Atletas

Por Victor de Abreu, para o TechTudo


Jogadores profissionais de esportes eletrônicos, como League of Legends (LoL), Street Fighter ou DotA 2, podem receber multas e suspensões nos games. As punições são motivados por diversas infrações, como toxicidade ou uso de programas ilegais em torneios. No entanto, alguns jogadores já ganharam os holofotes fora do cenário e foram pegos infringindo leis em seus respectivos países, ocasionando até em prisões. A seguir, relembre alguns casos de pro players que foram parar atrás das grades.

Vamos lembrar de alguns jogadores no cenário de esports que foram parar na cadeia — Foto: Reprodução/ESL Vamos lembrar de alguns jogadores no cenário de esports que foram parar na cadeia — Foto: Reprodução/ESL

Vamos lembrar de alguns jogadores no cenário de esports que foram parar na cadeia — Foto: Reprodução/ESL

Quer comprar jogos, consoles e PCs com desconto? Conheça o Compare TechTudo

Kenji "Kuroda" Kuroda (Street Fighter III: 3rd Strike)

Lenda do Street Fighter, Kuroda foi preso por abuso sexual e acusado de cometer outros crimes semelhantes — Foto: Divulgação/9road Lenda do Street Fighter, Kuroda foi preso por abuso sexual e acusado de cometer outros crimes semelhantes — Foto: Divulgação/9road

Lenda do Street Fighter, Kuroda foi preso por abuso sexual e acusado de cometer outros crimes semelhantes — Foto: Divulgação/9road

O terceiro jogo da franquia Street Fighter pode não ter agradado uma certa parte dos fãs do game no mundo, mas ele conquistou uma legião de fãs no Japão, país onde estão os melhores jogadores do game até os dias de hoje. Entre eles está Kenji "Kuroda" Kuroda, jogador considerado uma lenda do Street Fighter III: 3rd Strike devido a sua grande habilidade com o "Q", um dos piores personagens do jogo, e seu excelente nível com os demais personagens presentes no elenco.

Infelizmente, sua carreira acabou manchada em junho de 2018, quando ele foi acusado de abusar sexualmente de uma jovem menor de idade do colegial. Quem descobriu o crime foi a própria mãe da jovem, que chamou a polícia e acusou Kuroda de levar sua filha para a casa dele, onde teria cometido o crime. O jogador confessou o crime tempo depois.

Li "Vasilii" Wei-Jun (League of Legends)

Vasilii foi preso por violência doméstica em 2017 — Foto: Divulgação/Riot Games Vasilii foi preso por violência doméstica em 2017 — Foto: Divulgação/Riot Games

Vasilii foi preso por violência doméstica em 2017 — Foto: Divulgação/Riot Games

O chinês Li "Vasilii" Wei-Jun é um jogador de League of Legends (LoL) que adquiriu fama por atuar como Atirador pela LMQ, equipe chinesa que competia na LCS, liga norte-americana de LoL, e que chegou a participar do Mundial de LoL em 2014. Após deixar a LMQ no mesmo ano, Vasilii passou por diversas outras equipes, até chegar na Newbee, organização famosa pelo DotA 2. Durante esse período, ele já havia cometido algumas falhas de conduta, como quebrar seu próprio teclado por conta de uma derrota e abandonar uma partida profissional para reclamar com o árbitro.

O estopim veio quando ele fazia uma transmissão em outubro de 2017. Após uma derrota na SoloQ, o jogador perdeu o controle e começou a quebrar o que havia em seu caminho. Não demorou até sua namorada aparecer para tentar acalmá-lo, mas não adiantou, e Vasilii acabou a atacando também. Minutos depois, a polícia apareceu, e o jogador foi detido por violência doméstica. Depois do fato, a Newbee encerrou o contrato com o jogador, e a Riot Games também o baniu do competitivo por 20 meses, punição essa que se encerrou em janeiro deste ano.

Andre “OMGItzAndre” Howard (Ultimate Marvel vs Capcom 3)

OMGItzAndre foi preso duas vezes e banido de diversos eventos de jogos de luta — Foto: Reprodução/Team Khaos OMGItzAndre foi preso duas vezes e banido de diversos eventos de jogos de luta — Foto: Reprodução/Team Khaos

OMGItzAndre foi preso duas vezes e banido de diversos eventos de jogos de luta — Foto: Reprodução/Team Khaos

O jogador Andre “OMGItzAndre” Howard ficou bastante conhecido pelas suas participações em competições no cenário norte-americano de Ultimate Marvel vs Capcom 3 e também em Street Fighter V. Sua fama, no entanto, não cresceu por conta de grandes conquistas em sua carreira, mas sim devido às polêmicas que ele se envolveu, tanto dentro do cenário de jogos de luta, como em sua vida pessoal, o que o fez se afastar de vez da comunidade nos dias de hoje.

Em 2016, Howard foi preso duas vezes pelas mesmas razões: fraude de identidade e uso inadequado do cartão de crédito. Suas atitudes o fizeram ser demitido da Mutiny Gaming, organização com a qual o jogador tinha contrato na época. Já em torneios de jogos de luta, Andre também foi acusado de não pagar seus quartos de hotéis, por comportamento tóxico e por agressão a uma ex-namorada em 2015, o que o fez ser banido de diversos eventos na comunidade também.

Lee "Life" Seung Hyun (StarCraft II)

Life foi preso por 18 meses em 2016 após escândalo de manipulação de resultados — Foto: Divulgação/Team Liquid Life foi preso por 18 meses em 2016 após escândalo de manipulação de resultados — Foto: Divulgação/Team Liquid

Life foi preso por 18 meses em 2016 após escândalo de manipulação de resultados — Foto: Divulgação/Team Liquid

O sul-coreano Lee "Life" Seung Hyun é considerado até hoje como um dos melhores jogadores de StarCraft II de todos os tempos, tendo conquistado o mundial da categoria em 2014 e outros grandes títulos durante sua carreira. Embora tenha adquirido enorme sucesso, sua jornada profissional foi interrompida devido a sua participação em um dos capítulos mais polêmicos e decepcionantes do competitivo do StarCraft II, e também dos esportes eletrônicos em geral.

Em 2015, na primeira temporada da KesPa Cup, o cenário sul-coreano de StarCraft II foi atingido por um enorme escândalo de manipulação de resultados, onde alguns jogadores, incluindo o próprio Life, perderam de forma intencional em troca de dinheiro. O esquema foi descoberto em 2016 e, por ser considerado crime no país, Life foi condenado a 18 meses de prisão. Além de pagar uma multa, ele também recebeu um banimento permanente da KesPa, e outro banimento de três anos do competitivo de StarCraft.

Tomoyuki "Katsuninken" Inui (Dead or Alive)

Campeão mundial de Dead or Alive em 2005, Katsuninken foi preso por roubos e culpou a queda do competitivo do game — Foto: Reprodução/GameCrate Campeão mundial de Dead or Alive em 2005, Katsuninken foi preso por roubos e culpou a queda do competitivo do game — Foto: Reprodução/GameCrate

Campeão mundial de Dead or Alive em 2005, Katsuninken foi preso por roubos e culpou a queda do competitivo do game — Foto: Reprodução/GameCrate

Tomoyuki "Katsuninken" Inui é um jogador japonês da franquia Dead or Alive. Ele ficou famoso ao vencer o torneio de Dead or Alive Ultimate na World Cyber Games 2005 e levar para casa a premiação de US$ 15 mil (cerca de R$ 70 mil em conversão direta). Tomoyuki sempre tratou Dead or Alive como seu jogo favorito, e buscava viver competindo em torneios profissionais do game. Porém, a queda de popularidade de Dead or Alive frustou seus planos.

Em 2019, Katsuninken foi descoberto roubando um total de US$ 23 mil (cerca de R$ 108 mil) de uma mulher de 84 anos em um hotel em Tóquio, Japão. Ao ser questionado, ele confirmou o crime para as autoridades, admitiu que sobrevivia apenas com roubos desde o ano de 2016, e atribuiu os crimes ao fracasso de Dead or Alive no competitivo. Dias depois, a Koei Tecmo, desenvolvedora da franquia, anunciou o circuito Dead or Alive 6 World Championship, com mais de US$ 90 mil (cerca de R$425 mil) em prêmio total.

Quer saber tudo sobre o universo de celulares, jogos, aplicativos e demais eletrônicos? É só dar uma olhada no nosso canal no YouTube:

Mais do TechTudo