Por Clara Barreto, para o TechTudo


O aplicativo Yubo vem causando polêmica em diversas partes de mundo, inclusive no Brasil. O app, que está sendo chamado em diversos sites de "Tinder para crianças", tem como slogan "make new friends" (faça novos amigos, em português). Disponível para celular Android e iPhone (iOS), o Yubo funciona exatamente como o Tinder, aplicativo de relacionamento voltado para jovens e adultos.

Ou seja, o usuário curte ou não os perfis de pessoas que estão em localidades próximas. Se a pessoa que você gostou também der um "like", vocês combinam e viram "amigos". Uma das postagens que está sendo compartilhada sobre o assunto diz que "Nada no planeta vai ser mais perigoso que esse app [para crianças]". Entenda a seguir a polêmica e os possíveis riscos do aplicativo.

As três abas do Yubo, na conta teste feita para a matéria — Foto: Reprodução/Clara Barreto As três abas do Yubo, na conta teste feita para a matéria — Foto: Reprodução/Clara Barreto

As três abas do Yubo, na conta teste feita para a matéria — Foto: Reprodução/Clara Barreto

O Yubo se descreve como voltado para crianças e adolescentes maiores de 13 anos — idade que não é aceita no Tinder. Segundo as regras da empresa por trás do aplicativo, usuários entre 13 e 17 anos ficam em um grupo à parte dos adultos, e precisam confirmar que têm a permissão de um responsável para usar a rede social. Porém, em testes feitos ao escrever esta matéria, nenhuma mensagem de aviso foi exibida ao se inscrever como menor de idade e, de forma bem rápida, conseguimos acessar o aplicativo.

A única parte em que há alguns alertas mais destacados é nos termos de uso, que aparecem ao final do cadastro. No entanto, tudo está inglês, assim como o resto do aplicativo. Além disso, o Yubo permite adicionar os amigos no Snapchat, fazer streaming, enviar fotos, vídeos, etc.

Termos de uso do Yubo — Foto: Reprodução/Clara Barreto Termos de uso do Yubo — Foto: Reprodução/Clara Barreto

Termos de uso do Yubo — Foto: Reprodução/Clara Barreto

Por motivos como estes, pais e autoridades questionam a segurança do aplicativo com medo de que qualquer pessoa com más intenções (como pedófilos, por exemplo) possa se passar por adolescente e causar algum mal aos usuários menores de idade. Uma escola de Cornwall, na Inglaterra, enviou um e-mail para os responsáveis alertando-os da grande quantidade de alunos inscritos no app, que poderia ser usado por "criminosos sexuais para atingir jovens". Em diversas outras partes do Reino Unido, a polícia e a NSPCC (Sociedade Nacional para a Prevenção da Crueldade contra Crianças) advertiram sobre a segurança das crianças que usam o Yubo.

Nos Estados Unidos, a polícia da cidade de Lenexa, no Kansas, fez uma postagem em seu Facebook, no ano passado, alertando sobre os perigos propiciados pelo aplicativo (que, à época, ainda se chamada Yellow): "O Yellow usa tecnologia de localização para encontrar outros usuários nas proximidades, portanto, qualquer pessoa que deseje se inscrever deve ativar sua localização no dispositivo. Isso traz riscos óbvios para jovens que compartilham sua localização online".

Parte da postagem da polícia de Lenexa, nos Estados Unidos — Foto: Reprodução/Facebook Lenexa Police Department Parte da postagem da polícia de Lenexa, nos Estados Unidos — Foto: Reprodução/Facebook Lenexa Police Department

Parte da postagem da polícia de Lenexa, nos Estados Unidos — Foto: Reprodução/Facebook Lenexa Police Department

No Brasil, as postagens vêm sendo compartilhadas por pais que descobriram recentemente a rede social. Uma delas diz: "Tem filh@ com celular? Vai lá e checa se ele tem o Yubo instalado (antigo Yellow). Nada no planeta vai ser mais perigoso que esse App. Aliciadores, pedófilos, redes criminosas, traficantes, golpistas...".

Com tantas preocupações levantadas, o Yubo se juntou recentemente ao esquema de mídia "eSafety Commissioner’s Tier 1", da Austrália, que tem como objetivo resolver questões de ciberbullying e coibi-las no país. A parceria permite que, caso a empresa não atue dentro de 48 horas em casos de bullying, o eSafety Commissioner (Comissário de Segurança Eletrônica) tenha liberdade para atuar no caso e remover os conteúdos que atingirem as crianças. Além do Yubo, a plataforma social e de jogos Roblox também entrou na parceria.

Controle parental

Seja no Yubo ou em qualquer rede social ou aplicativo que envolva conhecer outras pessoas (como jogos, por exemplo), é importante que os pais controlem a atividade de seus filhos crianças e adolescentes na Internet.. Isso pode ser feito de várias maneiras.

O site do Yubo possui um guia para pais e responsáveis, em que explica como o aplicativo funciona e como reportar qualquer mensagem ou usuário estranho. A rede social ainda ensina um passo a passo de como o responsável deve proceder com seus filhos: conversar sobre o porquê de gostarem do Yubo e de outros sites e aplicativos; encorajar a ser tão respeitoso no virtual quanto na vida real; e tranquilizar, dizendo que não estão sozinhos e que podem contar com seus pais caso estejam preocupados com algo.

Parte do Guia para Pais do Yubo — Foto: Reprodução/Yubo Parents Guide Parte do Guia para Pais do Yubo — Foto: Reprodução/Yubo Parents Guide

Parte do Guia para Pais do Yubo — Foto: Reprodução/Yubo Parents Guide

O site do aplicativo também disponibiliza um guia para crianças e adolescentes. Ele ensina como usar o Yubo de maneira segura, respeitando os outros usuários e sendo honesto quanto às informações dadas ao app (como fotos originais, idade correta, etc). Yubo também explica como se proteger na rede social, indicando o que fazer ao se sentirem incomodados ou sofrerem algum tipo de bullying. O guia conta com uma explicação do conceito de bullying e como reportar usuários estranhos. Assim como tudo relacionado ao Yubo, as informações estão todas em inglês.

Parte do guia para os usuários entre 13-17 anos — Foto: Reprodução/Yubo Teens Guide Parte do guia para os usuários entre 13-17 anos — Foto: Reprodução/Yubo Teens Guide

Parte do guia para os usuários entre 13-17 anos — Foto: Reprodução/Yubo Teens Guide

Existem outras maneiras de proteger os menores quando usarem a Internet, como com a plataforma Kaspersky Safe Kids e os aplicativos Kids Zone, Kids Place, Pumpic e Kid's Shell. Esses programas permitem que os pais definam o que a criança pode acessar pelo computador ou celular, restringindo diversos conteúdos e/ou sendo alertados do envio de imagens, vídeos, etc. Além disso, diversos serviços possuem controle parental próprio, como a Netflix, o Windows 10, o PlayStation (3 e 4), o YouTube Kids, entre outros.

MAIS DO TechTudo