Por Débora de Brito, para o TechTudo


Mitos envolvendo pro players são comuns nos fóruns e comunidades de esports. Um dos boatos mais famosos envolve o jogador Felipe "brTT" Gonçalves, atual AD Carry do Flamengo eSports, com uma suposta prisão. Algumas especulações são compartilhadas tantas vezes que as pessoas passam a acreditar na informação recebida, mesmo ela sendo incorreta ou até mesmo falsa. Os casos podem prejudicar a reputação do jogador e, eventualmente, atraem consequências para suas carreiras. Confira, a seguir, cinco situações que surgiram como boatos incluindo pro players de League of Legends (LoL) e Counter Strike: Global Offensive (CS:GO).

É importante destacar que o boato sobre a prisão do brTT é um caso de fake news, ou seja, uma notícia falsa que ganhou força após ser compartilhada muitas vezes na Internet. É preciso tomar cuidado e sempre verificar se uma informação é verdadeira ou não antes de compartilhá-la nas redes sociais. O TechTudo já publicou uma lista com sites que ajudam a checar se uma notícia é falsa, assim como tutoriais para identificar fake news no WhatsApp e denunciar casos parecidos no Facebook.

brTT joga pelo Flamengo eSports desde 2018 — Foto: Divulgação/Riot Games brTT joga pelo Flamengo eSports desde 2018 — Foto: Divulgação/Riot Games

brTT joga pelo Flamengo eSports desde 2018 — Foto: Divulgação/Riot Games

A suposta prisão de brTT

Atualmente brTT é o AD Carry do Flamengo eSports — Foto: Divulgação/Riot Games Atualmente brTT é o AD Carry do Flamengo eSports — Foto: Divulgação/Riot Games

Atualmente brTT é o AD Carry do Flamengo eSports — Foto: Divulgação/Riot Games

Antes de tudo, é importante destacar que esse é um boato falso. A notícia surgiu em 2013 com a divulgação de uma foto de brTT conversando com um policial em um evento, e de uma publicação feita na conta do Facebook do jogador por sua namorada, Giuliana Capitani, conhecida como Caju. O post na rede social afirmava que brTT havia sido preso por "tráfico de shemales" e ainda citava outras polêmicas nas quais o player estava envolvido. Ao fim da postagem, Caju desmentiu o rumor e fala com sarcasmo sobre os boatos que circulam na rede. A suposta prisão de brTT ganhou tanto destaque que se tornou meme na Internet e passou a ser usada em uma série de publicações no Facebook.

fnx tem conta banida pela VAC

fnx representando a Luminosity Gaming em competição — Foto: Reprodução/Fragbite fnx representando a Luminosity Gaming em competição — Foto: Reprodução/Fragbite

fnx representando a Luminosity Gaming em competição — Foto: Reprodução/Fragbite

O rumor no qual Lincoln "fnx" Lau teria uma conta na Steam banida pela Valve Anti-Cheat (VAC) e associada ao seu perfil no Electronic Sports League (ESL) surgiu em 2014 em fóruns do HLTV e da Steam. No entanto, um tuíte do jornalista Duncan "Thorin" Shields, que chamava a atenção para a "tranquilidade" dos brasileiros sobre a possível conta banida de fnx, trouxe visibilidade ao caso. Na época a Luminosity Gaming, equipe na qual o jogador fazia parte, se posicionou publicamente. Segundo a Luminosity, as investigações foram realizadas e fnx "estava limpo".

Devido à política de banimento da Valve, se a conta pertencesse a fnx, deveria ser aplicada alguma restrição à atuação do jogador em campeonatos, mas a organização nunca se pronunciou e não há evidências de nenhum dos lados sobre a veracidade da conta.

Quer comprar consoles, jogos e outros produtos com desconto? Conheça o Compare TechTudo

Immortals jogou de ressaca e atrasou a final de DreamHack Open

Line up da Immortals durante campeonato — Foto: Divulgação/DreamHack Line up da Immortals durante campeonato — Foto: Divulgação/DreamHack

Line up da Immortals durante campeonato — Foto: Divulgação/DreamHack

Em 2017 a Immortals foi finalista do Major Kraków e do DreamHack Montreal, mas a equipe ficou em segundo lugar nos dois campeonatos e levou, respectivamente, a premiação de U$ 150 mil (R$ 561 mil em conversão direta) e U$ 20 mil (R$ 74 mil). Uma das razões para o time não ter ganho a competição realizada em Montreal, no Canadá, foi o atraso dos brasileiros à disputa, o que resultou em um walkover (WO) no primeiro mapa, de forma que a competição iniciou com 1-0 para a North e, abalada, a Immortals perdeu a competição no Cobblestone por 2-0. Além das consequências pelo atraso, os integrantes da equipe foram acusados de passarem a noite anterior à partida em festas e de jogarem de ressaca.

Os envolvidos eram Lucas "LUCAS1" Teles, Henrique "HEN1" Teles e Vito "kNg" Giuseppe, mas o trio negou as alegações que vieram da Counter Logic Gaming (CLG), equipe que foi eliminada do torneio pela Immortals. O boato ganhou força com o depoimento de Lucas "steel" Lopes e Ricardo "boltz" Prass à ELEAGUE Premier. Apesar das especulações acerca da razão pela qual os jogadores atrasaram, não há provas de que tenham passado a noite em festas.

s1mple já foi banido pela VAC

s1mple durante IEM Katowice Major 2019 — Foto: Divulgação/ESL s1mple durante IEM Katowice Major 2019 — Foto: Divulgação/ESL

s1mple durante IEM Katowice Major 2019 — Foto: Divulgação/ESL

Oleksandr "s1mple" Kostyliev, da Na'Vi, nunca recebeu um VAC ban, mas já foi banido das competições organizadas pela ESL em 2013 por usar cheat. O jogador chegou a burlar o banimento e insistiu no cenário, mas foi pego novamente, em 2014, recebendo outro banimento que se estendeu até 2016. Mesmo nesse período o pro player ucraniano pôde continuar participando de campeonatos organizados por outras empresas, como a Valve. O boato de que s1mple teria levado ban pela VAC e ainda assim continuou jogando surgiu com o banimento de Vinicius “v$m” Moreira, no ano passado, quando a comunidade dos esports manteve o assunto nos fóruns e nas redes sociais e discutiu a origem da punição.

Como montar um PC gamer barato que rode GTA 5 e CS GO? Veja qual escolher no Fórum TechTudo

Søren "Bjergsen" Bjerg usa medicação irregular para desempenho

Mid laner da Team SoloMid, Søren "Bjergsen" Bjerg — Foto: Divulgação/Riot Games Mid laner da Team SoloMid, Søren "Bjergsen" Bjerg — Foto: Divulgação/Riot Games

Mid laner da Team SoloMid, Søren "Bjergsen" Bjerg — Foto: Divulgação/Riot Games

Søren "Bjergsen" Bjerg, o mid laner da equipe norte americana SoloMid, foi acusado, em 2016, de usar suplementos de desempenho para as competições. O rumor surgiu com uma propaganda do medicamento no Facebook, que usava uma foto do jogador e o associava ao produto. A partir da publicidade, diversos veículos divulgaram que o mid laner fazia uso das drogas, consideradas irregulares nas competições. Em sua conta oficial no Twitter Bjergsen desmentiu a informação.

Em tradução literal: "Quero deixar claro que esses anúncios pagos no Facebook usando remédios e possivelmente sendo suspensos são todos falsos", publicou. "Eles estão tentando usar meu nome para vender seu produto estúpido, por favor, informe o anúncio se ele aparecer em seu feed, também trabalhando para removê-lo."

Mais do TechTudo