Internet

06/07/2012 07h00 - Atualizado em 12/02/2016 13h50

'Brasileiros gostam de coisas diferentes', diz diretor da Netflix

Nick Ellis
por
Da redação

A primeira palavra usada por Jonathan Friedland, CCO (Chief Communications Officer) do Netflix, para descrever o mercado no Brasil foi “desafiador”. Em uma conversa franca com o TechTudo, Friedland falou sobre o primeiro ano da empresa no Brasil, as adaptações de conteúdo que tiveram que ser feitas para o nosso mercado e o futuro da computação na nuvem.

Jonathan Friedland, CCO da Netflix (Foto: Nick Ellis)Jonathan Friedland, CCO da Netflix (Foto: Nick Ellis)

Segundo o CCO, o Netflix tem procurado adaptar seu conteúdo para agradar o público brasileiro. Para ele, 80% do conteúdo servido pela plataforma é o mesmo, seja nos Estados Unidos, na Europa ou no Brasil. “Brasileiros gostam de coisas diferentes, como UFC e comédias estilo <i>stand-up, </i>ao mesmo tempo em que detestam as novelas produzidas em outros países da América Latina”, explica.

Para Friedland, em cada novo mercado, são encontrados novos desafios. E hoje em dia, o mundo de transmissões via streaming é bastante semelhante ao de redes de TVs, basicamente fazendo licenciamento de conteúdo. "A maioria dos consumidores do Netflix são jovens, e procuramos agradar a este público.”

<b>Qualidade do Serviço no Brasil e nos Estados Unidos</b>

E um dos chefões da Netflix não fugiu à pergunta que todos fizeram quando o serviço estreou por aqui: por que o serviço era tão limitado? Jonathan conta que no começo, a qualidade dos vídeos era realmente muito fraca. "Hoje em dia isso depende da banda disponível. A Netflix oferece três ajustes de qualidade, que podem ser selecionados de acordo com a velocidade da conexão", explica.

E isso faz todo sentido, se levarmos em consideração que o sistema usa a tecnologia <i>Adaptive Screening</i> para calcular a qualidade necessária de acordo com o uso de banda dos consumidores, ajustando e compensando constantemente a qualidade da imagem que está sendo exibida.  Se o seu irmão liga o Playstation 3 no quarto e começa a jogar em rede, a tecnologia calcula qual é a banda disponível e faz o ajuste no vídeo ou filme.

A qualidade da banda larga no Brasil é um problema para a Netflix. Segundo Jonathan, “no Brasil, as operadoras cobram por uma velocidade, mas não entregam o combinado aos consumidores, e isto é uma barreira para o progresso do país. Se você impede o crescimento e o progresso ao impor limites, isto não traz nenhum benefício para os consumidores.”

Temos a tecnologia para entregar uma experiência muito melhor do que o YouTube, usando a mesma banda"

Nos Estados Unidos, a Netflix está presente em 35% das residências. O custo da infraestrutura continua caindo, mas as operadoras não reduzem seus custos. “Seria possível colocar todo o conteúdo do Netflix em uma única fibra óptica”, completa Jonathan. 

Voltando a falar sobre o serviço da Netflix no Brasil, Jonathan admite que a experiência não é a ideal, mas é suficiente para que os usuários consigam assistir aos programas e filmes. “A qualidade do nosso serviço não é ruim, mas ainda não é tão boa quanto poderia ser. Temos a tecnologia para entregar uma experiência muito melhor do que o YouTube, usando a mesma banda”.

Ele também lembra que os servidores Cloud ficam todos nos Estados Unidos, e embora a Amazon e outras empresas estejam construindo outros servidores em outros países (incluindo no Brasil), tudo é muito novo, e muita coisa ainda precisa ser testada.

<b>Produção de séries</b>

A Netflix está apostando na produção de conteúdo para seus assinantes, tudo baseado em muitas pesquisas de mercado. Ao perceber o sucesso que séries como Breaking Bad, Mad Men, Weeds, Lost e Battlestar Galáctica fazem no serviço, a empresa notou que seria interessante apostar na produção de séries dramáticas. 

A série Arrested Development está há mais de 5 anos fora do ar, mas ainda continua a fazer um imenso sucesso entre os assinantes do serviço. A empresa resolveu então juntar todo o elenco original para a produção de mais 10 episódios, que serão exibidos com exclusividade na Netflix. A Netflix não está realmente produzindo as séries, mas tem feito contratos de investimentos com estúdios, que entregam os programas para serem exibidos no serviço.

Em um futuro próximo, a TV aberta só irá produzir reality shows, programas de notícias e de esportes"

Para Jonathan, em um futuro próximo, a TV aberta só irá produzir reality shows, programas de notícias e de esportes, além de programas de jogos como American Idol. O espaço para séries dramáticas está sumindo da TV aberta. A TV fechada ainda produz excelentes programas, mas a tendência é que isto seja feito no futuro por canais de transmissão de vídeo em streaming.

Além de Arrested Development, a primeira das séries é Lillyhammer, protagonizada por Steve Van Zandt, guitarrista da E-Street Band de Bruce Springsteen, e ator da série Os Sopranos.  A série tem uma peculiaridade, ela tem 60% do áudio falado em norueguês, o que praticamente impediria a sua exibição em qualquer canal nos Estados Unidos, país  no qual as pessoas não gostam de assistir a filmes e séries legendadas.

“Empresas de TV fechada gastam 10 milhões de dólares em um episódio, e precisam gastar mais 10 milhões apenas com a publicidade.” Conta Jonathan. “No cinema é a mesma coisa, um filme que custou US$ 100 milhões vai precisar do mesmo valor para ser divulgado. Com o Netflix, não precisamos gastar com publicidade, basta mostrar o conteúdo para nossos assinantes e aguardar o resultado.”

Entre as próximas apostas da Netflix estão a série House of Cards, o remake de uma série inglesa, que está sendo produzida pelo cineasta David Fincher, e terá episódios dirigidos pelo próprio Fincher e Joel Schumacher; a série Hemlock Grove do diretor Eli Roth, com Famke Janssen (X-men), uma série pesada, com temática dark, que terá 13 episódios; e Orange is the New Black, nova série da criadora de Weeds.  “Pretendemos continuar adicionando mais conteúdo, além de investir em séries com bons roteiristas, diretores e atores, dando a liberdade para que produzam um conteúdo de qualidade”, diz Jonathan Friedland.

E, para encerrar a conversa, o CCO da Netflix revela seu lado idealista, em um universo cultural complexo que preza muito pouco pela democracia e pela pluralidade: “Queremos que as pessoas tenham a oportunidade para assistir o que quiserem, na hora em que quiserem.”

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Samanta Silva
    2012-11-20T15:14:19

    Brasileiros gostam de coisas diferentes sim, por isso eu acho um ABSURDO disponibilizar somente uma forma de pagamento. Cade paypal, pagseguro, moip, pagamento digital, mercado pago, TEF, etc..??? NA MINHA OPNIÃO É MUITA FALTA DE VISÃO COMERCIAL... ESTAMOS NO SECULO XXI. ACORDA Friedland.

  • Nilton Silva
    2012-08-05T12:07:21

    Na boa!!! Uso netflix na Florida..e penso da mesma forma que o colega abaixo.. " So tem filmes velhos" ..Estou pagando quase 20 dolares mensal sem usar... Os melhores filmes estao sempre blokeados..apenas p/ add Nunca disponiveis... Estou desgostando desse site.. quase retornando ao velho e costumeiro metodo de " compra de dvd " E' um saco vc pagar algo e nao poder usa-lo...Filmes velhos que passaram mil vezes repetidas vezes na tv...Quero filmes novos..aventuras, acao..quero mais filmes brasileiros tbm..Poxa!!! To quase chutando o balde...

  • Luciano C
    2012-07-07T07:40:13

    Deveriam disponibilizar outras opções de pagamento, como por exemplo boleto bancário ou mesmo Paypal, Pagseguro e etc. Mas parece que ninguém inova nesta parte, eles querem ter o controle de nossa conta a todo custo.

  • Rafael Marques
    2012-07-06T14:30:02

    Não precisa ser tão diferente basta deixar assinar com outros tipos de cartões de crédito. Sistema Travado.

  • Cloud Strfe
    2012-07-06T12:50:22

    Prefiro conectar o cabo da internet direto na TV, e acesar de graça

  • Antonio Couto
    2012-07-06T11:47:55

    eu acho muito bom... assinei assim que liberou no Brasil e não me arrependo!!!!

  • Marcio Martins
    2012-07-06T11:33:35

    To pagando a netflix a mais de um mês sem usar só aguardando The walking dead. Não tenho saco pra ficar baixando episodio no pirate bay e menos saco pra ficar vendo com propagandas na tv... 15 merreis por mes é muito suave... um nº 2 no mac!

  • Jose Lopes
    2012-07-06T11:26:59

    Se coisa diferente pra ele é ser enganado está no caminho certo pois houve enxurrada de gente que assinou este serviço e foi debitado indevidamente no cartão de crédito. Alias voce forçar alguém a botar um cartão de credito em um site pra ter direito a 1 mês 'gratis' é ridiculo, o certo seria já de cara voce possuir outros meios de pagamento. Ninguém é obrigado a ter cartão de credito.

  • Nelmar Sampaio
    2012-07-06T15:04:54  

    Só filme velho, Netflix, Hbo, Telecine td a mesma coisa!

    recentes

    populares

    • Nelmar Sampaio
      2012-07-06T15:04:54  

      Quer filme novo? Vai no cinema, ou na locadora oras.. é cada uma...

  • Marcio Viana
    2012-07-06T12:06:49  

    Assinei NETFLIX mas estou pensando em congelar minha assinatura por um tempo. Motivos: não tem aplicativo pra roda em minha TV Philips 53´ não roda em meu home cinema samsung não roda no meu desktop Ubuntu Linux

    recentes

    populares

    • Marcio Viana
      2012-07-06T12:06:49  

      também desisti pelos mesmos motivos..