Media Centers

Por Filipe Garrett, para o TechTudo


O Chromecast, lançado em 2013, revolucionou o mercado ao oferecer um media center portátil para transformar a TV em smart. De lá para cá, o Google atualizou a linha com sucessivas gerações do dongle. Entre elas estão o Chromecast 2, que trouxe o design arredondado utilizado até hoje, e o Chromecast Ultra, única versão 4K disponível.

Por fim, a fabricante apresentou o Chromecast 3, lançado em 2018 com poucas mudanças de hardware em relação à segunda geração. Confira a seguir mais informações a respeito da ficha técnica das diferentes versões e saiba qual é a melhor opção para você.

Quer comprar celular, TV e outros produtos com desconto? Conheça o Compare TechTudo

Chromecast: dicas para quem quer comprar o aparelho

Chromecast: dicas para quem quer comprar o aparelho

Todos os aparelhos têm conexão HDMI e utilizam a rede Wi-Fi para funcionar, além de serem dependentes de um smartphone ou computador para espelhamento de tela e streaming. Também é possível utilizar um cabo Ethernet para melhorar o desempenho da rede, mas, para isso, é necessário um adaptador específico.

Outro ponto em comum é que os dispositivos contam com USB para alimentação, ligando diretamente à TV. Além disso, está presente a função HDMI CEC, que permite utilizar o controle remoto do televisor para controlar o dongle e as interfaces dos aplicativos transmitidos.

O melhor para 4K

Chromecast Ultra – US$ 69

Mais caro da linha, o Ultra é o único com suporte ao 4K — Foto: Divulgação/Google Mais caro da linha, o Ultra é o único com suporte ao 4K — Foto: Divulgação/Google

Mais caro da linha, o Ultra é o único com suporte ao 4K — Foto: Divulgação/Google

Lançado ainda em outubro de 2016, o modelo Ultra tem o mesmo formato da segunda geração do dongle, mas segue sendo a única versão a oferecer suporte à resolução 4K. O dispositivo pode ainda transmitir imagens com recursos como HDR e Dolby Vision. O Ultra HD é possível por conta do hardware mais robusto em relação às outras versões do acessório, todas limitadas ao Full HD.

A grande questão a respeito do investimento no modelo 4K fica por conta da qualidade da conexão com a Internet e do roteador responsável por distribuir o sinal. O streaming nessas resoluções exige uma largura de banda maior para que não ocorram travamentos constantes e perda de qualidade.

Por isso, mesmo que você tenha um televisor 4K, talvez seja interessante considerar a qualidade da sua rede antes de comprar o Chromecast Ultra. O Google recomenda taxas de 20 Mb/s (megabits por segundo), enquanto a Netflix fala em pelo menos 25 Mb/s para que o streaming em 4K funcione devidamente. Vale lembrar que o modelo é o único que não foi lançado oficialmente no Brasil. Na loja do Google nos EUA, seu preço oficial é de US$ 69 (cerca de R$ 265 em conversão direta, sem impostos).

O melhor para Full HD

Chromecast 3 – R$ 349

Chromecast 3 segue com o design redondo iniciado no Chromecast 2 e vai só até Full HD — Foto: Luciana Maline/TechTudo Chromecast 3 segue com o design redondo iniciado no Chromecast 2 e vai só até Full HD — Foto: Luciana Maline/TechTudo

Chromecast 3 segue com o design redondo iniciado no Chromecast 2 e vai só até Full HD — Foto: Luciana Maline/TechTudo

A terceira geração do dongle foi apresentada em outubro de 2018 e, embora mais recente que o modelo Ultra, não suporta resoluções 4K. Assim como outros modelos, o Chromecast 3 vai até o Full HD a 60 fps.

Essa oferta de 60 quadros por segundo é um avanço diante dos outros dois modelos Full HD, já que tanto a primeira quanto a segunda gerações estão restritas aos 30 fps. Embora o dobro de frames por segundo faça mais diferença para jogos no Android do que para streaming de vídeos, a novidade é bem-vinda também para quem curte acompanhar transmissões de games via Twitch ou vídeos no YouTube.

Mas embora não acompanhe o Ultra na resolução, o Chromecast 3 garante melhorias importantes em relação aos modelos anteriores com resolução de 1080p. Para começar, o dispositivo carrega vídeos mais rapidamente e, por oferecer Wi-Fi dual-band, terá acesso a redes de 5 GHz, o que deve melhorar a conexão, desde que o roteador utilizado tenha suporte às duas faixas. O modelo chegou ao Brasil em fevereiro de 2019 por R$ 349, mas já pode ser encontrado por cerca de R$ 200 no varejo online.

Chromecast 2 ainda vale a pena?

Chromecast 2 ainda é encontrado no mercado e pode ser uma boa opção, desde que o preço seja em conta comparado com o 3 — Foto: Camila Peres/TechTudo Chromecast 2 ainda é encontrado no mercado e pode ser uma boa opção, desde que o preço seja em conta comparado com o 3 — Foto: Camila Peres/TechTudo

Chromecast 2 ainda é encontrado no mercado e pode ser uma boa opção, desde que o preço seja em conta comparado com o 3 — Foto: Camila Peres/TechTudo

Tanto o Chromecast de primeira geração quanto a versão 2 do acessório já saíram de linha. Isso significa que os produtos não são mais fabricados e vendidos pelo Google. Portanto, pode ser difícil achar um dispositivo novo à venda no e-commerce, sendo necessário recorrer a um aparelho de segunda mão. É possível encontrar o modelo a preços que começam em R$ 170.

Em termos de usabilidade, o Chromecast 2 não é muito diferente das versões Ultra e 3. O dongle tem suporte a redes de 2.4 e 5 GHz e traz design arredondado. O grande sacrifício aqui fica por conta da resolução, limitada ao Full HD, e da taxa de até 30 fps em resolução máxima.

E o primeiro Chromecast?

Primeira versão do acessório não é mais fabricada e tem velocidade de conexão mais limitada — Foto: Anna Kellen Bull/TechTudo Primeira versão do acessório não é mais fabricada e tem velocidade de conexão mais limitada — Foto: Anna Kellen Bull/TechTudo

Primeira versão do acessório não é mais fabricada e tem velocidade de conexão mais limitada — Foto: Anna Kellen Bull/TechTudo

Já o Chromecast de primeira geração, com formato de pen-drive, tem alguns aspectos que devem ser levados em conta. Além de reproduzir vídeos apenas em resolução Full HD a 30 fps, essa edição do dongle é a única que não conta com suporte a redes Wi-Fi dual-band. Restrito a conexões em 2,4 GHz, o primeiro modelo acaba limitado a redes mais lentas, se comparado aos demais. Isso pode comprometer a experiência do usuário, dependendo do tipo de roteador utilizado e do quão congestionada é a rede local.

Além disso, o dispositivo foi lançado em julho de 2013, e encontrar o produto novo no mercado é bem complicado. Apesar disso, ainda é possível encontrar um modelo usado e com preço em conta, o que pode ser uma boa opção para quem não pretende gastar muito.

Fique atento às cópias

Há uma série de versões “inspiradas” no Chromecast de origem chinesa. Esses dongles utilizam as mesmas tecnologias abertas do Google para dar acesso à tecnologia de streaming, mas é importante considerar que a qualidade pode variar bastante. Por conta disso, fique de olho nos sinais que denunciam cópias e procure saber mais sobre aparelhos de outras marcas que podem decepcionar em termos de qualidade e funcionalidades.

Vale a pena comprar um Chromecast? Comente no Fórum do TechTudo

Mais do TechTudo