Por Filipe Garrett, para o TechTudo


O primeiro Discman foi criado pela Sony em 1984, e seu nome virou sinônimo de reprodutores portáteis de CDs, a exemplo dos Walkmans para tocadores de cassetes de bolso. Os dispositivos foram sucesso nos anos 1990 com a popularização dos CDs, alcançando amplo domínio no segmento. Isso só mudou nos anos 2000, com a viabilização dos MP3 players.

Com os smartphones cumprindo também essa função atualmente, os aparelhos se tornaram obsoletos, mas também um símbolo de sua época. Confira a seguir mais detalhes e curiosidades sobre os discmans dos anos 90.

Quer comprar celular, TV e outros produtos com desconto? Conheça o Compare TechTudo

Lembra do Pinball? Selecionamos os games que marcaram a história

Lembra do Pinball? Selecionamos os games que marcaram a história

1. Nome veio do Walkman e do Pressman

Com o Walkman, a Sony inaugurou a ideia do som portátil nos anos 1970. Seguindo a mesma linha, veio o sucessor "natural" dos tocadores de fita, o discman, indicando o uso de discos ("disc", em inglês) para reproduzir as músicas. O detalhe pouco conhecido é que esses dois nomes surgiram a partir de um produto ainda mais antigo da Sony: o Pressman. Essa era uma linha de gravadores de bolso da Sony direcionada principalmente para profissionais da imprensa.

Lançado em 1984, D-50 foi o primeiro reprodutor portátil de CDs — Foto: Divulgação/Sony Lançado em 1984, D-50 foi o primeiro reprodutor portátil de CDs — Foto: Divulgação/Sony

Lançado em 1984, D-50 foi o primeiro reprodutor portátil de CDs — Foto: Divulgação/Sony

2. Para curtir ópera

Os executivos da Sony tiveram a ideia de lançar o som portátil porque queriam algum tipo de dispositivo que os permitisse curtir ópera durante longos voos a trabalho. Curiosamente, Akio Morita, CEO da Sony à época do surgimento dos Walkmans e dos Discmans, achava que a ideia de ouvir música sozinho, isolado das outras pessoas, seria considerada rude pela sociedade. Apesar disso, os aparelhos foram sucesso mundial.

Executivos queriam um sistema de som portátil para ouvir ópera em longas viagens — Foto: Divulgação/Sony Executivos queriam um sistema de som portátil para ouvir ópera em longas viagens — Foto: Divulgação/Sony

Executivos queriam um sistema de som portátil para ouvir ópera em longas viagens — Foto: Divulgação/Sony

3. Nada portátil

Os Discmans dos anos 1990, tanto da Sony quanto de outras marcas que embarcaram na onda, eram apenas relativamente portáteis. Se não cabiam no bolso, ao menos podiam ser transportados facilmente na bolsa ou mochila. Além disso, era fácil encontrar acessórios que fixavam esses aparelhos em peças de roupa de forma prática.

Mas isso não vale para os primeiros dispositivos lançados: pesando 590 gramas e com 4,2 centímetros de altura, o D-50 foi lançado em 1984 pela Sony com o destaque de ser o primeiro reprodutor portátil de CDs, além de menor CD player do mundo da época.

Sony D-20, de 1987, era menor e já trazia o nome Discman em destaque — Foto: Divulgação/Sony Sony D-20, de 1987, era menor e já trazia o nome Discman em destaque — Foto: Divulgação/Sony

Sony D-20, de 1987, era menor e já trazia o nome Discman em destaque — Foto: Divulgação/Sony

4. O que importa é o conteúdo

Katsuaki Tsurushima, executivo chefe de engenharia da Sony, teve a ideia do CD player portátil que tivesse mais ou menos a espessura de quatro caixas de CDs empilhadas, tais eram as restrições técnicas da época em relação à miniaturização de componentes. A Sony também abriu mão de lançar um design atraente: havia pressa para ser o primeiro no mercado e bater rivais que tinham bom domínio da tecnologia de CDs, como a Philips.

Com o tempo, discmans ficaram menores e melhores — Foto: Divulgação/Sony Com o tempo, discmans ficaram menores e melhores — Foto: Divulgação/Sony

Com o tempo, discmans ficaram menores e melhores — Foto: Divulgação/Sony

5. Aposta no futuro

O D-50 chegou ao mercado custando 49,800 yens no Japão, valor relativo à metade do custo que a Sony tinha na fabricação do produto. A companhia resolveu encarar uma margem mais apertada de lucros porque apostava no sucesso do conceito e queria popularizar o formato dos CDs. Essa foi inclusive uma estratégia para se recuperar do fracasso do formato Betamax de vídeo, diante das fitas VHS.

Sucesso do formato motivou outras marcas a investir e lançarem os "seus" discman — Foto: Divulgação/Philips Sucesso do formato motivou outras marcas a investir e lançarem os "seus" discman — Foto: Divulgação/Philips

Sucesso do formato motivou outras marcas a investir e lançarem os "seus" discman — Foto: Divulgação/Philips

6. Som pulando

Quem curtia usar um discman em movimento precisava se acostumar com um problema: o som podia “pular” com movimentos bruscos que provocassem algum desalinhamento do CD durante a reprodução. Com o tempo, modelos mais avançados trouxeram tecnologias como o buffer, utilizado para guardar alguns segundos de música na memória, cobrindo os pulos. Esses recursos corrigiram o problema até que ele ficasse bem raro nos últimos modelos.

Modelos mais novos passaram a mitigar o problema dos pulos — Foto: Divulgação/Sony Modelos mais novos passaram a mitigar o problema dos pulos — Foto: Divulgação/Sony

Modelos mais novos passaram a mitigar o problema dos pulos — Foto: Divulgação/Sony

7. Milhões e milhões de unidades vendidas

Números de 2009 mostram que a linha de produtos Walkman da Sony – que agrega os players de cassetes e de CDs – havia vendido mais de 385 milhões de unidades desde o lançamento do primeiro modelo, em 1979. Separar os números das duas linhas é uma tarefa complicada, principalmente porque, nos anos 2000, a Sony passou a usar o termo Walkman CD para seus reprodutores portáteis de disco. Os últimos Walkman da fabricante japonesa foram lançados em 2010.

Sony produziu reprodutores de CDs portáteis até 2010; mas seguiu usando a marca "Walkman" em outros produtos — Foto: Fabricio Vitorino/TechTudo Sony produziu reprodutores de CDs portáteis até 2010; mas seguiu usando a marca "Walkman" em outros produtos — Foto: Fabricio Vitorino/TechTudo

Sony produziu reprodutores de CDs portáteis até 2010; mas seguiu usando a marca "Walkman" em outros produtos — Foto: Fabricio Vitorino/TechTudo

8. Planejar a trilha sonora com antecedência

Com smartphones capazes de carregar milhares de músicas e acesso a serviços de streaming como Spotify, Apple Music e Deezer, por exemplo, ficou mais fácil planejar as músicas para ouvir em um passeio. Agora, basta escolher o que der vontade na hora e começar a ouvir.

Nos tempos dos discman, as coisas eram mais complicadas. Se o seu modelo só lia CDs de áudio, você precisava escolher com cuidado. As coisas melhoraram nos anos 2000, quando os discmans passaram a reproduzir CDs com arquivos em MP3, algo que permitiu que, em vez de alguns faixas, você tivesse acesso a centenas de músicas no mesmo disco.

CDs ofereciam capacidade de armazenamento limitada — Foto: Reprodução/Pond5 CDs ofereciam capacidade de armazenamento limitada — Foto: Reprodução/Pond5

CDs ofereciam capacidade de armazenamento limitada — Foto: Reprodução/Pond5

9. Desgaste

Se você ainda é fã do formato, seja cuidadoso com seu discman e se prepare para a inevitável morte do aparelho. O laser que lê os discos sofre desgaste com o tempo, assim como os mecanismos de acionamento da bandeja, que fazem o CD girar.Embora alguns reparos sejam possíveis, como regulagens em potenciômetros e outros procedimentos do tipo, ou até a troca do laser e do motor, a verdade é que você estará apenas adiando o inevitável.

10. O Walkman CD ainda vive

Ainda há fabricantes menores que lançam reprodutores portáteis de CDs na China, e alguns podem ser encontrados à venda nas grandes lojas de comércio eletrônico do país, assim como peças de reposição, se você quiser um novo laser para consertar um aparelho antigo, por exemplo. O curioso é que alguns desses modelos usam o nome “Walkman” e “Walkman CD”. Isso porque a Sony licencia o uso das marcas para essas fabricantes até hoje.

Walkmans atuais rodam Android — Foto: Isadora Díaz/TechTudo Walkmans atuais rodam Android — Foto: Isadora Díaz/TechTudo

Walkmans atuais rodam Android — Foto: Isadora Díaz/TechTudo

Mais do TechTudo