Lista traz grandes mancadas da indústria dos games

Grandes lançamentos são sempre cheios de novidades e boas notícias, mas nem sempre dão certo.

email facebook googleplus pinterest twitter whatsapp

Por Felipe Vinha, para o TechTudo

A indústria dos games sempre traz novidades a seus fãs, com consoles inéditos, jogos esperados e gráficos de alta qualidade – mas nem sempre tudo sai como esperado. Há momentos em que as empresas e desenvolvedores cometem erros, seja com o público ou com o próprio mercado, que geram críticas e campanhas contra esses atos. Exemplos recentes não faltam, como as microtransações de Star Wars Battlefront 2 ou a ausência de Just Cause 3 durante um dos meses da PlayStation Plus no Brasil. Conheça estes e outros, em detalhes:

Brasil sem Just Cause 3

O game Just Cause 3 foi oferecido gratuitamente para download entre assinantes da PlayStation Plus em agosto de 2017 nos Estados Unidos. No Brasil, que geralmente segue a mesma programação, o caso foi diferente. De forma deliberada, a Sony resolveu não oferecer o jogo aos brasileiros, sem explicar o motivo, colocando outro, de pouca expressão, no lugar.

Just Cause 3 foi deixado de lado na lista de agosto da Plus brasileira (Foto: Divulgação/Avalanche Games) Just Cause 3 foi deixado de lado na lista de agosto da Plus brasileira (Foto: Divulgação/Avalanche Games)

Just Cause 3 foi deixado de lado na lista de agosto da Plus brasileira (Foto: Divulgação/Avalanche Games)

Isso, é claro, gerou muitas reclamações por parte dos jogadores e assinantes da PS Plus por aqui. Para se desculpar com o público e corrigir o erro, porém, a empresa anunciou que lançaria o game em setembro para quem assina o plano premium da PSN e assim foi feito. O estrago, entretanto, já estava causado.

Xbox One apenas online

Em 2013, antes de lançar o Xbox One no mercado, a Microsoft revelou que o console funcionaria apenas online. O problema é que, ainda que tenhamos acesso à Internet de diversas formas, muitos pensam que este não deveria ser um requisito para um aparelho eletrônico funcionar, principalmente um videogame. Qualquer desconexão ou falta temporária de Internet te deixaria sem jogar.

Xbox One pediria conexão online obrigatória (Foto: Divulgação/Microsoft) Xbox One pediria conexão online obrigatória (Foto: Divulgação/Microsoft)

Xbox One pediria conexão online obrigatória (Foto: Divulgação/Microsoft)

Na verdade, a empresa chegou a esclarecer que a Internet seria necessária apenas para verificar o jogo, antes de ser executado. Mesmo assim, as reclamações foram muitas e renderam até mesmo piadas e provocações feitas pela própria Sony, em apresentações oficiais do PS4. Felizmente, pouco antes do lançamento, a Microsoft recuou e removeu a necessidade de conexão com a Internet no Xbox One.

Star Wars Battlefront 2: pague para ganhar

Microtransações já são uma realidade grande para quem joga videogame atualmente, mas há títulos que abusam deste formato. Um deles foi Star Wars Battlefront 2, lançado no Xbox One, PS4 e PC. O modo multiplayer veio muito focado em itens obtidos através das loot boxes ou por meio de pagamentos em dinheiro, o que desequilibra a experiência.

Star Wars Battlefront 2 (Foto: Reprodução/Felipe Vinha) Star Wars Battlefront 2 (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)

Star Wars Battlefront 2 (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)

Além disso, alguns personagens precisam de muito tempo para serem destrancados, caso o jogador não quisesse pagar – mais de 40 horas, para ser exato –, algo que foi balanceado depois, pela EA, produtora do game. Pouco tempo após o lançamento, a empresa também removeu as microtransações de Star Wars Battlefront 2 frente às reclamações, mas prometeu que elas vão retornar. Até o fechamento desta matéria, nada havia mudado.

Sony barrando multiplayer

Nos últimos anos, a barreira entre plataformas de games tem diminuído muito. A Microsoft lançou o programa “Play Anywhere”, no qual o usuário pode comprar um jogo e aproveitá-lo no Xbox One ou no PC, com multiplayer interligado. Até mesmo alguns títulos, como Minecraft e Rocket League, tem multiplayer compatível entre diversos aparelhos – Xbox One, Switch, computadores e celulares são alguns exemplos. Mas a Sony fica de fora da festa.

Rocket League é um dos jogos que tem multiplayer entre Switch e Xbox One (Foto: Divulgação/Psyonix) Rocket League é um dos jogos que tem multiplayer entre Switch e Xbox One (Foto: Divulgação/Psyonix)

Rocket League é um dos jogos que tem multiplayer entre Switch e Xbox One (Foto: Divulgação/Psyonix)

Produtores destes e outros títulos já declararam que o PS4 não entra no multiplayer cruzado pois a Sony não permite. Executivos da empresa chegaram a comentar na imprensa mundial que não estão interessados na funcionalidade, como forma de “proteger” seus usuários em plataformas que eles podem controlar. A justifica não pareceu adequada para a comunidade, que até hoje espera a mudança de opinião da companhia japonesa.

As três luzes vermelhas

Este, sem dúvida, foi um dos maiores “vacilos” do mundo dos games modernos. Quando foi lançado, o Xbox 360 sofria com um enorme problema técnico que, em geral, inutilizava os aparelhos e exibia três luzes vermelhas em sua parte frontal. Este foi um problema de hardware, que assolou o console durante muitos anos, mesmo em revisões que a Microsoft lançava no mercado.

As As

As "Três Luzes Vermelhas da Morte" eram um problema comum no início do Xbox 360 (Foto: Reprodução/YouTube)

Ele demorou tanto para ser corrigido, e parecia não ter conserto, que a empresa chegou a oferecer garantia estendida de fábrica para todos os modelos mais novos em 2009. O problema só foi retificado, de fato, em revisões de hardware mais recentes, mas até lá o defeito já estava bem difundido.

Wii U sem jogos

O Wii U foi um console problemático. Lançado para competir com o Xbox 360 e o PS3, ele chegou ao mercado com alguns games multiplataforma, como Batman Arkham City e Assassin's Creed IV: Black Flag – mas não passou muito disso. Com o tempo, o console teve que se garantir apenas com grandes jogos da própria Nintendo, como Mario Kart 8 ou Super Mario 3D World, mas sem receber grandes títulos que saíam em outras plataformas.

Wii U ficou sem muitos jogos importantes (Foto: Divulgação/Nintendo) Wii U ficou sem muitos jogos importantes (Foto: Divulgação/Nintendo)

Wii U ficou sem muitos jogos importantes (Foto: Divulgação/Nintendo)

Sem novos Assassin’s Creed, games de luta, os principais jogos de esporte e outros gêneros, o Wii U foi definhando e se tornou casa de poucas aventuras de destaque. O console decepcionou tanto os fãs que não demorou muito para a Nintendo anunciar seu sucessor, o Switch, e também parar de fabricar o Wii U – em janeiro de 2017.

Os cartões do PS Vita

O PS Vita é um portátil da Sony que prometia muito, mas não encontrou seu mercado adequado entre os fãs ocidentais – apesar de ainda ter certo sucesso no Japão. Um dos grandes problemas do aparelho era seu formato proprietário de cartão de memória – isto é, funcionava apenas com um modelo exclusivo e fabricado pela própria Sony.

PS Vita exigia cartão único para jogos digitais (Foto: Divulgação/Sony) PS Vita exigia cartão único para jogos digitais (Foto: Divulgação/Sony)

PS Vita exigia cartão único para jogos digitais (Foto: Divulgação/Sony)

Isso gerou diversas críticas dos fãs, já que o cartão de memória ainda era caro, para piorar a situação. Como o portátil tinha muitos títulos lançados em formato digital, e trocar cartuchos de jogos físicos não era nada prático, seu elevado preço e custo para manter novos games em sua memória não ajudou na popularidade.

Sequências nem um pouco esperadas…

Este erro é comum a diversas empresas. Muitas séries são queridas por jogadores a ponto de pedirem sempre por sequências, mas em alguns casos elas não são lançadas no formato esperado. Um dos exemplos mais famosos é a série de RPG e aventura Legacy of Kain – da qual faz parte o excelente Soul Reaver. O mau exemplo aqui atendia pelo nome de Nosgoth e foi lançado pela Square Enix como um MMORPG, como sequência da saga.

Nosgoth foi a sequência que ninguém queria (Foto: Divulgação/Square Enix) Nosgoth foi a sequência que ninguém queria (Foto: Divulgação/Square Enix)

Nosgoth foi a sequência que ninguém queria (Foto: Divulgação/Square Enix)

O jogo não fez o sucesso esperado, dada a decepção dos fãs, tanto que logo foi tirado do ar e hoje já não funciona mais. Outro exemplo popular é a saga Castlevania. Em 2015 a Konami chegou a anunciar um game que parecia ser a sequência do elogiado Symphony of the Night, mas ele saiu apenas no Japão e no formato de “pachinko” – que são uma espécie de máquinas caça-níqueis, sem ligação com consoles.

Você já comprou DLCs na PSN? Opine no Fórum do TechTudo.

MAIS DO TechTudo