Por Gabriel Oliveira, para o TechTudo


O cenário competitivo de Rainbow Six: Siege vive um momento de grande crescimento, tanto no número de regiões participantes ao redor do mundo quanto em premiações. Desde o começo de 2017, quando foi realizada a primeira edição do Six Invitational, as equipes brasileiras, como Santos Dexterity, Black Dragons, BRK, Team Fontt e FaZe Clan, têm feito boas participações nos campeonatos mundiais, chegando inclusive a duas finais da Pro League em 2017, ambas as vezes com a BD.

No entanto, o país ainda não conseguiu chegar ao lugar mais alto do pódio, tendo como principal algoz os europeus da Penta Sports, e ainda busca seu primeiro grande título a nível mundial no FPS da Ubisoft.

Se na primeira temporada do competitivo do Rainbow Six, em 2016, apenas equipes européias e da América do Norte participavam dos campeonatos, isso mudou no ano seguinte, quando times da América Latina, nas seasons 1 e 2, e do Pacífico (Ásia e Oceania), na season 3, passaram a ter vaga garantida nas finais mundiais da Pro League e no Six Invitational. A seguir, você confere a lista com todas as participações dos times brasileiros nessas competições.

Six Invitational 2017

No Six Invitational  2017, primeiro torneio internacional com participação de um time brasileiro, Santos Dexterity perdeu na semifinal para a Continuum — Foto: Divulgação/Ubisoft No Six Invitational  2017, primeiro torneio internacional com participação de um time brasileiro, Santos Dexterity perdeu na semifinal para a Continuum — Foto: Divulgação/Ubisoft

No Six Invitational 2017, primeiro torneio internacional com participação de um time brasileiro, Santos Dexterity perdeu na semifinal para a Continuum — Foto: Divulgação/Ubisoft

Após ser campeã do Elite Six Latin America, qualificatória continental para a primeira edição do Six Invitational, disputado em fevereiro de 2017 em Montreal, no Canadá, a Santos Dexterity, formada por Guilherme "gohaN" Alf, Leonardo "Astro" Luís, Gabriel "cameram4n" Hespanhol, Adenauer "Silence" Alvarenga e Dimas "Panico" de Abreu, fez boa campanha na primeira competição internacional de um time brasileiro. A equipe, que hoje forma a base da FaZe Clan, estreou com vitória após um duelo equilibrado com a Euronics Gaming: dois mapas a um para os brasileiros (6 x 5 na Kafe Dostoyevsky, 1 x 5 na Consulate e 5 x 3 na Border).

Na semifinal, Santos Dex enfrentou a Continuum, time convidado da América do Norte e liderado por Troy "Canadian" Jarolawski. No confronto, os brasileiros protagonizaram um confronto marcado pelos altos e baixos acabaram derrotados por dois mapas a um. O time norte-americano venceu em parciais de 5 x 0 na Bank, 4 x 6 na Border e 5 x 3 na Consulate. Mesmo com a eliminação e algumas oscilações em momentos importantes, o desempenho de gohaN, Astro e companhia já mostravam ali que os brasileiros tinham tudo para figurar entre as maiores forças do Rainbow Six a nível mundial.

Pro League 2017 Season 1

V3 e Black Dragons representaram o brasil nas finais mundiais da season 1 de 2017 da Pro League, disputada na Polônia — Foto: Divulgação/Facebook V3 Masters V3 e Black Dragons representaram o brasil nas finais mundiais da season 1 de 2017 da Pro League, disputada na Polônia — Foto: Divulgação/Facebook V3 Masters

V3 e Black Dragons representaram o brasil nas finais mundiais da season 1 de 2017 da Pro League, disputada na Polônia — Foto: Divulgação/Facebook V3 Masters

A primeira edição da Pro League que contou com participação de equipes da América Latina, disputada em maio de 2017 em Katowice, na Polônia, teve duas equipes brasileiras também estreantes em competições internacionais: Black Dragons e V3. Capitaneada por Léo "Zigueira" Duarte, a BD, que também contava com nesk, Lucas "Yuuk" Rodrigues, Leone "oNe" Kayque e José "Bullet" Victor em sua line up, fez grande campanha e terminou com o vice-campeonato. Na estreia, o time venceu os finlandeses da GiFu e-Sports, atual base da ENCE, por dois mapas a um (5 x 2 na Oregon, 4 x 6 na Clubhouse e 5 x 2 na Consulate).

Na semifinal, nova vitória por dois a um, dessa vez sobre os espanhóis da gBots (5 x 2 na Oregen, 3 x 5 na Consulate e 5 x 1 na Chalet). O duelo decisivo contra a Penta Sports, porém, foi marcado pelo amplo domínio do "dream team" europeu sobre a BD, com um triunfo por dois mapas a zero em impressionantes parciais de 5 x 1, na Border, e 5 x 0, na Consulate.

No outro lado da chave, a V3, formada por Gustavo "Psycho" Rigal", João "Kamikaze" Gomes, Pedro "pzd" Dutra — todos atualmente na Black Dragons — Thiago "Thyy" Nicézio" e Rafael "GeRe" Torres, estreou com vitória sobre os americanos da Vertical Gaming por dois mapas a zero (6 x 4 na Border e 5 x 1 na Clubhouse). Ne semifinal contra a Penta, os brasileiros fizeram um bom jogo, mas acabaram derrotados por dois a um (5 x 2 na Chalet, 2 x 5 na Consulate e 2 x 5 na Bank). Mesmo com a derrota, a V3 saiu como uma das equipes mais respeitadas da competição, por ter sido a única equipe a tirar um mapa da Penta no torneio.

Pro League 2017 Season 2

Campeã do qualificatório da América Latina, Team Fontt perdeu para a Penta na semifinal da season 2 da Pro League 2017 — Foto: Divulgação/ESL Campeã do qualificatório da América Latina, Team Fontt perdeu para a Penta na semifinal da season 2 da Pro League 2017 — Foto: Divulgação/ESL

Campeã do qualificatório da América Latina, Team Fontt perdeu para a Penta na semifinal da season 2 da Pro League 2017 — Foto: Divulgação/ESL

Disputada em agosto de 2017, na cidade de Colônia, na Alemanha, a segunda temporada da Pro League teve como representantes brasileiros a Team Fontt, formada por gohaN, Astro cameram4n — ex-Santos Dexterity —, Rafael "mav" freitas e João "HSnamuringa" Deam, vindos da Keyd Stars; e a BRK, composta pela antiga line up da BD, mas com a adição de Julio "Julio" Giacomelli no lugar de Bullet. Apesar das altas expectativas em torno dos times, ambos acabaram caindo nas semifinais.

Campeã do qualificatório da América Latina, a Team Fontt estreou com vitória sobre os franceses da Millenium por dois mapas a zero (duplo 6 x 4 nos mapas Oregon e Consulate). Na semifinal, os brasileiros protagonizaram um confronto bastante equilibrado com a Penta, mas acabaram derrotados por dois mapas a zero (6 x 4 nos mapas Border e Oregon). O duplo overtime mostrou o bom nível de jogo dos brasileiros, mas a partida também ficou marcada por alguns erros táticos cometidos pela Fontt em momentos decisivos do duelo.

A BRK, por sua vez, teve uma estreia difícil contra os americanos da Rogue, mas acabaram avançando após vitória por doia a um (3 x 5 na Border, 5 x 2 na Oregon e 5 x 3 na Chalet). Na semifinal, Zigueira, nesk e companhia acabaram surpreendidos por outro time dos Estados Unidos, a Elevate, que havia ficado apenas com terceira vaga da América do Norte. A derrota por dois a zero (5 x 3 na Oregon e 5 x 2 na Bank) foi um duro golpe para a line vice-campeã da edição anterior da Pro League.

Pro League 2017 Season 3

Na Season 3 da Pro League 2017, disputada em São Paulo, Black Dragons, com wag, pzd, Psycho, Kamikaze e Julio, ficou com o vice-campeonato — Foto: Divulgação/Facebook Black Dragons Na Season 3 da Pro League 2017, disputada em São Paulo, Black Dragons, com wag, pzd, Psycho, Kamikaze e Julio, ficou com o vice-campeonato — Foto: Divulgação/Facebook Black Dragons

Na Season 3 da Pro League 2017, disputada em São Paulo, Black Dragons, com wag, pzd, Psycho, Kamikaze e Julio, ficou com o vice-campeonato — Foto: Divulgação/Facebook Black Dragons

O crescimento do Rainbow Six no Brasil fez a Ubisoft trazer a season 3 da Pro League 2017 a São Paulo. Com uma Arena Max5 nos dias 18 e 19 de novembro, Black Dragons — agora com Julio e Wagner "wag" Alfaro ao lado de Psycho, pzd e Kamikaze, — Team Fontt contaram com apoio massivo da torcida local. Apesar da boa participação das equipes, o país bateu na trave pela segunda vez na busca por um título internacional, e dessa vez o carrasco dos brasileiros foram os finlandedes da ENCE, que derrotou a Fontt na semifinal e a BD na grande decisão.

Vice-campeã do qualificatório da latino-americano, a Team Fontt estreou com uma vitória tranquila sobre os japoneses da eiNs por dois a zero (duplo 5 x 1 na Bank e na Oregon). Na semifinal contra ENCE, que vinha de vitória contra a Evil Geniuses (composta pela antiga line up da Continuum), os brasileiros foram atropelados: derrota por dois zero (5 x 0 na Consulate e 5 x 3 na Chalet).

Já a Black Dragons, agora com uma line up completamente reformulada, chegou embalada pelo títulos da season 1 do Brasileirão e do qualificatório da América Latina, venceu os americanos da 1nFamy na estreia por dois mapas a zero (6 x 4 na Clubhouse e 5 x 0 na Oregon). O grande momento da BD no torneio, porém, viria na semifinal contra a Penta. Na única vitória de um time brasileiro sobre a equipe europeia, Psycho, Kamikaze, pzd, wag e julio fizeram uma partida taticamente perfeita, e garantiram uma contundente vitória por dois a zero (5 x 3 na Chalet e 5 x 2 na Clubhouse).

Na grande decisão, a Black Dragons chegou como favorita ao título, principalmente após a vitória sobre a Penta, campeã de três edições da Pro League. No duelo decisivo, porém, os brasileiros se mostraram irreconhecíveis no primeiro mapa, sendo facilmente vencidos pelos finlandeses da ENCE na Oregon (5 x 2). No mapa Chalet, a BD chegou a abrir 4 x 0, mas desperdiçou todos os map points e a chance de empatar o jogo, perdendo os seis rounds seguintes e o título.

Six Invitational 2018

Realizado no Canadá, em fevereiro, e com 16 equipes participantes, Six Invitational foi maior campeonato de Rainbow Six já realizado — Foto: Divulgação/ESL Realizado no Canadá, em fevereiro, e com 16 equipes participantes, Six Invitational foi maior campeonato de Rainbow Six já realizado — Foto: Divulgação/ESL

Realizado no Canadá, em fevereiro, e com 16 equipes participantes, Six Invitational foi maior campeonato de Rainbow Six já realizado — Foto: Divulgação/ESL

No maior torneio de Rainbow Six já realizado, com 16 participantes e mais de US$ 500 mil (R$ 1,76 milhão) em premiação, o Six Invitational 2018, também teve participação recorde de times brasileiros. Foram quatro ao todo: Black Dragons; FaZe Clan (com a antiga line up da Team Fontt); Team Liquid, com quatro dos cinco jogadores ex-BRK e a adição de Thiago "S3xyCake" Reis no lugar de oNe; e Yeah! Gaming, de yoona, Guilherme "Revo1Tz" Lima, Gabriel "gCR" Teixeira, Lucas "SpawNss" Bleichvel e Gabriel "fk1" Bailer.

Apesar do grande número de participantes, Liquid e Yeah acabaram não passando da primeira fase, enquanto BD e FaZe terminaram na liderança de seus respectivos grupos e avançaram aos playoffs em busca de um título inédito para o Brasil.

Pelo grupo B, Team Liquid, convidada pela organização do torneio, estreou com um contundente dois a zero sobre os russos da Room Factory. Na partida contra os americanos da Rogue, que poderia garantir ao time brasileiro a classificação direta aos playoffs, a Liquid acabou sendo derrotada por dois a um com direito a um duplo 5 x 1 nos mapas Kafe Dostoyevsky e Consulate.

Na sequência, os brasileiros foram surpreendidos pela Mindfreak, da Austrália, e deram adeus ao campeonato após nova derrota por dois a um (3 x 5 na Chalet, 5 x 3 na Kafe Dostoyevsky e 4 x 6 na Consulate)

A Yeah, por sua vez, após vencer o qualificatório da América Latina, chegou ao Invitational sem grandes obrigações, especialmente após cair num grupo com duas line ups vice-campeãs da Pro League em 2017 (Black Dragons e Counter Logic Gaming, que contratara os atletas da Elevate), além dos franceses da Supremacy, que conquistaram a vaga pelo qualificatório europeu.

Na estreia, justamente num duelo entre os times brasileiros, a Yeah! fez um bom jogo, mas a BD foi que saiu com uma vitória por dois a um (5 x 3 na Consulate, 5 x 6 na Border e 5 x 3 na Oregon). No jogo seguinte, a equipe se manteve viva no Invitational ao bater a Counter Logic de virada (3 x 5 na Clubhouse, 5 x 3 na Oregon e novo 5 x 3 na Consulate). Decidindo contra a Supremacy, os brasileiros tiveram um bom começo, mas acabaram perdendo de virada para os franceses (6 x 5 na Clubhouse, 4 x 6 na Bank e 0 x 5 na Consulate) e deram adeus ao torneio.

Já a BD, após vencer a Yeah! na estreia pelo grupo, avançou de maneira direta aos playoffs ao vencer a Supremacy por dois a zero (5 x 2 na Consulate e 6 x 4 na Chalet). Nas quartas de final do Invitational, Psycho, Kamikaze e companhia fizeram sua melhor partida no campeonato, ao baterem a Mindfreak com facilidade por dois a zero, perdendo apenas um round (5 x 1 na Consulate e 5 x 0 na Oregon).

Equipe brasileira de melhor campanha naquele Invitational, a Black Dragons acabou dando adeus ao sonho de título na semifinal, após uma derrota por dois a zero para Penta. Os europeus, reforçados agora com Ville "Sha77e" Palola, venceram sem grandes dificuldades nos mapas Bank (5 x 2) e Border (5 x 3), vingando assim a derrota na season 3 da Pro League 2017.

Cotada como uma das principais candidatas ao título, a FaZe Clan não tomou conhecimento de seus adversários no grupo D, perdendo apenas dois rounds. Na estreia, gohaN, Astro, cameram4n, mav e namuringa atropleraram os japoneses da Eins (5 x 1 na Consulate e 5 x 0 na Oregon). No jogo seguinte, a expectativa de um duelo equilibrado com a ENCE foi logo derrubada: vitória fácil dos brasileiros por dois a zero (5 x 0 na Chalet e 5 x 1 na Oregon).

Nas quartas-de-final, a FaZe encerrou sua trajetória no Invitational ao perder para a Evil Geniuses, formada pela antiga line up da Continuum, campeã do Six Invitational 2017. Num duelo equilibrado do início ao fim, os brasileiros acabaram derrotados por dois mapas a 1 (3 x 5 na Clubhouse, 5 x 1 na Bank e 3 x 5 na Skyscraper).

MAIS DO TechTudo