Jogos de arcade

NOTA tt
8.0

Review Splatterhouse

Embarcando na onda de remakes, o jogo Splatterhouse ressurge do passado e consegue agradar tantos os antigos fãs quanto aqueles que adoram games (extremamente) violentos. Confira a análise do TechTudo sobre o game:

Diego Borges
por
em

Embarcando na onda de remakes, o jogo Splatterhouse ressurge do passado e consegue agradar tantos os antigos fãs quanto aqueles que adoram games (extremamente) violentos. Confira a análise do TechTudo sobre o game:

De volta (literalmente) as origens

SplatterhouseCapa de Splatterhouse  (Foto: Divulgação)

Para quem não conhece a saga, Splatterhouse é um game baseado na história de Rick e sua máscara sobrenatural que lhe concede poderes macabros que o ajudam em sua busca pela sua namorada, Jennifer, sequestrada por demônios e outras criaturas bizarras.

As três primeiras versões do jogo foram lançadas em plataformas antigas de 8 e 16 bits, e mesmo assim foram consideradas como os jogos mais violentos da época, sendo classificadas como não recomendáveis a menores de 18 anos.

Se na época você ainda não tinha idade suficiente para jogá-lo, não se preocupe! Um dos grandes atrativos desta nova versão de Splatterhouse é a possibilidade de jogar as três primeiras versões da série. Para isto, é só completar alguns capítulos, e os clássicos vão sendo liberados.

SplatterhouseVersão 16 bits de Splatterhouse (Foto: Divulgação)

Enredo

Com um clichê de filme de terror, Splatterhouse utiliza elementos de humor negro e ação intensa, ao som de um puro heavy metal e muito sangue na tela. As primeiras versões também faziam muitas referencias a filmes de terror (embora isso seja negado pela NAMCO), como por exemplo, o fato de o personagem principal utilizar uma máscara de hóquei idêntica à usada por Jason em "Sexta-Feira 13". Além disso, um dos chefes possui uma serra elétrica e uma máscara feita de pele humana, muito parecido com Leatherface, do filme “Massacre da Serra Elétrica”.

O novo Splatterhouse tem muitos elementos da antiga trilogia, incluindo os cenários, muitos dos quais são baseados nos antigos games, porém com uma boa reformulação e adaptação ao 3D. Algumas armas e inimigos também são remanescentes do jogo antigo, como o próprio “clone de Leatherface” citado acima.

SplatterhouseSplatterhouse possui chefes gigantescos  (Foto: Divulgação)

Jogabilidade

Com sua visão em terceira pessoa, o jogo é o típico adventure onde sua principal função é andar e bater. Rick possui combinações de golpes e pode utilizar diversas armas encontradas ao longo de sua trajetória. O game conta com um sistema de evolução de acordo com o sangue adquirido com as morte de seus inimigos, e além disso, quanto maior for a pontuação da sequência de golpes (o popular “combo hits”), maior é a quantidade de pontos adquiridos.

Esses pontos são utilizados para evoluir diversas características de Rick, como sua energia, sequências de golpes e uma espécie de barra de poder. Ainda sobre essa barra, em determinado momento do jogo você pode utilizá-la para recuperar sua energia vital, ou se preferir, usá-la para se transformar em uma criatura ainda mais gigantesca, poderosa e indestrutível, dentro de um curto tempo.

Para completar, o jogo possui uma espécie de “sessão nostalgia” no qual Splatterhouse se transforma em um típico jogo em 2D. Em diversos momentos da historia, o jogo muda a concepção visual e você precisa controlar Rick como nos primeiros títulos da série, com direito a vários conceitos destes tipos de game, como saber o tempo exato de pular para uma plataforma, se abaixar e saltar em certos momentos, ou aguardar a passagem de um obstáculo que pode te machucar.

Vale ressaltar que o game também possui um modo de sobrevivência, algo que já se tornou uma espécie de obrigação em jogos deste gênero. O intuito deste modo é eliminar o máximo de inimigos possíveis dentro de um tempo determinado, além de, é claro, sobreviver em um grau de dificuldade que aumenta na medida em que você progride.

SplatterhouseRick, o personagem principal de Splatterhouse (Foto: Divulgação)

Som de primeira, gráficos de segunda

Splatterhouse levou um bom tempo para ser desenvolvido, mas parece que o capricho foi deixado de lado. Os gráficos do jogo decepcionam, e é fácil perceber problemas nos efeitos de sombra e cenários, que muitas vezes não conseguem passar a noção exata do que está ao seu redor. Além disso, em diversos momentos é possível notar um “estouro de polígonos”, ou seja, personagens atravessando partes dos cenários.

Em compensação, Splatterhouse trás uma trilha sonora de arrepiar os cabelos. Com bandas como Lamb of God e Cavalera Conspiracy (formada por ex-integrantes do Sepultura), o trash metal é o som que embala a pancadaria e o banho de sangue. E sobre os efeitos sonoros, é possível escutar ossos se quebrando e inimigos agonizando durante os momentos de combate, o que dá uma ajuda pra aumentar o clima de puro terror.

SplatterhouseCena de Splatterhouse (Foto: Divulgação)

 

Sangue e mais sangue

Nesta nova versão, o jogo conseguiu ficar ainda mais violento e sanguinário. Estamos falando de inimigos (e até o próprio personagem principal) enfrentando situações radicais, animações com closes de cenas de violência, e até mesmo a tela do jogo sendo borrada de sangue depois de uma boa sequência de golpes.

As armas também ajudam a aumentar o clima bizarro do jogo. Além de barras de metal e facões, Rick também pode utilizar escopetas, restos de inimigos mortos e até mesmo seu próprio braço depois de ser decepado - mas não se preocupe, pois ele é regenerado em instantes.

Essa fórmula consegue agradar aos antigos fãs da série, aqueles que admiram um bom filme de terror no estilo “A Hora do Pesadelo” ou “Sexta-feira 13” e também quem curte algo bem fantasioso. Porém, convenhamos que em muitos momentos há um certo exagero na dosagem de violência injetada no game, fazendo com que muitas pessoas deixem de jogarSplatterhouse, principalmente aqueles com estômago fraco.

SplatterhouseSplatterhouse (Foto: Divulgação)

Loading bizarro

Outro grande problema encontrado no jogo é a demora chata para carregar. Convenhamos que são poucos os loadings agradáveis, possivelmente apenas aqueles que consistem em chutar uma bola ao gol ou brincar com um minigame. Só que o carregamento do Splatterhouse só mostra suas criaturas bizarras fazendo movimentos grotescos e repetitivos, desanimando um pouco na hora de continuar no jogo depois de morrer insistentemente em determinado lugar.

Conclusão

Splatterhouse é um remake que consegue agradar mais os fãs da antiga trilogia que conquistar uma nova legião de seguidores. Com uma jogabilidade simples e gráficos medianos, o grande ponto alto do game fica por conta de diversão e da trilha sonora repleta de muito heavy metal.

Para aquele que adoram jogos violentos e extremamente sanguinário, o game é um prato cheio, mas se você se impressiona facilmente com cenas de violência ou costuma jogar na hora em que sua família está reunida na sala, Splatterhouse não é o game indicado.

* Splatterhouse é distribuído no Brasil pela NC Games.

OBS: O vídeo abaixo é recomendado para maiores de 18 anos.


5 coisas que você precisa saber para sobreviver em Splatterhouse:

1 - Muitos itens do cenário podem ser destruídos, e alguns deles possuem "pequenos vermes" que aumentam os pontos usados para evoluir o seu personagem. Além disso, muitas partes das fotos de Jennifer ficam escondidas sob caixas e destroços.

2 - Sempre que puder, acabe com seus inimigos usando um golpe fatal, que pode ser
utilizado pressionado o botão que agarra o oponente seguido de uma combinação de comandos. Assim, você multiplica os pontos utilizados para evoluir Rick.

3 - Quando houver muitos inimigos juntos, utilize sempre armas como canos, facões, e até mesmo braços, pernas e troncos dos outros inimigos derrotados, pois além de causar mais dano do que uma sequência de socos e chutes, eles contribuem para aumentar a pontuação.

4 – Em vários momentos do jogo, será necessário arremessar algum inimigo em espetos, lanças ou outras coisas perfurantes. Diante disso, os inimigos não pararão de surgir até que você cumpra o objetivo. Aproveite para acumular pontos eliminando-os até que parem de bonificar.

5 - Quando você transforma Rick em uma criatura mais gigantesca ainda, automaticamente você se torna invulnerável por alguns instantes. Utilize-se deste poder toda vez que encontrar dificuldades com inimigos, principalmente contra chefes. Porém, a barra é a mesma utilizada para regenerar seu sangue, portanto não é recomendado se transformar com a energia baixa.

Nota TechTudo

NOTA tt
8.0
Gráficos
7
Jogabilidade
7
Diversão
9
Som
9

Prós

  • - Diversão garantida.
  • - Trilha sonora repleta de Heavy Metal.
  • - Possibilidade de jogar os games anteriores.

Contras

  • - Gráficos simples.
  • - Dificuldade elevada.
  • - Jogabilidade pouco eficiente.
Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares