16/12/2013 06h30 - Atualizado em 17/12/2013 14h56

Como funcionam os sensores de proximidade

Paulo Alves
por
Para o TechTudo

Presentes em sensores de estacionamento, portas automáticas, sistemas de segurança e smartphones, entre outros equipamentos, os sensores de proximidade são dispositivos que identificam a presença e a distância de um objeto nos arredores sem a necessidade de contato direto e acionam um circuito elétrico que ativa um mecanismo – um alarme sonoro, o movimento de uma porta ou o display de um celular, por exemplo.

Sensor portátil detecta problemas em casa e envia alerta para celular do dono

Sensores de proximidade, como os presentes em smartphones, detectam a presença de objetos sem contato direto (Foto: Reprodução/The Code Artist) (Foto: Sensores de proximidade, como os presentes em smartphones, detectam a presença de objetos sem contato direto (Foto: Reprodução/The Code Artist))Sensores de proximidade, como os presentes em smartphones, detectam a presença de objetos sem contato direto (Foto: Reprodução/The Code Artist)


O modo de funcionamento de um sensor desse tipo depende do seu propósito e do material que deve ser detectado, e se separa em quatro tipos principais: infravermelho, acústico, capacitivo e indutivo.

Veja como cada uma das tecnologias trabalha.

- Sensor infravermelho

O princípio desse tipo de sensor de proximidade se baseia na detecção de objetos a partir de reflexão de raios de luz infravermelha. Um equipamento com esse sensor emite luz invisível e, quando um objeto entra em seu raio de alcance, o dispositivo mede os fótons – partículas de luz – que foram defletidos pelo material “invasor”, acionando, assim, um circuito elétrico.

Sensor de movimento por infravermelho (Foto: pond5)Sensor de movimento por infravermelho (Foto: pond5)


O sensor consegue, então, por meio da luz refletida pelo objeto, medir sua distância por meio de cálculo de frequência do sinal recebido. O problema com essa tecnologia é que pode ser facilmente interferida por outras fontes de luz ao redor, diminuindo sua precisão – porém há modelos mais avançados que modulam a luz em uma frequência específica, diminuindo a interferência de luzes de fundo.

Um exemplo de uso desse tipo de sensor é em smartphones, portas automáticas ou sistemas de segurança de lojas, que emitem um alarme sonoro quando um produto passa pelo detector com o lacre de segurança.

- Sensor acústico

Esse tipo de sensor, como o nome indica, funciona por meio de som. Seu princípio de funcionamento é o mesmo do infravermelho, mas, ao invés de fótons, o equipamento emite e percebe diferentes frequências de ondas sonoras no ar.


Sensores de estacionamento em carros usam sensor do tipo acústico (Foto: Reprodução/Parking Dynamics) (Foto: Sensores de estacionamento em carros usam sensor do tipo acústico (Foto: Reprodução/Parking Dynamics))Sensores de estacionamento em carros usam sensor do tipo acústico (Foto: Reprodução/Parking Dynamics)


Ele emite várias ondas inaudíveis e detecta o eco provocado pela obstrução de um corpo estranho, de maneira similar a um sonar. Se você tem um carro com sensor de estacionamento, já usou um sensor de proximidade desse tipo.

- Sensor capacitivo

Sensores capacitivos têm um modo de funcionamento diferente dos demais, pois utiliza o princípio dos capacitores para detectar a presença de objetos próximos. Uma placa é ligada a um oscilador de radiofrequência que detecta alterações em um capacitor formado pelo objeto externo (segundo polo) e o ar (dielétrico). Quando há variação na distância entre o objeto e a placa, a capacitância do sistema muda, fazendo o oscilador emitir um sinal para o mecanismo.

A grande vantagem desse tipo de sensor é sua versatilidade quanto a variedade de materiais que pode identificar, como papel, madeira, plástico, vidro e até líquidos, pois eles todos interferem na capacidade do sistema de guardar energia elétrica.

- Sensor indutivo

Sensores de proximidade desse tipo usam campos magnéticos para detectarem a presença de objetos. Um circuito elétrico é ligado a uma bobina que sofre influência do campo magnético. A partir do momento em que um objeto entra no campo, a corrente na bobina muda e o circuito é aberto ou fechado, dependendo do propósito do sistema.

Esse tipo de sensor de proximidade tende a ser mais sensível a objetos condutores de energia elétrica, e é mais encontrado em fábricas, em controles de robôs e braços mecânicos no processo de produção.

É possível monitorar sua casa através do iPad ou iPhone? Veja as opiniões no Fórum do TechTudo



Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Gerson Junior
    2017-07-01T14:44:24

    Não basta ter senso de humor. Tem que ter sensor...

  • Gérri Santoss
    2014-12-05T12:13:11

    Só vejo uma desvantagem nestes sensores de presença modernos .eles desligam uma lâmpada (por exemplo)se não detectarem movimento no espaço em que estiver instalado , ou seja ,se você tiver um destes instalado num escritório por exemplo , não vai dar certo porque só vai manter uma lâmpada acesa enquanto você não estiver sentado na cadeira .

  • Marco Rodrigues
    2013-12-16T10:59:29  

    O interessante é que assuntos que necessitam um maior nível de raciocínio e inteligência das pessoas jamais são comentados. Viva o Brasil!

    recentes

    populares

    • Marco Rodrigues
      2013-12-16T10:59:29  

      Brasileiro so sabe arrumar briga c fanboys pelo jeito... lamentavel

    recentes

    populares

    • Marco Rodrigues
      2013-12-16T10:59:29  

      E precisa de alto nível de raciocínio pra entender isso?

  • Fabio Bonetti
    2013-12-16T14:21:57

    legal

  • Valdinei Santos
    2013-12-16T11:34:33

    Bacana a explicação e a comparação entre os dispositivos.