Internet

15/02/2012 12h28 - Atualizado em 15/02/2012 12h28

Google trabalha em gráfico do conhecimento humano

Renê Fraga
por
Para o TechTudo
Amit Singhal (Foto: Reprodução)Amit Singhal (Foto: Reprodução)

Em entrevista ao Mashable, Amit Singhal, engenheiro de software do Google, disse que a gigante de Mountain View está trabalhando numa forma de fazer seu buscador a compreender os resultados que irá exibir, passando desta forma a entender melhor o contexto das buscas.

Singhal afirma que o Google deverá exibir resultados com autoridade mais significante, em vez de localizar somente palavras-chaves e torcer para que os algoritmos atuais localizem alguém na web que tenha escrito sobre essas coisas ou assuntos.

Ele diz que hoje o Google de hoje ainda não sabe responder bem a questões básicas como “os 10 lagos mais profundos em os EUA” mas isso vem sendo trabalhado para mudar em pouco tempo.

“Em outras palavras, o motor de busca do Google futuro não só irá entender a sua pergunta, mas a quantidade de água em um lago, dizer-lhe a profundidade, áreas de superfície, as temperaturas e salinidades até mesmo para cada lago”, explicou.

“Google está construindo uma enorme compreensão própria do que uma entidade é e um repositório de entidades que existem no mundo e que você deve saber sobre essas entidades”, disse Singhal.

Gráfico de conhecimento (Foto: Reprodução)Gráfico de conhecimento (Foto: Reprodução)

Atualmente a nova base de dados, que trocará o índice de palavras-chaves por um gráfico do conhecimento, já possui a compilação de mais de 200 milhões de identidades e vem sendo trabalhado para apresentar uma inteligencia artifical que hoje pode ser encontrado na robótica.

“A base do conhecimento é enorme quando comparado com o índice de palavra e muito mais refinada ou avançado”, afirmou Singhal ao comparar com o índice atual de palavras que é, essencialmente, como o índice que você encontra na parte de trás de um livro.

Ao procurar por Monet no Google americano, os você encontra uma pequena área no rodapé: “Pesquisas de arte de Claude Monet.” Nele pode ser encontrado alguns resultados em miniatura das cinco ou seis obras do pintor.

Singhal diz que esta é uma indicação de que a pesquisa do Google está começando a entender que Monet é um pintor e que a coisa mais importante sobre um artista é suas maiores obras.

“Estamos construindo um ‘Colisor de Hádrons’. As partículas que irão sair dela, eu não posso prever agora”, disse ele. No entanto, Singhal admitiu que a vontade do Google está em construir um computador de Star Trek.

“Todos os aspectos da computação ou inteligencia artificial irão melhorar quando você tem essa infra-estrutura em casa”, disse Singhal, referindo-se ao gráfico conhecimento que o Google está construindo. “Você pode processar uma consulta ou pergunta muito melhor, e você estará a um passo para a construção do computador de Star Trek”, disse ele.

“Acredito que estamos lançando as bases para a robótica sobre como seria incorporar a linguagem para o futuro da interação homem-robô”, disse o executivo, que declara não ser especialista em robótica mas observa que existe um cruzamento de engenheiros mecânicos e de computação.

“A beleza da mente humana é que ela pode construir coisas e decidir de maneiras que não parecem ser possíveis, e eu acho que a melhor resposta que posso dar agora é que a mente humana poderia continuar criando conhecimento e vejo o que que estamos construindo em nosso gráfico conhecimento como uma ferramenta para auxiliar a criação de mais conhecimento. É um ciclo quantitativo interminável de criatividade”, finalizou.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Alexandre Campanha
    2012-02-16T00:57:01

    Uma matéria interessante, porém mal escrita e traduzida. Cheia de erros, complicando a compreensão. Merece uma revisão. [2]

  • Lucas Cruz
    2012-02-15T16:16:56

    Uma matéria interessante, porém mal escrita e traduzida. Cheia de erros, complicando a compreensão. Merece uma revisão.