Internet

18/06/2012 19h33 - Atualizado em 18/06/2012 19h41

ONG promove cultura digital em comunidades ribeirinhas da Amazônia

Nick Ellis
por
De Santarém, PA

Há 22 anos trabalhando com comunidades ribeirinhas da Amazônia, a ONG Saúde e Alegria estimula a preservação da floresta, ajudando moradores a obterem renda com alternativas como o artesanato e o turismo. Na sede da ONG, em Santarém, foi instalado o Pontão de Cultura Digital do Tapajós, em uma parceria com o projeto Puraquê. No local acontecem oficinas de animação, arte, reciclagem e a criação de sites e blogs.

Sala de atendimento no barco Abaré (Foto: Nick Ellis/TechTudo)Sala de atendimento no barco Abaré (Foto: Nick Ellis/TechTudo)

O responsável pela inclusão digital na ONG, Paulo Lima, mostra como os moradores das comunidades estão usando a tecnologia para ter um pronto atendimento: "Os habitantes usam os smartphones para situações de emergência, como problemas de saúde, acionando as ambulanchas, as lanchas que funcionam como ambulâncias." Visitando a comunidade de Suruacá e a cidade de Belterra, é possível perceber na prática qual é o impacto destas ações, que estão ajudando a mudar a realidade da região.

Em 2006, foi inaugurado o navio hospital Abaré, uma iniciativa da Saúde e Alegria planejada para levar o atendimento até áreas onde o Sistema Único de Saúde (SUS) não conseguia chegar. O médico Fábio Tozzi, que trabalha com o projeto desde o ínicio, conta que 80% dos médicos do Pará ficam na capital, onde vivem 20% da população do estado. "Na maior parte da região rural temos uma média de um médico para 4.500 habitantes, o que é muito pouco", explica.

Antena e amplificador do barco hospital Abaré (Foto: Nick Ellis/TechTudo)Antena e amplificador do barco hospital Abaré (Foto: Nick Ellis/TechTudo)

Além de oferecer assistência médica e odontológica, o Abaré também conta com antena e amplificador e, quando chega em uma comunidade sem conexão, pode direcionar sua antena para a estação radiobase mais próxima, trazendo conectividade 3G para as áreas ainda não cobertas pelo sinal. Fundador da ONG Saúde e Alegria, Caetano Scannavino conta que o projeto, que começou com a iniciativa privada, acabou se tornando a política pública para a Amazônia e também para o Pantanal. Com estas iniciativas, a vida dos ribeirinhos ficou muito mais fácil. "Um smartphone representa um verdadeiro milagre para estas comunidades", conta Caetano.

Além da atenção com a cultura e renda das comundidades, a ONG realiza várias ações na área de saúde, promovendo a instalação poços semi-artesianos para que os moradores possam receber água potável nas suas próprias casas, o que tem diminuído radicalmente o índice de mortalidade.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Robert Schmitt
    2013-01-23T11:37:44

    Fantástico trabalho da ONG Saúde e Alegria. Iniciativas simples e inteligentes que ajudam a quem nao tem o mínimo de condições e apoio por parte do governo. Saúde e Educação sempre foi a frase preferida dos políticos na hora de angariar votos, mas a mesma se torna a menos importante na hora de mostrar serviço. Parabens a ONG Saude e Alegria por mostrar que existe gente que faz acontecer.