Redes sociais

Por Clara Fabro, para o TechTudo


As redes sociais estão em constante mudança, sempre fornecendo atualizações que trazem funções inéditas ou que reformulam o visual do aplicativo. Para bem ou mal, recursos novos podem provocar controvérsias por questões de privacidade e nem sempre as novidades caem nas graças do público.

Reconhecimento facial no Facebook, implementação dos famigerados Stories em vários apps e o alerta de print são algumas das funcionalidades polêmicas dos últimos anos. Confira na lista a seguir sete casos de recursos que deram o que falar nas redes sociais.

Funções foram agregadas e removidas das redes sociais nos últimos anos — Foto: Nicolly Vimercate/TechTudo Funções foram agregadas e removidas das redes sociais nos últimos anos — Foto: Nicolly Vimercate/TechTudo

Funções foram agregadas e removidas das redes sociais nos últimos anos — Foto: Nicolly Vimercate/TechTudo

Dia do Consumidor 2020: quer comprar celular, TV e outros produtos com desconto? Conheça o Compare TechTudo

1. Função stories

Twitter Fleets é o novo "Stories" do microblog — Foto: Rodrigo Fernandes/TechTudo Twitter Fleets é o novo "Stories" do microblog — Foto: Rodrigo Fernandes/TechTudo

Twitter Fleets é o novo "Stories" do microblog — Foto: Rodrigo Fernandes/TechTudo

O recurso de publicações efêmeras que desaparecem após 24 horas se espalhou para outras redes sociais além do Snapchat, primeira rede social a disponibilizar a ferramenta. Após a tentativa de compra mal-sucedida da rede social por Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, o recurso de stories passou a ser implementado em todas as redes sociais da companhia, tais como o Instagram, WhatsApp, Facebook e Messenger.

Além disso, outros softwares também passaram a utilizar stories em suas plataformas, como a Netflix e o YouTube. Agora, o Twitter também embarca no uso das publicações efêmeras, os Fleets, que funcionam como os stories do Instagram, e que podem ser respondidos por mensagens diretas (DM), mas não podem ser retuitados.

2. Reconhecimento facial no Facebook

Função para desativar reconhecimento facial foi habilitada só em 2019 — Foto: Raquel Freire/TechTudo Função para desativar reconhecimento facial foi habilitada só em 2019 — Foto: Raquel Freire/TechTudo

Função para desativar reconhecimento facial foi habilitada só em 2019 — Foto: Raquel Freire/TechTudo

O Facebook deixou o recurso de reconhecimento facial ativado por anos, o que permitia que a própria plataforma fizesse a marcação de usuários em fotos de maneira automática. Entretanto, a função mostrou-se controversa, já que não permitia que usuários a desativassem, e sim que apenas rejeitassem sua marcação nas fotos.

Por este motivo, o reconhecimento facial utilizado pelo Facebook suscitou debates sobre privacidade, já que os rostos de usuários da plataforma foram "escaneados" sem a autorização explícita deles. A opção de desativar a função ficou disponível apenas em 2019, quando o Facebook passou a pedir permissão de usuários para utilizar o serviço de reconhecimento facial.

Além disso, a função também levanta debates sobre preconceito, já que os treinamentos de verificação da tecnologia são feitos com base em rostos de homens brancos, o que faz com que o reconhecimento facial de homens brancos se sobreponha ao de mulheres e de pessoas negras, segundo informações do site Vox.

3. Limite de caracteres no Twitter

Twitter aumentou o limite de caracteres da plataforma, mas mudança não afetou forma de escrita de usuários  — Foto: Marvin Costa/TechTudo Twitter aumentou o limite de caracteres da plataforma, mas mudança não afetou forma de escrita de usuários  — Foto: Marvin Costa/TechTudo

Twitter aumentou o limite de caracteres da plataforma, mas mudança não afetou forma de escrita de usuários — Foto: Marvin Costa/TechTudo

Em 2017, o CEO da companhia, Jack Dorsey, anunciou via um tuíte que o limite de caracteres na plataforma dobraria de 140 para 280, já que a restrição de 140 foi uma "escolha arbitrária baseada no limite de 160 caracteres dos SMS". Na época, a escolha não agradou muitos usuários, que acreditaram que a rede social estivesse perdendo a proposta de ser uma rede de mensagens curtas.

Entretanto, a mudança não alterou o uso do microblog, e teve pouco impacto no tamanho dos tuítes, segundo informações do site TechCrunch. De acordo com o site, em 2018, um ano após a mudança da quantidade máxima de caracteres dos tuítes, cerca de 1% deles atingiram o limite máximo de 280 caracteres, e apenas 12% ultrapassaram 140 caracteres.

4. Aviso de print no Snapchat

Snapchat disponibilizou envio de notificação para prints, recurso copiado pelo Instagram  — Foto: Carolina Ochsendorf/TechTudo        Snapchat disponibilizou envio de notificação para prints, recurso copiado pelo Instagram  — Foto: Carolina Ochsendorf/TechTudo

Snapchat disponibilizou envio de notificação para prints, recurso copiado pelo Instagram — Foto: Carolina Ochsendorf/TechTudo

O Snapchat tem uma função de alerta de print que mostrava aos usuários quem tira captura de tela das suas histórias. O conteúdo, que é apagado automaticamente quando completa 24h, muitas vezes é utilizado por ter esta ação de se "autodestruir". Por este motivo, a plataforma começou a enviar notificações de quando usuários faziam prints e, nas histórias, uma seta verde ao lado do usuário indica quem fez a captura de tela.

O Instagram chegou a testar a mesma função por um tempo, e um símbolo de "flash" era exibido ao lado no nome do usuário que fez a captura. Porém, esta ideia foi abandonada, e a empresa apenas manteve notificações de prints em fotos e vídeos enviados por mensagens privadas via direct.

5. Publicar GIFs

A função de GIFs foi disponibilizada em 2017  — Foto: Divulgação/Facebook A função de GIFs foi disponibilizada em 2017  — Foto: Divulgação/Facebook

A função de GIFs foi disponibilizada em 2017 — Foto: Divulgação/Facebook

Com a política de manter o visual limpo, o Facebook, desde o início da década, afirmava que não pretendia autorizar a "poluição visual no site" com a publicação de GIFs. Mirando em uma "melhor experiência de uso", as animações rápidas não eram bem-vindas, o que mudou em 2017, quando o Facebook decidiu implementar um novo botão "GIF" nos comentários, permitindo que usuários utilizassem as divertidas animações.

6. O "visto por último" e "online" em chats

WhatsApp avisa quando usuário está "online" — Foto: Anna Kellen Bull/TechTudo WhatsApp avisa quando usuário está "online" — Foto: Anna Kellen Bull/TechTudo

WhatsApp avisa quando usuário está "online" — Foto: Anna Kellen Bull/TechTudo

Existem debates acerca da invasão à privacidade do usuário pela função "online" e "visualizado" de aplicativos de mensagens como o Messenger, WhatsApp, Tinder e o direct do Instagram. O Messenger permite que usuários fiquem offline para amigos, mas, em contrapartida, não permite que você veja quais amigos estão online. Vale ressaltar que o WhatsApp permite desativar o "visto por último", mas não o "online".

Um dos mensageiros mais famosos do início da década, o MSN, também contava com recursos como visualização de mensagens mas, ao contrário dos apps recentes, permitia que usuários mudassem seus status para "ausente", "invisível" ou "ocupado".

7. Algoritmo no feed

A ordem em que as publicações de amigos em redes sociais aparecem ainda é um mistério, já que o critério de aplicação e funcionamento deles não é claro. Redes sociais como Twitter e Facebook mudaram seu algoritmo nos últimos anos, modificando a ordem das publicações, que antes mostrava os posts mais recentes de amigos. A mudança não agradou muitos usuários, e as redes disponibilizaram filtros para aqueles que preferiam ver as publicações mais recentes, resgatando o feed cronológico.

Qual a sua rede social favorita? Deixe sua opinião no Fórum do TechTudo.

Redes sociais que (quase) todo mundo já usou

Redes sociais que (quase) todo mundo já usou

Mais do TechTudo