Celulares

Por Wallace Nascimento, para o TechTudo


Com os avanços no mundo dos smartphones, os aparelhos passaram a ser muito mais resistentes e seguros do que no passado. Isso não significa, porém, que os usuários destes celulares não precisem tomar certos cuidados ao utilizá-los: comprar carregador pirata, abusar da proteção contra água e abrir mão das capinhas de proteção podem fazer todo o investimento no dispositivo ir por água abaixo – literalmente, em alguns casos.

Seja modelo avançado ou básico, mantê-lo em boas condições é fundamental para prolongar sua vida útil por muito mais tempo. Pensando nisso, o TechTudo preparou uma lista especial com as 7 principais precauções que você deve tomar para evitar danos no smartphone e até mesmo riscos à saúde.

Aparelhos estão cada vez mais resistentes, mas é preciso tomar alguns cuidados — Foto: Thássius Veloso/TechTudo

1. Usar carregadores piratas

Os carregadores continuam sendo um dos itens mais frágeis dos celulares e, frequentemente, precisam ser trocados. Como os originais costumam ser caros, usuários muitas vezes optam por versões piratas, bem mais baratas. O problema é que, como estes dispositivos não são homologados e provavelmente não foram projetados para o seu smartphone, eles podem causar danos irreversíveis à bateria ou até mesmo causar incêndios, como já ocorreu.

Nestes casos, o ideal é dar preferência a carregadores e cabos feitos pela própria fabricante ou então aqueles originais e compatíveis, que também são certificados e custam menos.

Carregadores originais são sempre a opção mais segura para o celular — Foto: Divulgação/Motorola

2. Desrespeitar os limites da proteção contra água

As certificações IP67 e IP68 são as garantias que os smartphones são resistentes à água e poeira. Isso significa, na prática, que os aparelhos certificados podem ficar submersos em água por uma profundidade e tempo específico. Com o IP67, caso da maioria dos iPhones atuais, por exemplo, os celulares podem ser submergidos em até 1 metro de água por 30 minutos. Já com o IP68, presente no Galaxy S9, a profundidade aumenta para 1,5 metro.

Ultrapassar o limites pode causar sérios danos ao aparelho e, possivelmente, torná-lo totalmente inoperante.

Celular caiu na água? Saiba o que fazer

Celular caiu na água? Saiba o que fazer

3. Derrubar no chão

Muitos smartphones atuais já saem de fábrica com revestimento em vidro. Apesar do material mais sofisticado, os aparelhos acabam sendo bem mais frágeis que os de metal, por exemplo. O display é o que mais deve ser protegido: hoje ele representa o item mais caro do celular. O recomendado é que, caso você faça parte do grupo dos desastrados, invista em capinhas de proteção, sobretudo de silicone, e também em películas de proteção.

Principais smartphones da atualidade são revestidos inteiramente com vidro — Foto: Luciana Maline/TechTudo

4. Deixar no mesmo bolso das chaves

Por mais que as proteções Gorilla Glass e similares tenham progredido, os smartphones ainda podem ser arranhados e também estilhaçar. Por isso, é muito importante não colocar o aparelho no mesmo bolso em que estão as chaves: estes itens de metal são imbatíveis para arranhar ou até mesmo destruir totalmente a tela do aparelho, principalmente se houver algum tipo de impacto mais forte no bolso.

Apesar dos avanços do Gorilla Glass, película de vidro ainda é a melhor maneira de proteger a tela de arranhões — Foto: Anna Kellen Bull/TechTudo

5. Expor o aparelho ao calor

O calor excessivo é outro mestre em causar danos aos smartphones. Esquecer o celular dentro do carro ou deixá-lo diretamente sob o sol pode estragar diversos componentes internos, fazendo com que alguns deles parem de funcionar. No caso das telas LCD, é possível ainda que o cristal líquido vaze e deixe pontos pretos no display. O recomendado é verificar a temperatura máxima suportada no manual e o mantê-lo sempre em temperatura compatível.

Manter o smartphone sob o sol pode causar danos irreversíveis nos componentes internos e na tela — Foto: Luciana Maline/TechTudo

6. Instalar apps de fontes não confiáveis

Em uma época de diversos escândalos envolvendo roubo de dados, é preciso ficar atento aos aplicativos instalados. Apps de fontes não confiáveis, como aqueles que não estão disponíveis na loja oficial de aplicativos do sistema operacional, podem ser a porta de entrada para diversos malwares, softwares maliciosos criados por hackers com intuito de causar alguns danos, alterações ou roubo de informações. O cuidado deve ser redobrado no Android, sistema que historicamente passou por mais ameaças.

Dê preferência aos aplicativos presentes na loja do sistema operacional — Foto: Thássius Veloso/TechTudo

7. Usar redes de Wi-Fi públicas

Redes de Wi-Fi abertas estão tomando conta de diversos espaços públicos, como shoppings, praças e até alguns meios de transporte, visto que ajudam a economizar na franquia de dados. Adeptos dessa prática devem se atentar para o fato de que nem todas as redes são confiáveis. Criminosos podem monitorar sites visitados, senhas digitadas e até mesmo conseguir acesso aos seus dados bancários. O ideal é utilizar alguma VPN para proteção.

Motorola One vs Zenfone 5: compare a ficha técnica

Motorola One vs Zenfone 5: compare a ficha técnica

Mais do TechTudo