Internet

19/04/2012 12h26 - Atualizado em 19/04/2012 12h40

Google Drive é um retrocesso na visão do próprio Google

Renê Fraga
por
Para o TechTudo

Se você acompanha o Google há bastante tempo, deve lembrar o marketing invejável que a empresa possuia em seus primeiros anos, algo tão grandioso que fazia seus utilizadores a imaginarem produtos fictícios e que poderiam dar a criação de Larry Page e Sergey Brin ainda mais ferramentas para a conquista do mundo.

Google Drive (Foto: Divulgação)Google Drive chegará mesmo? (Foto: Divulgação)

E foi assim que precederam muitos dos lançamentos como o Gmail, Android (quem não lembra do Google Phone?), Google Chrome (o aguardado Google Browser!), Chrome OS (discutido muitas vezes como um terminal gigantesco) e muitos outros produtos chegavam com grande expectativa dos entusiastas da tecnologia.

A empresa também entrou na brincadeira, nos anos de 2004 e 2008, ao levar ao público algumas ideias fantasiosas para o Dia da Mentira, permitindo extrapolar sua realidade e trazer anuncios de grande repercussão como a criação de uma Base Lunar e um empreendimento extraterrestre em Marte, pela Virgle, uma empresa que teria a parceira da Virgin.

No entanto, um produto nunca chegou a realmente ganhar sua existência, mesmo com todo o buzz feito pelos usuários e ex-funcionários que frequentemente declaravam que seu desenvolvimente realmente ocorreu nos bastidores. Este produto é o Google Drive, um aguardado local com armazenamento ilimitado onde seria possível guardar todos os seus arquivos online.

Conhecido internamente com o codenome de Google Playtipus ou Google Web Drive, o produto ganhou uma série de versões, aparições e muitos rumores de que estava sempre chegando na “boca do gol” para seu lançamento. No entanto, em 2007, um vídeo musical no YouTube dizia que o projeto havia sido cancelado após ser desenvolvido por 5 anos.

O produto será uma reviravolta nos conceitos e visão que a empresa procurava estabelecer para a Internet e a existência dos arquivos"
Renê Fraga

E isso realmente aconteceu, segundo o o livro In the Plex, do escritor Steven Levy. A decisão de não liberar o serviço veio de Sundar Pichai, hoje responsável pelo desenvolvimento do Google Chrome. Para o executivo, o GDrive não estava em linha com as estratégias de computação em nuvem do Google.

“Nós não precisamos do GDrive”, disse Pichai em uma reunião com o líder de desenvolvimento do produto, Bradley Horowitz. “Arquivos são tão 1990. Acredito que não precisaremos mais de arquivos”, afirmou. Com o desligamento do GDrive, a equipe de desenvolvimento teria sido direcionada totalmente para o projeto do Google Chrome.

E o que teria feito o Google voltar atrás? Provavelmente a necessidade de tornar o Google Docs mais dinâmico já que seu modelo atual não oferece qualquer facilidade, principalmente ao usuário padrão, para que este possa ter algum plano ou vontade de migrar seus arquivos para nuvem e restaurar em outros dispositivos.

Esses usuários muitas vezes recorrem a ferramentas específicas como o iCloud, Dropbox, Box.Net e soluções de backup automático como o Mozy. Isso inevitalmente prejudica a imagem dos produtos conectados a nuvem do Google já que os mesmos passam a ter funções inferiores e muitas vezes nada amigável, algo que não é comum na história da companhia.

Se o Google Drive realmente ganhar vida vida no próximo dia 24 de Abril, como revelou o blog The Next Web, o produto será uma reviravolta nos conceitos e visão que a empresa procurava estabelecer para a Internet e a existência dos arquivos. Por outro lado, se vimos o Chrome OS – nascido simplesmente para a web – ganhar desktop e papel de parede nas últimas semanas, difícil seria sustentar um ideal neste tempo de mudanças.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Lucas Kuhn
    2012-04-19T19:14:54

    E, realmente, com os pen drives, celulares, tablets, cartões de memória e etc, um serviço online pra tornar os arquivos portáteis é muito mais do que inútil. Não vai realmente adicionar nada à internet o Google Drive, se for como é noticiado por aqui.

  • Rayner Carvalho
    2012-05-09T01:25:23

    Nao gostei muito do Drive ainda, mas que o Docs é mais do que util, isso não a duvidas!

  • Michel Silva
    2012-04-23T16:59:05

    Quem acha o Docs inútil é porque não usa.

  • Marcio Viana
    2012-04-23T14:26:08

    Uso muito o Docs , aliás eu só não ... todos aqui em nossa micro empresa usamos e é muito útil. Se o drive for um docs melhor ... que seja muito bem vindo

  • Luiz Santos
    2012-04-22T14:02:24

    Lucas Kuhn, acho que voce está muito enganado. Talvez para pessoas que consideram o Orkut ''revolucionário'' o Docs deve ser mesmo uma porcaria. Mas empreendedores, pequenos empresários, universitários, prefeituras, bibliotecas e até governos, o Docs é um tremendo sucesso pelos seguintes motivos: 1- Elaboração de documentos, apresentaçoes, etc... de forma simultanea, ou seja, pessoas em várias partes do mundo pode contribuir ao mesmo tempo e analisar as mudanças em tempo real, evitando milhares envios de arquivos (pra la e pra ca) via email 2- Não temos que comprar uma cópia do Office

  • Filipe Bicca
    2012-04-20T08:22:56

    Se era um projeto antigo eu não sei, mas a Google é sempre predadora no mercado, sem vem tentando substituir serviços do mercado pagos por soluções totalmente gratuitas. CALMA, antes que você diga isto é ótimo para nós, reflita um pouco caso você fosse um desses empresários com um serviço inovador que vem dando certo, ai aparece uma empresa GIGANTE oferecendo o serviço de forma gratuita. Meio #tenso não.

  • Lucas Kuhn
    2012-04-19T19:12:06

    Google Drive tende a ser um serviço fantasma do Google, assim como o Docs, o Picasa e o Google +, que nunca mostraram muita funcionalidade e nem atraíram muitos usuários. Porquê? Porque não é uma idéia de vanguarda, como foi o Orkut há uma década atrás, ou o YouTube (que foi fundado e depois comprado pela Google), é apenas uma repetição de idéias antigas e que, quem realmente precisa delas, já arranjou uma solução. Assim como o Google + repetiu o facebook, levemente alterado, o Drive é uma repetição do finado Megaupload, só que para uso próprio (aliás, como era o MU, para alguns).

  • Sara Carvalho
    2012-04-19T15:06:51

    Sustentar um ideal realmente é díficil mas é preciso manter o foco mesmo uma solução simples pode ganhar proporções imensas,acredito que é uma tendência não precisarmos mais de arquivos,e como já existem HDsVirtuais ,externos seria mais interessante desenvolver soluções inovadoras.