Por Leonardo Couto, para o TechTudo


O ano competitivo de DotA 2 foi marcado por conquistas inéditas do Brasil e prêmios que bateram recordes históricos. Além da excelente campanha da paiN Gaming, o Brasil também estreou no The International 8, mundial que teve premiação milionária de US$ 25,5 milhões (aproximadamente R$ 100 milhões em conversão direta). 2018 também foi marcado por polêmicas e a Valve precisou banir o jogador asiático Carlo "Kuku" Palad do Major da Chongqing, que aconteceu na China. Confira, a seguir, fatos que marcaram o DotA 2 nesta temporada.

Início de ano meteórico da paiN

paiN fez ótima campenha na WESG e conquistou o vice-campeonato — Foto: Divulgação/WESG paiN fez ótima campenha na WESG e conquistou o vice-campeonato — Foto: Divulgação/WESG

paiN fez ótima campenha na WESG e conquistou o vice-campeonato — Foto: Divulgação/WESG

Considerada até então desconhecida no cenário competitivo internacional de DotA 2, a equipe brasileira da paiN Gaming conseguiu a classificação para o torneio da WESG 2018, após boa campanha nas qualificatórias sulamericanas. Realizada em março, na China, o torneio tinha um total de prêmios de US$ 1,5 milhão (cerca de R$ 5,8 milhões). Além da paiN, a também brasileira SG e-sports também participou da competição.

As duas organizações do Brasil conseguiram passar das fases de grupos. Nas quartas de final, a paiN ganhou por 2-1 da Keen Gaming, da China. Já a SG perdeu para a Team Russia, formada por quatro jogadores da Virtus Pro, por 2-0. Na semi, a paiN venceu a Rock.Y, outra equipe chinesa, por 2-1. Na final, a line up brasileira perdeu por 2-1 para a Team Russia e levou para a casa o prêmio de US$ 300 mil (aproximadamente R$1,2 milhão), enquanto os russos levaram US$ 800 mil (aproximadamente R$ 3,2 milhões). A campanha da paiN no torneio marcou o início da ascensão do time brasileiro no cenário internacional.

Surpresa na ESL One Birmingham 2018

Pain Gaming derrotou a Team Liquid duas vezes para chegar aos playoffs da ESL One: Birmingham — Foto: Divulgação/ESL Pain Gaming derrotou a Team Liquid duas vezes para chegar aos playoffs da ESL One: Birmingham — Foto: Divulgação/ESL

Pain Gaming derrotou a Team Liquid duas vezes para chegar aos playoffs da ESL One: Birmingham — Foto: Divulgação/ESL

Já com o reforço de Aliwi "w33" Omar, a paiN Gaming chegou mais experiente na ESL One Birmingham, realizada em maio, no Reino Unido. O time caiu no forte grupo da OG, Vici Gaming e Team Liquid. Após vencer os norte americanos da Team Liquid na primeira partida por 1-0, os brasileiros disputaram a partida dos vencedores e perderam para os europeus da OG por 2-0. Na disputa pela segunda colocação do grupo, a equipe brasileira venceu novamente a Team Liquid por 2-1 e avançou.

Em seguida, a paiN derrotou a Mineski por 2-0 nas quartas, mas caiu na semi, após perder por 2-0 para a Virtus Pro. Na disputa pelo terceiro lugar, a organização brasileira derrotou a Fnatic por 2-1 e levou para casa US$ 100 mil (aproximadamente R$ 400 mil). A final do torneio foi entre a Virtus Pro e a Optic, consagrando a equipe russa campeã, após vencer pelo placar de 3-0. Esse foi terceiro título de ESL One da Virtus Pro em menos de 1 ano, que já havia ganho a Hamburg 2017 e Katowice 2018. Somando os três títulos, a equipe russa faturou US$ 1,4 milhão (aproximadamente R$ 5 milhões).

The International 2018

OG foi a grande campeã do The International 2018 — Foto: Divulgação/Valve OG foi a grande campeã do The International 2018 — Foto: Divulgação/Valve

OG foi a grande campeã do The International 2018 — Foto: Divulgação/Valve

Mais uma vez o The International bateu o próprio recorde histórico de premiação. Realizado em agosto, no Canadá, o mundial de DotA 2 teve prêmio inicial de U$ 1,6 milhão (aproximadamente R$ 6 milhões). No entanto, o valor aumentou com as compras dentro do jogo. Assim, o montante do TI 2018 bateu incríveis US$ 25,5 milhões (aproximadamente R$ 100 milhões), quase US$ 1 milhão (aproximadamente R$ 4 milhões) a mais que o evento de 2017. Essa é a maior premiação da história dos esports.

A organização campeã do TI 8 foi a europeia OG, que é comandada pelo dinamarquês Johan "N0tail" Sundstein. Na final, o time derrotou a PSG.LGD por 3-2 e levou US$ 11,2 milhões (aproximadamente R$ 44,5 milhões). Já a vice-campeã PSG.LGD faturou US$ 4 milhões (aproximadamente R$ 16 milhões).

Representando pela primeira vez o Brasil no The International, a paiN Gaming chegou com esperanças de fazer uma boa campanha no torneio. O time, no entanto, não encaixou e foi eliminado na primeira fase com cinco vitórias e 11 derrotas. A equipe saiu da competição na penúltima posição da tabela de classificação e com o prêmio de US$ 63 mil (aproximadamente R$ 250 mil).

Dupla brasileira no Major

Com trio de brasileiros ex-SG e-Sports e dois norte-americanos, a paiN X foi a investidada da paiN Gaming para o cenário de Dota 2 — Foto: Divulgação/Twitter paiN Gaming Com trio de brasileiros ex-SG e-Sports e dois norte-americanos, a paiN X foi a investidada da paiN Gaming para o cenário de Dota 2 — Foto: Divulgação/Twitter paiN Gaming

Com trio de brasileiros ex-SG e-Sports e dois norte-americanos, a paiN X foi a investidada da paiN Gaming para o cenário de Dota 2 — Foto: Divulgação/Twitter paiN Gaming

Realizada em novembro, na Malásia, o Kuala Lumpur Major contou com duas equipes da paiN Gaming. Uma delas foi a line up comandada por Danylo "Kingrd" Nascimento, a paiN, que ficou em primeiro lugar na classificatória sulamericana. O outro time foi a paiN X, que ficou em segundo. Apesar da inédita participação de duas equipes brasileiras em um Major de DotA, o resultado do Brasil não foi dos mais satisfatórios.

As equipes da paiN Gaming foram mal na fase de grupos e caíram nas duas primeiras rodadas da Lower Bracket. A paiN perdeu por 1-0 para TNC Predator na primeira rodada e deu adeus ao torneio, levando US$ 10 mil (aproximadamente R$ 40 mil) para casa. Já a paiN X conseguiu vencer a primeira rodada da lower por 1-0, em cima da Tigers. Mas na segunda rodada o time enfrentou a forte Vici Gaming e perdeu por 2-0. Com a eliminação, o time brasileiro levou US$ 15 mil (aproximadamente R$ 60 mil).

Coroando a excelente temporada, a Virtus Pro fez valer o favoritismo e garantiu o título do Major. Após perder na final da Winner Bracket e se recuperar na Lower, a organização russa jogou contra a Team Secret, comandada por Clement "Puppey" Ivanov, na grande final. A Virtus Pro conseguiu vencer por 3-2 e faturou US$ 350 mil (aproximadamente R$ 1,5 milhão).

Kuku banido do Chongqing Major

Kuku: comentários racistas levantaram polêmica dentro da comunidade de DotA 2 — Foto: Reprodução/Twitter TNC Predator Kuku: comentários racistas levantaram polêmica dentro da comunidade de DotA 2 — Foto: Reprodução/Twitter TNC Predator

Kuku: comentários racistas levantaram polêmica dentro da comunidade de DotA 2 — Foto: Reprodução/Twitter TNC Predator

O ano competitivo de DotA 2 foi marcado por prêmios milionários, destaque do Brasil e... polêmicas. No fim de 2018, o jogador da TNC Predator Carlo "Kuku" Palad foi banido do Chongqing Major após fazer um comentário racista. O caso tomou proporções maiores quando o manager da equipe, Jim Paulo Sy, se passou por Kuku e declarou nas redes sociais que Kuku havia sido ofendido antes de fazer o comentário racista. Posteriormente, Jim assumiu que tinha feito o post fingindo ser jogador e que havia mentido.

Em dezembro, a Valve penalizou a organização por toda a confusão. Kuku foi banido do Major e a TNC Predator perdeu 20% dos DotA 2 Pro Circuit Points que tinha. A organização também tomou medidas, dispensou Jim Paulo Sy do time e multou Jim e Kuku. O valor da multa, segundo o time, seria doado para uma ONG anti-racismo.

Quer comprar celular, TV e outros produtos com desconto? Conheça o Compare TechTudo

Relembre os jogos que marcaram 2018

Relembre os jogos que marcaram 2018

Mais do TechTudo