Por Luana Marfim, Para o TechTudo

email facebook googleplus pinterest twitter whatsapp

A igualdade de gênero e o assédio sexual são assuntos em voga. Uma pesquisa recente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, aponta que a cada 11 minutos uma mulher é violentada no Brasil. Estatisticamente, mulheres ganham menos, são frequentemente silenciadas por homens em ambientes coorporativos, sofrem violência doméstica e são julgadas pelo que vestem. Tudo isso têm sido quantificado e relatado por pesquisas de órgãos como Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada), IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e OMS (Organização Mundial da Saúde).

Buscando dimunir estatíticas como essas, diversas iniciativas online foram criadas, que vão de mapas colaborativos para identificar locais onde há mais assédio, até redes que ligam terapeutas à mulheres vítimas de estupro. Os serviços oferecidos são muitos, entre sites e aplicativos para celular. O Mapa do acolhimento, HelpMe, Assédio Zero e entre outros softwares, têm como objetivo conscientizar a sociedade, quantificar as injustiças e proteger as mulheres. Veja, a seguir, onze serviços online criados para proteger mulheres e promover igualdade de gênero.

Lista apresenta dez aplicativos que promovem igualdade de gênero e buscam reduzir assédios sexuais — Foto: Divulgação/Woman Interrupted Lista apresenta dez aplicativos que promovem igualdade de gênero e buscam reduzir assédios sexuais — Foto: Divulgação/Woman Interrupted

Lista apresenta dez aplicativos que promovem igualdade de gênero e buscam reduzir assédios sexuais — Foto: Divulgação/Woman Interrupted

1. Woman Interrupted

Considerado um tipo de violência contra mulher, o “Manterrupting” acontece quando ela não consegue concluir sua fala, sendo interrompida desnecessariamente por homens. Woman Interrupted é um aplicativo feito para contabilizar quantas vezes homens interrompem uma fala feminina. Essa identificação é feita por meio do microfone do smartphone. A iniciativa é da agência BETC São Paulo. Os desenvolvedores acreditam que direitos iguais começam com vozes iguais, e por isso a plataforma trabalha no sentido de detectar e diminuir essa prática.

Woman Interrupted contabiliza o quanto mulheres são interrompidas desnecessariamente por homens — Foto: Woman Interruped/Divulgação Woman Interrupted contabiliza o quanto mulheres são interrompidas desnecessariamente por homens — Foto: Woman Interruped/Divulgação

Woman Interrupted contabiliza o quanto mulheres são interrompidas desnecessariamente por homens — Foto: Woman Interruped/Divulgação

2. Mapa do acolhimento

O Mapa do Acolhimento (mapadoacolhimento.nossascidades.org) é uma iniciativa voltada para acolher mulheres que foram vítimas de violência sexual. A plataforma trabalha com duas frentes: a primeira é ligar terapeutas voluntárias à mulheres, para que recebam o atendimento adequado. A segunda é avaliar os serviços públicos que prestam atendimento no Brasil. Assim, é criada uma rede de ajuda e colaboração. O Mapa do Acolhimento já conta com quase 500 terapeutas inscritas em todo Brasil. A iniciativa é uma parceria do coletivo #AgoraÉQueSãoElas e da Rede Nossas Cidades.

Mapa do Acolhimento liga vítimas de violência sexual a terapeutas voluntárias  — Foto: Divulgação/Mapa do Acolhimento Mapa do Acolhimento liga vítimas de violência sexual a terapeutas voluntárias  — Foto: Divulgação/Mapa do Acolhimento

Mapa do Acolhimento liga vítimas de violência sexual a terapeutas voluntárias — Foto: Divulgação/Mapa do Acolhimento

3. Braços Dados

O Braços Dados é um aplicativo pensado para ajudar mulheres em momentos de situação de risco. Nele, basta cadastrar de três a cinco contatos de confiança e, quando estiver em alguma situação de perigo, acionar um botão que o aplicativo envia uma mensagem SMS para os contatos com uma mensagem de alerta e a geolocalização. O Braços Dados também faz um mapeamento dos locais que oferecem menos segurança às mulheres. A iniciativa é da agência de mídia Gênero e Número.

Braços Dados é um aplicativo que dispara mensagens quando mulheres encontram em situação de perigo — Foto: Divulgação/Braços Dados Braços Dados é um aplicativo que dispara mensagens quando mulheres encontram em situação de perigo — Foto: Divulgação/Braços Dados

Braços Dados é um aplicativo que dispara mensagens quando mulheres encontram em situação de perigo — Foto: Divulgação/Braços Dados

4. Mapa Chega de fiufiu

O Mapa Chega de Fiufiu (chegadefiufiu.com.br) é um site criado para mapear os lugares mais incômodos ou perigosos para mulheres no Brasil. A plataforma faz parte de uma campanha contra o assédio em espaços públicos. Segundo os desenvolvedores, o objetivo é combater a prática de homens fazerem "comentários de teor obsceno, olhares, intimidações, toques indesejados e importunações de teor sexual que se apresentam de várias formas e são entendidas pelo senso comum como elogios, brincadeiras ou características imutáveis da vida em sociedade".

Mapa Chega de Fiu Fiu localiza lugares onde mulheres foram assediadas — Foto: Reprodução/Mapa Chega de Fiu Fiu Mapa Chega de Fiu Fiu localiza lugares onde mulheres foram assediadas — Foto: Reprodução/Mapa Chega de Fiu Fiu

Mapa Chega de Fiu Fiu localiza lugares onde mulheres foram assediadas — Foto: Reprodução/Mapa Chega de Fiu Fiu

Com o Mapa, a ideia é tornar cidades mais seguras para as mulheres, por meio da identificação dos locais mais perigosos e análise do que os faz serem tão inseguros. A iniciativa é da ONG Thing Olga.

5. Assédio Zero

Assédio Zero é uma iniciativa semelhante ao Chega de Fifiu, na forma de aplicativo. A proposta é de que usuários possam marcar em os locais públicos em que mulheres mais sofrem assédio. Todas as informações ficam guardadas na nuvem e o mapa gera uma zona de calor nos lugares onde assédios são mais comuns. A iniciativa é uma parceria da Microsoft com o Instituto El Dourado.

Assédio Zero é um mapa de assédio para dispositivos móveis — Foto: Divulgação/Assédio Zero Assédio Zero é um mapa de assédio para dispositivos móveis — Foto: Divulgação/Assédio Zero

Assédio Zero é um mapa de assédio para dispositivos móveis — Foto: Divulgação/Assédio Zero

6. Clique 180

O Clique 180 é um aplicativo que oferece informações sobre o que fazer em casos de violência contra mulher. É possível encontrar quais são os tipos de violência mais comuns; localização dos serviços da Rede de Atendimento e a rota para chegar até eles; passo a passo sobre como agir e que tipo de serviço procurar em cada caso de violência contra as mulheres e a Lei Maria da Penha. Um botão liga diretamente ao 180 (Central de Atendimento à Mulher). A iniciativa é da ONU Mulheres.

Clique 180 é um aplicativo da ONU Mulheres com informações sobre o que fazer em caso de violência sexual — Foto: Reprodução/Clique 180 Clique 180 é um aplicativo da ONU Mulheres com informações sobre o que fazer em caso de violência sexual — Foto: Reprodução/Clique 180

Clique 180 é um aplicativo da ONU Mulheres com informações sobre o que fazer em caso de violência sexual — Foto: Reprodução/Clique 180

7. HelpMe

HelpMe é um app de denúncias de assédio sexual direcionado exclusivamente para metrôs e trens da cidade de São Paulo. Um recurso interessante é o alerta sonoro, que pode ser ativado no momento em que a vítima está sendo assediada. O aplicativo também pode ser usado para furtos, roubos, comércio ilegal, assento preferencial e outras situações irregulares no transporte público.

HelpMe é um aplicativo de denúncia para os trens e metrôs de São Paulo — Foto: Divulgação/HelpMe HelpMe é um aplicativo de denúncia para os trens e metrôs de São Paulo — Foto: Divulgação/HelpMe

HelpMe é um aplicativo de denúncia para os trens e metrôs de São Paulo — Foto: Divulgação/HelpMe

8. SaiPraLá

O SaiPraLá é um app que também funciona para denúncia de assédios, mapeando e ajudando a evitá-los. Segundo desenvolvedores, a proposta é gerar um relatório de assédios e, com números, pressionar órgãos públicos responsáveis pela segurança a tomarem as devidas providências.

SaiPraLá é um aplicativo criado para denúncia de assédios — Foto: Divulgação/SaiPraLá SaiPraLá é um aplicativo criado para denúncia de assédios — Foto: Divulgação/SaiPraLá

SaiPraLá é um aplicativo criado para denúncia de assédios — Foto: Divulgação/SaiPraLá

9. Mete a colher

A proposta do Mete a Colher (benfeitoria.com/meteacolher) é unir mulheres que sofreram violência doméstica ou vivem em relacionamento abusivo. O nome faz alusão ao ditado "em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher", propondo que se faça o contrário. A equipe promete que o aplicativo una mulheres que sofrem abusos a outras que possam ajudá-las, trazendo a sororidade a palma da mão. Ou seja, uma união entre mulheres baseada na empatia e companheirismo.

Mete A Colher está sendo desenvolvido para funcionar como uma rede de apoio entre as mulheres — Foto: Divulgação/Mete A Colher Mete A Colher está sendo desenvolvido para funcionar como uma rede de apoio entre as mulheres — Foto: Divulgação/Mete A Colher

Mete A Colher está sendo desenvolvido para funcionar como uma rede de apoio entre as mulheres — Foto: Divulgação/Mete A Colher

10. Freeda

O Freeda (freeda.me) é um aplicativo voltado para avaliar estabelecimentos quanto ao tratamento e respeito não só a igualdade de gênero, mas também a diversidade sexual. Usuários são apresentados a espaços com o "selo freeda", conferido à estabelecimentos com política inclusiva. O aplicativo ainda está sendo desenvolvido e é uma iniciativa de jovens de Porto Alegre.

Freeda é um aplicativo para identificar lugares que respeitam a igualdade de gênero e diversidade sexual — Foto: Divulgação/Freeda Freeda é um aplicativo para identificar lugares que respeitam a igualdade de gênero e diversidade sexual — Foto: Divulgação/Freeda

Freeda é um aplicativo para identificar lugares que respeitam a igualdade de gênero e diversidade sexual — Foto: Divulgação/Freeda

11. Malalai

Malalai é um aplicativo já desenvolvido e que se propõe a oferecer à mulheres soluções para se deslocarem sozinhas com segurança e sem medo. Nele, a usuária irá traçar uma rota e o app devolverá informações a respeito dos pontos negativos e positivos do trajeto, levando em consideração: ruas movimentadas, policiamento fixo nas proximidades, edificações com porteiros e estabelecimentos comerciais abertos, trechos mal iluminados e ocorrências anteriores de assédio.

Malalai vai dizer a mulheres quais locais são mais seguros — Foto: Reprodução/Luana Marfim Malalai vai dizer a mulheres quais locais são mais seguros — Foto: Reprodução/Luana Marfim

Malalai vai dizer a mulheres quais locais são mais seguros — Foto: Reprodução/Luana Marfim

O Malalai também deve facilitar a comunicação de chegada, o famoso “quando chegar, avisa”: um recurso do aplicativo irá enviar mensagens assim que a usuária chegar em seu destino final, além de ser possível rastrear o deslocamento em tempo real. O app é desenvolvido pela startup som o mesmo nome.

Quais são os melhores aplicativos para Android? Troque dicas no Fórum do TechTudo.

MAIS DO TechTudo