Times

Por Lucas Batista, para o TechTudo


Organizações com times em diferentes jogos competitivos, como Counter-Strike: Global Offensive (CS:GO) e Rainbow Six: Siege, podem optar por sair de modalidades. A Brazilian Crusaders, por exemplo, anunciou na última segunda-feira (1) que encerrará todas suas atividades, mesmo após o seu time se classificar para a GLL Grand Slam, Major de PlayerUnknown's Battlegrounds (PUBG). Outras equipes famosas, como a SK Gaming que fez sucesso com sua line up brasileira, também abandonaram alguns cenários. Relembre, a seguir, cinco orgs que desistiram de suas line ups em diferentes modalidades de esports, diversos times citados são do Brasil.

Fim da Brazilian Crusaders

A Brazilian Crusaders encerrou suas atividades por falta de patrocínios — Foto: Divulgação/Brazilian Crusaders A Brazilian Crusaders encerrou suas atividades por falta de patrocínios — Foto: Divulgação/Brazilian Crusaders

A Brazilian Crusaders encerrou suas atividades por falta de patrocínios — Foto: Divulgação/Brazilian Crusaders

Referência nacional em jogos Battle Royale, a Brazilian Crusaders era representada por line ups no PlayerUnknown's Battlegrounds (PUBG), Free Fire, PUBG Mobile, Fortnite, dentre outros jogos. No PUBG, a equipe vivia grande fase até junho de 2019, quando venceu a ESL LA League e conseguiu vaga para representar o Brasil na GLL Grand Slam, Major do game. Porém, alegando falta de patrocínios e investimento, o time anunciou em sua conta oficial do Twitter que encerrará todas suas atividades e deixará suas line ups para trás.

SK Gaming no CS:GO

A SK Gaming faz história em 2016 com o primeiro título na ESL One: Cologne — Foto: Divulgação/ESL A SK Gaming faz história em 2016 com o primeiro título na ESL One: Cologne — Foto: Divulgação/ESL

A SK Gaming faz história em 2016 com o primeiro título na ESL One: Cologne — Foto: Divulgação/ESL

Alemã, a SK Gaming é uma organização tradicional nos esports desde o Counter-Strike 1.6. Também foi vestindo as cores da SK que o Brasil teve seu período mais vitorioso na história do CS:GO. A equipe capitaneada por Gabriel "FalleN" Toledo foi campeã de Major, de duas ESL One Cologne, da ESL Pro League Season 6 e diversos outros torneios. Porém, desde que o quinteto brasileiro foi para a MIBR, em junho de 2018, a tradicional organização alemã ficou sem elenco algum para disputar torneios de CS:GO, apesar de ainda possuir equipes de outros jogos, como League of Legends (LoL).

Quer comprar jogos, consoles e PCs com desconto? Conheça o Compare TechTudo

Operation Kino no League of Legends

O começo de CBLoL de Dynquedo foi pela Operation Kino — Foto: Divulgação/Riot Games O começo de CBLoL de Dynquedo foi pela Operation Kino — Foto: Divulgação/Riot Games

O começo de CBLoL de Dynquedo foi pela Operation Kino — Foto: Divulgação/Riot Games

Fundada em 2016, a Operation Kino esteve presente no CBLoL do primeiro split de 2016 ao segundo de 2017, quando foi rebaixada para o Circuito Desafiante. A organização já contou com diversos jogadores renomados no cenário brasileiro de League of Legends, como é o caso de Matheus "Dynquedo" Rossini, atualmente na KaBuM! e-Sports e vencedor do Prêmio eSports Brasil 2018. Após mau desempenho no primeiro split de 2018, a Operation Kino optou por vender sua vaga no Circuitão para a Rensga Esports, que está estreando na modalidade.

LeStream Esports no Rainbow Six

Os ex-jogadores da LeStream Esports agora são free agents — Foto: Divulgação/Ubisoft Os ex-jogadores da LeStream Esports agora são free agents — Foto: Divulgação/Ubisoft

Os ex-jogadores da LeStream Esports agora são free agents — Foto: Divulgação/Ubisoft

A organização francesa da LeStream Esports contava com uma equipe forte na região de mais títulos internacionais do Rainbow Six, a Europa. O time foi um dos representantes europeus na ESL Pro League Season 9 do jogo da Ubisoft e estava liderando a décima temporada da fase classificatória também da Pro League. Apesar dos bons resultados, a organização resolveu abandonar sua equipe e todo o R6, pois não participava do programa piloto de distribuição de renda, que incluía venda de itens com o logo do time, e com isso a arrecadação se tornava algo baixo.

FPS está baixo em todos os jogos, o que fazer? Usuários ajudam a resolver no Fórum do TechTudo

100T no CS:GO

Matthew "Nadeshot" Haag é fundador da 100 Thieves e optou por deixar o CS:GO — Foto: Divulgação/100 Thieves Matthew "Nadeshot" Haag é fundador da 100 Thieves e optou por deixar o CS:GO — Foto: Divulgação/100 Thieves

Matthew "Nadeshot" Haag é fundador da 100 Thieves e optou por deixar o CS:GO — Foto: Divulgação/100 Thieves

Equipe norte-americana famosa pela participação no competitivo de Call of Duty e League of Legends, a 100 Thieves contratou em dezembro de 2017 uma line up totalmente brasileira para disputar competições de CS:GO. A equipe tinha como base jogadores renomados, como os gêmeos Henrique "HEN1" Teles e Lucas "LUCAS1" Teles, além de Vito "kNg-" Giuseppe. Entretanto, o quinteto mal jogou junto, já que tiveram muitos problemas de visto para participarem de partidas em solo norte-americano.

Em janeiro de 2018, kNg- discutiu de forma agressiva via Twitter com o jornalista britânico Duncan "Thorin" Shields, o que fez com que o jogador brasileiro fosse expulso da equipe. Uma semana após o ocorrido, a organização da 100T anunciou que deixaria o CS:GO para trás e estava liberando todos seus pro players do jogo.

Mais do TechTudo