Internet

30/10/2012 09h23 - Atualizado em 31/10/2012 10h22

Viajando online, a relação das companhias aéreas com as mídias sociais

André Fran
por
Para o TechTudo

Não vou entrar no mérito da questão e ficar analisando se o surgimento, desenvolvimento e a popularização da Internet (sobretudo a Internet móvel) colaboram ou não com o emburrecimento da população. Até concordo um pouco com a teoria, eu mesmo diminuí drasticamente o número de livros/ano depois que passei a ter meu iPhone como companheiro para os momentos solitários. Mas não cairei nesse debate. Não, agora.

Fato é que estamos, eu e vocês, sim, usando muito mais a Internet, o celular conectado e, sempre elas, as mídias sociais. Com isso, utilizando apenas eu mesmo como amostragem de minhas próprias teorias, percebi que os únicos momentos em que permaneço sozinho com meus pensamentos, quando tenho ideias, epifanias e conclusões psicológicas pessoais é quando estou no banho ou no avião. Mas mesmo esses momentos estão rareando. Os banhos ficaram mais curtos por conta do dever ecológico, e os voos…bem, os voos estão cada vez mais “nerd friendly”.

Já seguiu o TechTudo no Instagram? Procure nosso perfil: @techtudo_oficial

Minha alegria e a de meus companheiros ao descobrir que nosso voo tinha Wi-Fi! (Foto: Divulgação)Minha alegria e a de meus companheiros ao saber do Wi-Fi em nosso voo! (Foto: Instagram @andrefran)

Pesquisas indicam que os principais clientes de empresas aéreas são grandes usuários de mídias sociais. Os primeiros sinais devem ter aparecido quando se percebeu que a maior parte das reservas estava sendo feita online. Então, seguindo a cartilha do profissional de marketing, pesquisas foram encomendadas e os resultados surpreenderam. Entre o povo que viaja mais de cinco vezes ao ano, o Facebook (sempre ele) predomina. Seguido pelo YouTube (distração fugaz nas salas de embarque, provavelmente) e depois o LinkedIn (contatos profissionais ao alcance de um toque). O Twitter, para minha surpresa, fica em um longínquo 4º lugar, seguido de perto pelo superútil em viagens, Trip Advisor.

Unindo o útil ao agradável, sobretudo para as equipes de marketing das companhias aéreas, esses viajantes não raro se relacionam com suas empresas de viagem favoritas na Internet. Mais de 65% dos “frequent flyers” curte a página oficial no Facebook ou segue no Twitter pelo menos uma dessas empresas. Algumas marcas mais antenadas já perceberam que o poder de influência de uma crítica ou elogio na rede vale mais do que uma campanha publicitária milionária. A mesma pesquisa mostra que ler sobre experiências de viagem positivas na grande rede influencia mais a decisão de compra do que promoções ou a possibilidade de ganhar milhas.

Resultado: hoje temos 191 companhias aéreas no Twitter (4 anos) contra apenas 179 com programas de fidelidade (30 anos). Perguntados se, hoje em dia, preferiam um programa de milhagem baseado em voos ou nas redes sociais, 72% ficou com a segunda opção. E as opções de recompensa (ganho de milhas) que não sejam voando são bem mais simples e variadas, as preferidas: check-in no Foursquare, feedback positivo no Facebook, hashtag no Twitter e por aí vai.

O que veio a seguir foi o mais legal! Uma corrida louca das companhias aéreas para capitalizar em cima desse imenso filão. E nessa seara onde somas vultuosas podem ser reduzidas a pó e pequenas iniciativas criativas podem viralizar arrebanhando uma legião de seguidores apaixonados e fiéis a marca. Em um país que tem no sangue o entretenimento e a publicidade, as companhias aéreas americanas saíram na frente. A Delta Airlines focou em ir de encontro ao usuário e se tornou a primeira empresa a permitir que se faça reserva no Facebook. Além disso, alocou 12 funcionários para cuidar de seu Twitter oficial 24/7. A JetBlue fez o simples e agradou: ofereceu Wi-Fi grátis no terminal 5 do JFK (NY). A Southwest Airlines criou uma webserie tão boa que virou febre até para quem não viaja de avião. A United Airlines, ainda em pânico com o “sucesso” de "United Breaks Guitars” (um cliente teve sua guitarra quebrada durante um voo e fez um videoclipe relatando o caso, que teve mais de 10 milhões de acessos no YouTube e fez com que as ações da empresa caíssem 10%) tratou de apelar para promoções. Mas até hoje não se refez do impacto negativo e tem os piores números na Internet.

Em outros países, algumas ações bem legais se destacam. A British Airways criou um programa de fidelidade/caridade em sua página no Facebook. A Air New Zealand oferece acesso ao lounge para seus “prefeitos” no Foursquare. Mas ninguém supera a Virgin Airlines! Sempre pensando fora da caixa e indo muito além do óbvio em ações de marketing, o gênio criativo Richard Branson simplesmente batizou um dos aviões de sua frota com uma hashtag. O #nerdbird foi Trending Topics mundial no dia de seu lançamento! Como se não bastasse, o vídeo de um flashmob protagonizado pelas belas dançarinas do rapper Kanye West em um dos aviões da companhia virou um dos virais mais bem sucedidos no YouTube esse ano. Dizem que não foi nada por acaso, mas uma ação extremamente bem sacada do marketing da Virgin (as logos da empresa o tempo todo focadas no vídeo parecem comprovar a teoria). Ponto pra eles!

Avião conhecido pela hashtag #nerdbird (Foto: Reprodução)Avião conhecido pela hashtag #nerdbird (Foto: Instagram @andrefran)

Tudo indica que o entretenimento tradicional de viagem tem uma luta para lá de inglória pela frente. E, agora que cada vez mais aeronaves e trajetos permitem conexão Wi-Fi durante o voo, parece que a última barreira foi quebrada. Ah, e o último item desta pesquisa mostra que, nesses voos com Internet, o site mais visitado é o Facebook.

Siga as viagens de André Fran no Twitter @franontheroad

Tem alguma dúvida de tecnologia? Entre no Fórum do TechTudo! 

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Fora Lei
    2012-10-30T22:36:50

    Isso que é inovação.... de onde vem o sinal?