Tablet

26/05/2011 16h59 - Atualizado em 14/07/2011 06h45

Cinco razões para você NÃO fazer jailbreak no seu iPhone (ou outro dispositivo iOS)

Eduardo Moreira
por
Para o TechTudo

A imensa maioria dos proprietários de iPhone, iPod touch e iPad adoram fazer jailbreaks em seus telefones. Ter novas possibilidades de uso e funções que Steve Jobs faz questão de limitar de forma nativa nos caros aparelhos que compramos nas lojas é um tema recorrente entre os usuários de dispositivos Apple. Desconfiamos que essa restrição é feita apenas para desafiar os usuários, mas isso é uma outra história. Enfim, o jailbreak é sinônimo de liberdade de uso, algo que todo usuário de tecnologia tem direito, e que todo proprietário de dispositivos com iOS merece.

Mas essa liberdade tem um preço. E pode trazer consequências graves e irreversíveis ao seu gadget. O potenciômetro dos problemas é alto para aqueles que não possuem habilidades suficientes para efetuar a operação. Nem precisa dizer que, se algo der errado, você perde o seu iPhone/iPod/iPad, e nenhuma garantia nesse mundo vai fazer com que você consiga um produto novo.

Nesse texto, vamos mostrar cinco bons motivos para você não tentar fazer o jailbreak no seu dispositivo com iOS se você não tiver capacidade ou recursos para fazê-lo. O texto também serve para aqueles usuários que adquiriram o seu aparelho recentemente, e estão na dúvida sobre as desvantagens do processo (as vantagens nós já conhecemos). Esses cinco pontos devem ser levados em consideração na sua importante decisão de deixar o seu dispositivo livre das garras de Jobs.

iPhone 4 (Foto: Divulgação)iPhone 4 (Foto: Divulgação)

1 - Boa parte dos usuários simplesmente não precisam do jailbreak

O perfil do leitor do TechTudo tende a ser aquele usuário mais avançado e exigente com os seus dispositivos. E ficamos contentes ao saber disso, pois sabemos que falamos com um público qualificado. Porém, temos uma parcela muito grande de leitores que se encaixam em um perfil que só quer que o seu produto de tecnologia funcione e nada mais, sem muitos problemas. O que também é ótimo, pois mais pessoas estão entrando para um mundo onde a tecnologia é feita para melhorar suas vidas. Logo, para esse segundo grupo de usuários, nem vale tanto o esforço para o jailbreak.

Os benefícios podem não justificar todo o trabalho e tempo empregados no processo. Além disso, conhecemos pessoas que compraram um iPhone ou iPad apenas pelo status que o produto oferece, sem explorar sequer 40% de todo o seu potencial. E, nesse caso, não é por preguiça de tentar descobrir o que o produto pode fazer por você, mas porque não fazem muita questão de estudarem esses recursos.

Ou seja, para os usuários que apenas realizaram o desejo de ter um iPhone/iPad para falar com as pessoas, navegar na internet e ler alguns livros, a App Store é mais que suficiente, e os recursos disponíveis no dispositivo (que está nas garras de Jobs) o farão feliz. Para eles, o produto vai cumprir a sua missão de forma exemplar, deixando o consumidor feliz da vida. Logo, pra quê gastar horas em um processo que não vai servir de muita coisa para alguém que, na prática, não fará uso dessa liberdade toda?

2 - Não sabe fazer, não faça!

O jailbreak de um dispositivo Apple é algo relativamente simples… para quem possui alguma experiência no assunto, evidentemente. O processo segue o esquema de procedimentos passo-a-passo, onde se obtém sucesso se todos os passos forem seguidos à risca. Porém, alguns passos do processo exigem um certo conhecimento de alguns procedimentos computacionais que os usuários que só usam o computador para ver vídeos da Rebecca Black não possuem. Principalmente quando algumas mensagens de erro aparecem durante o processo, e algumas rotinas que precisam de soluções alternativas do que aquelas descritas no guia. Nessas horas, temos aqui a diferença entre o usuário curioso do “fuçador”.

O curioso aprendeu com os erros ao longo dos anos, estudando diversos procedimentos semelhantes, e hoje, não se desespera se algo dá errado. Já o “fuçador” busca as soluções à esmo, sem compreender na maioria dos casos como chegou ao problema (ou à solução, quando dá sorte).

Não estamos querendo dizer que os usuários sem experiência não podem aprender como é o processo do jailbreak do seu dispositivo. Mas muitas vezes esse mesmo marinheiro de primeira viagem (que só quer que seu telefone funcione) sequer se dá ao trabalho de estudar os tutoriais com mais detalhes, aumentando as chances de estragos em produtos que custam mais de R$ 1.000. Ou seja, se você não está seguro do que está fazendo em seu caro iPhone/iPod, iPad, simplesmente não faça.

3 - Você tem a liberdade, mas fica para trás na hora de atualizar

Voltando ao ponto do “eu apenas quero que o meu iPhone funcione”. Todo mundo quer isso. Só que, com o passar do tempo, você vai perceber que você quer que o seu iPhone funcione melhor. E isso só é possível de duas formas: 1) jailbreak (que vai lhe custar tempo, horas de sono, algumas xícaras de café e, se você não souber o que está fazendo, algum dinheiro investido no amigo voluntarioso), ou 2) atualizações. A Apple nesse ponto é muito justa, pois todo mundo recebe as mesmas atualizações, ao mesmo tempo. Só que tem um pequeno, mas importante detalhe: quem faz jailbreak também pode atualizar o seu dispositivo, desde que abra mão de todo o jailbreak feito.

iOS 4.3 (Foto: Divulgação)iOS 4.3 (Foto: Divulgação)

Aí, muita gente se pergunta: “mas, e tudo aquilo que eu fiz antes… eu vou perder?”. A resposta é: quase tudo. Ao atualizar o dispositivo com jailbreak, todo o processo realizado para tornar o produto livre das garras de Jobs será desfeito, deixando o seu aparelho limitado aos recursos que a Apple permite que o usuário utilize. Ou seja, tempo perdido.

Para evitar isso, muitos usuários que não querem se dar ao trabalho do “começar tudo de novo” ficam estacionados no desenvolvimento do iOS, deixando versões antigas, porém funcionais, em seus dispositivos. É claro que nem todos os usuários com jailbreak fazem isso, e esperam pacientemente por soluções que tornem compatíveis a nova versão do iOS com o jailbreak. Mas, para você, que comprou o seu iPhone apenas por querer ter um telefone que funcione muito bem sem te dar dor de cabeça… vai querer passar por toda essa novela a cada atualização da Apple, quando você pode simplesmente conectar o seu smartphone no computador e deixar que o iTunes faça tudo sozinho enquanto você vai assistir um filme? Eu acho que não.

4 - Quem paga caro por um iPhone, pode pagar barato na App Store

Não vamos ser hipócritas nesse item. Nós do TechTudo também gostamos da maioria das coisas que acompanham a palavra “grátis” na sua descrição. Mas, um dos motivos que as pessoas fazem o jailbreak é: “se eu posso ter de graça, por que eu vou pagar?”. Calma, amigo. Estamos falando de um smartphone (ou tablet, ou player multimídia com acesso à internet). É bom ver esse produto como um investimento, e não como apenas um brinquedinho.

Compreendemos a necessidade dos usuários terem o direito de explorar as possibilidades dos seus produtos sem depender do crivo da Apple para isso, mas alegar “questões econômicas e sociais” para isso não pode ser a sua principal justificativa, e vamos explicar nosso ponto de vista.

App Store (Foto: Reprodução)App Store (Foto: Reprodução)

A App Store é a loja virtual de aplicativos mais completa do mundo. Tem aplicativos para quase tudo, e a grande maioria é de graça. E, mesmo aqueles que são pagos, possuem um preço relativamente baixo (e, se comparado ao preço dos produtos Apple no Brasil, podemos classificá-los de preços irrisórios). Ou seja, é possível turbinar o seu iPhone pagando pouco, e tendo recursos que podem ser tão interessantes quanto aos oferecidos pelo Cydia. Veja bem, não estamos dizendo que o Cydia não tem as suas vantagens: existem aplicativos que podem fazer maravilhas pelo seu dispositivo, mas em muitos casos, aqueles aplicativos que realmente podem fazer a diferença por você são pagos e, em alguns casos (pasmem), são mais caros que algumas soluções apresentadas na App Store. E aí, voltamos ao ponto: será que realmente vale você ter todo o trabalho para você deixar o seu dispositivo pronto para o mundo livre, para no final das contas ter que pagar mais caro para aproveitar essa liberdade de forma plena?

5 - A brincadeira pode custar muito caro

A essa altura do texto, aqueles que estavam com algumas dúvidas sobre os problemas que o processo de jailbreak pode oferecer, já está ciente dos principais problemas, mas deixamos o mais nocivo para o final. Ressaltamos em alguns tópicos que o jailbreak é um processo simples (para quem sabe), e que os danos não são grandes na maioria dos casos. Mas, infelizmente, o pior pode acontecer, pois estamos falando de máquinas que podem falhar, programas que podem se comportar de forma inesperada e problemas não previstos que podem matar todo o processo.

Dependendo do tipo de recurso que você instalar no seu dispositivo com jailbreak, ele pode ter um comportamento anormal, tal como o seu computador tem quando você instala um programa que você acha bacana, mas não conhece o nível de integração que ele tem com o sistema. Aí, perde-se tempo tentando detectar qual recurso é o culpado pelo erro, e durante o processo, podemos alterar/remover recursos importantes no dispositivo, podendo deixar seqüelas graves no funcionamento do mesmo.

Se tudo der (muito) errado, e acontecer o pior, você pode ficar com um pedaço de metal na mão, que a garantia da Apple não cobre. Afinal, eles oficialmente são contra o jailbreak, e vão argumentar com um “você fez isso com o seu dispositivo porque quis. Nós falamos para você não fazer”.

Obviamente, temos que lembrar que uma grande parte dos leitores do TechTudo não vão concordar com a maioria das coisas ditas aqui, porque possuem um iPhone/iPod/iPad com jailbreak, e argumentarão que tudo isso pode ser feito com facilidade, sem causar danos ou traumas. Eu concordo com vocês. Porém, o mundo da tecnologia não é feito apenas e especialistas e experts em Apple, e é importante direcionar um texto para os novos usuários, ou para aqueles usuários que só querem um smartphone que funcione direito e nada mais. E cada vez mais pessoas que nunca tiveram contato com um dispositivo Apple estão comprando os produtos, e questões como a do jailbreak são as mais frequentes.

E, para os novos usuários, vale o aviso: analise com atenção os efeitos colaterais descritos nesse texto. Não só para o jailbreak, mas para outras ações importantes com os seus produtos de tecnologia, você está fazendo por sua conta e risco. O jailbreak é um benefício fantástico para os dispositivos iOS, e até apoiamos a iniciativa, mas seu processo não foi feito para todos. Pense muito bem antes de usar o recurso. E aproveite o melhor do seu dispositivo, com ou sem jailbreak.

Inspirado no texto do site LifeHacker.com

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Fepasa
    2015-01-16T23:53:20

    Engraçado que da mesma forma que o TechTudo fala mal do JB, eles fazem inúmeros tutorais sobre o tema! Muito engraçado!

  • Elcanadominicci
    2013-10-13T12:20:48

    Extrema Bobagem... velho, se você não fez jailbreak ainda, não sabe o que ta perdendo. Não é difícil o manuseio, só é diferente e... muito maneiro!! o idevice fica muito mas rico e divertido; dá uma cara nova no IOS. E não dá problema algum. Todos os movimentos e alterações são facilmente reversíveis. O autor desse artigo com certeza nunca soube o que é um jailbreak.

  • Rafael Zanineli
    2011-06-08T10:25:11

    Eu sinceramente não sei nem porque comecei a ler esta materia, totalmente sem nexo nenhum, como disse nossos amigos abaixo, o Jail não demora mais que 3 minutos e 5 clicks para "instalação" do app que é utilizado para baixar app's em outro site não sendo o da própria App Store. Só lamento. :/

  • Carlos Lima
    2011-05-28T23:28:49

    Pelo que sei de jailbreak, qualquer tentativa mal sucedida é revertida com o iPad plugado no PC ou Mac e um click no botão "Restaurar" do iTunes. Desde 1961 existem sistemas operacionais multitarefa. Sem o Jailbreak e o Backgrounder os usuários de iOS conseguem regredir 50 anos em tecnologia de informática. "Ah! mas o texto foi direcionado aos leitores que nem sabem o que é um sistema multitarefa". Pois digo que esse texto é a versão tecnológica do "nós pega o peixe". A moral da história é: "se você tem limitações, não as supere". Se você acreditou em algum argumento do texto, crie vergonha.

  • Arthur Geron
    2011-05-27T20:48:12

    este texto é amador, feito por uma pessoa que no mínimo não manja NADA de iphone e jailbreak. Jailbreak não é o "mal", ele simplesmente instala um programa, o qual te da acesso a uma lista gigante de funções que não vem normalmente com o produto da apple, e que na maioria a apple não quer que você tenha, pois ela com certeza se preucupa mais com o lucro da empresa. Você pode instalar temas n oseu iphone, adicionar inúmeras INCRÍVEIS funções como pastas que podem ter em seu interior quantos applicativos você quiser. Veja twitter.com/blogitouchbr para saber mais ou pesquise iphone jailbreak.

  • Lucas Ponzi
    2011-05-27T16:43:54

    O texto é simplezinho e não acrescenta muito, mas o pior é a quantidade de erros de concordância. Que vergonha alheia!

  • Darlene Diniz
    2011-11-15T15:56:13

    Francamente, que texto tendencioso...será que estão ganhando algum do apple? Eu que não entendo muito, fiz sozinha o jail com instruções que tem aos montes na net e estou super satisfeita.Deu algum erro, simplesmente restaure pelo itunes. Simples assim...

  • Daniel Farias
    2011-05-27T11:14:32

    Eu nunca li um texto tão tendencioso em toda minha vida... e burro tbm. Não é possivel que alguem ai pensou que um "expert" ia ler e desmentir tudo. Jailbreak é simples, nao precisa de horas de pra fazer e nem de "cafézinho", soh precisa de 5 clicks e 3 minutos. Se der problema (oq acontece raramente) pode restaurar o aparelho. Atualizacões da Apple dão mais bug do q o OS nativo. E o final do texto foi como se dissesse no final OU NÃO. Triste.