Internet

25/06/2012 08h51 - Atualizado em 25/06/2012 08h53

Websérie brasileira de sucesso no YouTube estreia na TV

Gabriela Viana
por
Da redação

A websérie “Quero ser Solteira”, da atriz Claudia Sardinha, vai estrear na TV em outubro deste ano. Criada para servir de projeto experimental de conclusão do curso de Cinema, o seriado atingiu o grande público e despertou o interesse do canal Multishow.

As aventuras de Nina e Leozinho saíram da Internet e estreiam no Multishow em outubro (Foto: Divulgação)As aventuras de Nina e Leozinho saíram da Internet e estreiam no Multishow em outubro (Foto: Divulgação)

A série conta a história de Nina (Claudia), uma mulher que quer ser solteira e, por mais que sempre esteja envolvida com alguém, sempre dá um jeito de correr do compromisso com a ajuda do amigo Leozinho (Felipe Cabral).

O “Quero ser solteira” para a TV não será uma continuação do que já existe na Internet. A ideia agora é mostrar como a vida de Nina e Leozinho está dois anos depois do início da série. “Será algo mais maduro, sem perder o que conquistamos nos tempos de websérie”, explica Claudia.

Com cerca de 50 pessoas envolvidas no projeto, a série foi feita por amigos de Claudia e teve como cenário a sala de estar da casa dos pais dela – os primeiros investidores do projeto. “Filmávamos às sextas-feiras à noite, além de 12 horas aos sábados e domingos. Ao todo foram 12 dias para filmar a série. Além dos meus pais terem permitido que eu usasse nossa casa como locação, eles me ajudaram com apoio financeiro e emocional, pois foram muitas horas de dedicação exclusiva a série ”, afirma.

O canal da websérie no YouTube teve mais de 455585 acessos (Foto: Divulgação)O canal da websérie no YouTube teve mais de 42 mil visualizações (Foto: Divulgação)

Com o projeto pronto, Sardinha percebeu que tinha em mãos um conteúdo muito melhor do que esperava. Foi então que lançou o domínio da websérie, transformando o projeto de formatura em profissão. “A série era de baixo orçamento e eu não tinha recursos para investir em divulgação, então optei por postá-los no YouTube e colocar o link no site da série”, afirma Claudia.

Outros sucessos da Internet que vão para a TV

Além do “Quero ser solteira”, outros sucessos do YouTube vêm buscando seu espaço nas grades de programação dos canais de TV. É o caso das webséries “3%” e “Lado Nix”. “Temos mais nove episódios de meia hora escritos, aguardando o sinal verde de produção de alguma emissora de TV. Realizar o '3%' é uma experiência profundamente gratificante”, diz o produtor de "3%", Jotagá Crema.

"Lado Nix" e "3%" estão negociando com emissoras de TV (Foto: Divulgação)"Lado Nix" e "3%" estão negociando com
emissoras de TV (Foto: Divulgação)

O roteirista e diretor do "Lado Nix", Paulo Mavu, também afirma que a segunda temporada pode ser exibida pela TV. “Recebemos diariamente no site do "Lado Nix" diversos e-mails de fãs ansiosos por novos episódios. Temos a intenção de lançar a segunda temporada o mais breve possível, mas ainda estamos atrás de interessados para financiar a produção, e quem sabe levar o produto para a TV”, afirma.

TV vs. YouTube

Enquanto a televisão engatinha na forma de interagir com o público-alvo – por meio das redes sociais –, as webséries permitem o contato direto com a produção dos programas. Os comentários e os cliques em “não gostei” e “gostei” servem como termômetros de audiência para os responsáveis pelas séries saberem se o conteúdo está agradando ou não os espectadores.

A nova tecnologia das SmartTVs também pode vir a diminuir o contato do espectador com a programação da televisão, tudo por causa da integração com a Internet e, logo, ao próprio YouTube, que se torna um concorrente direto dos principais canais da TV.

No entanto, para o vlogueiro Felipe Neto, dono de um dos canais mais visitados do YouTube no Brasil – o "Não Faz Sentido" – e integrante do "Parafernalha", não há motivo para se preocupar com uma substituição de veículos. “Estamos criando conteúdo como uma alternativa, mas nada indica que um veículo necessariamente substituirá o outro. Afinal, mesmo depois de toda a tecnologia criada, ainda temos jornais, revistas, canais de TV, jornais, etc. Além do mais, TV e Internet podem e provavelmente se tornarão ainda mais integradas”, afirma.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Jose Mey
    2012-06-27T11:48:48

    Acho importante saber onde o consumidor gasta o tempo de entreterimento em casa. Que a internet já substituiu a tv é fato, há muito para mim. Mal ligo a tv hj e quando vou ver noticiários, é tudo velho... Gosto de comentar matérias que me agradam e desagradam. Na tv, não existe isso!! .

  • Mitchell Symington
    2012-06-26T18:14:56

    Perdi meu precioso tempo lendo isso...²

  • Dilson Fernandes
    2012-06-26T06:54:31

    Perdi meu precioso tempo lendo isso...