do melhor processador e memória. O preço é que não mudou, ainda alto se comparado ao valor de um notebook.

Julio Preuss
por
em

O iPad 3 foi testado pelo TechTudo por algumas semanas, desde o dia do lançamento mundial. Nesse período, além de instalar a maioria dos aplicativos atualizados, continuamos usando nossos favoritos do “velho” iPad para ver como se comportavam. Na maioria das situações, é difícil notar a diferença entre os gadgets da Apple. Primeiro, porque o design do produto não mudou em praticamente nada: o novo iPad tem o mesmo corpo metálico de linhas suave, apesar de ser um pouco mais pesado. Veja todos os detalhes neste review do iPad 3:

Tela principal do iPad 3 (Foto: TechTudo/Allan Melo)Tela principal do iPad 3 (Foto: Allan Melo/TechTudo)


Em termos de desempenho, a agilidade do sistema ao abrir um novo aplicativo ou alternar entre os que já estão rodando é perceptivelmente maior do que no iPad original, mas não parece diferente do iPad 2. Compreensível, já que a base do processador do novo iPad é a mesma, exceto pelo novo chip gráfico de núcleo quádruplo, necessário para suprir as necessidades da super tela.

Tela

O destaque do novo iPad, exaltado em toda a propaganda da Apple, é, sem dúvida, a tela “Retina”. Com resolução de 2048 x 1536 pixels, ou 3,1 megapixels, ela é quatro vezes mais densa que a dos modelos anteriores. Há um milhão de pontinhos a mais do que numa TV Full HD 1080p, em uma tela pelo menos dez vezes menor. Em termos de densidade de pixels, só perde para a dos iPhones 4 e 4S, que inauguraram o conceito de "retina".

Detalhe da resolução do iBook no novo iPad 3 (Foto: Julio Preuss)Detalhe da resolução do iBook no novo iPad 3 (Foto: Julio Preuss/TechTudo)

Na prática, isso quer dizer que não se conseguem mais enxergar pixels individuais a olho nu, dando às imagens uma aparência de página impressa, sem qualquer serrilhado nas curvas e diagonais. De fato, a diferença é perceptível quando seguramos um iPad antigo e o novo lado a lado, principalmente nos detalhes dos ícones e em telas de texto como as do iBooks.

Embora seja mais fácil notar a diferença nos textos, o aumento da resolução também é vantajoso para os jogos com visual 3D já atualizados para ela, como o Infinity Blade II e o Real Racing 2 HD, e é especialmente benéfico na manipulação de imagens – vide a coluna sobre o potencial do tablet como acessório para fotógrafos, onde analisamos os prós e contras da câmera de 5 megapixels com sensor retroiluminado do novo iPad.

iPad 3 (Foto: TechTudo/Julio Preuss)iPad 3 apresenta mesma câmera frontal VGA, mas traseira com melhor resolução (Foto: Julio Preuss/TechTudo)


Em tempo: isso só vale para a câmera traseira, que a Apple chama de iSight, pois a câmera frontal, usada nas videoconferências via FaceTime ou Skype, manteve a resolução VGA (640 x 480 pixels) do modelo anterior. Como, na maioria dos casos, as fotos mais importantes são tiradas com a câmera iSight, isso não chega a ser um problema.

Voltando à tela, também não dá para dizer que a do “velho” iPad é ruim. O site Gizmodo andou mostrando o iPad 2 para uns desavisados como se fosse a terceira geração e a maioria se disse impressionada com a qualidade das imagens.

Preço

Para viabilizar o aumento de 300% na resolução, a Apple precisou “turbinar” o subsistema gráfico do iPad e equipá-lo com mais memória RAM. Tudo isso é embutido no que se costuma chamar de “sistema em um chip”: o processador A5x, no caso do novo iPad, sucessor do A5 do iPad 2. Como as melhorias foram todas voltadas para o aspecto gráfico, acaba que, de resto, as duas versões se equivalem.

Da mesma forma, o processamento gráfico vitaminado e o simples fato de precisar iluminar muito mais pixels fez com que o consumo elétrico do novo iPad fosse às alturas. Sua bateria tem uma capacidade 70% maior que a do iPad 2, mas dura a mesma coisa. Na verdade, foi por causa da necessidade de aumentar o tamanho da bateria para manter a autonomia de 10 horas que o novo iPad ficou discretamente maior e mais pesado, como mencionamos no início desta avaliação.

Infelizmente, a bateria maior acaba demorando mais para carregar e pode esquentar durante o processo – a primeira grande crítica ao novo iPad. Em nossos testes, o aquecimento não chegou a ser um problema, mas o tempo de recarga, sim. Praticamente obrigou a tratar o tablet como um smartphone que precisa ser ligado na tomada toda noite, durante a noite inteira, para aguentar o uso de um dia.

Isso também aumenta a importância de se usar o carregador de tomada incluído no pacote do iPad, junto com o cabo USB. Explica-se: apesar de os conectores USB do computador e o próprio carregador de um iPhone ou iPod também poderem ser usados para recarregar o iPad, eles só provêm 5W de força - a metade do que o carregador que vem com o tablet é capaz de oferecer. Em outras palavras: carregar via computador pode demorar o dobro do tempo, e isso agora faz diferença.

A busca chamada de "Spotlight" está em outro lugar agora (Foto: TechTudo/Allan Melo)iPad 3 continua com preço alto e poucas mudanças (Foto: Allan Melo/TechTudo)


Conclusão

O novo iPad é mais do mesmo. Mais resolução (tanto na tela quanto na câmera), mais processamento, mais memória e, na versão LTE, mais velocidade no acesso via rede celular. O design é rigorosamente o mesmo do iPad 2, mas ainda não dá sinais de estar ultrapassado, e a bateria até tem mais capacidade, mas dura a mesma coisa.

Por conta disso tudo, o tablet da Apple representa uma melhora do que já era ótimo, mas não chega a ser uma revolução – e não soluciona coisas como a ausência de um leitor de cartões de memória. O preço, que também não mudou, é alto se comparado ao de um notebook. A julgar pelas vendas, no entanto, parece ser justo para o que ele oferece.

Ficha técnica

 Tela9,7 polegadas 
Resolução de tela 2048x1536 
Sistema operacional iOS 5  (atualizável até o iOS 7)
Processador A5X 
Memória RAM 1 GB 
Armazenamento 16, 32 ou 64GB 
Conectividade Wi-Fi 802.11a/b/g/n, Bluetooth 4.0 e LTE opcional 
Dimensões 24,1 x 18,6 x 0,9 cm 
Peso 662 g 
Autonomia de bateria até 10 horas 
Itens inclusos cabo USB e carregador de 10W 


Nota TechTudo

NOTA tt
8.6
Design
9
Desempenho
10
Tela
10
Câmera
6
Custo-benefí­cio
8

Prós

  • Tela Retina;
  • Câmera de 5 megapixels;
  • Processador gráfico Quad-Core.

Contras

  • Preço;
  • Consumo de energia;
  • Falta leitor de cartões.
Seja o primeiro a comentar


Imagem do usuário
Sair

Quer realmente sair da globo.com?

Imagem do usuário

recentes

populares