Internet

Por Paulo Alves, para o TechTudo


Monitorar os casos e o número de mortes causadas pelo coronavírus no Brasil é possível com a ajuda de diversos sites. Além do Ministério da Saúde, que naturalmente concentra informações dos estados, iniciativas independentes ou ligadas a universidades e instituições de pesquisa buscam também contribuir para a divulgação de estatísticas da Covid-19 no país.

A busca por fontes alternativas surgiu como necessidade após mudança recente do Ministério da Saúde. Depois de sair do ar temporariamente, o portal oficial do Governo Federal sobre o coronavírus retornou com informações desencontradas e causou críticas de especialistas, inclusive da comunidade internacional. Veja, a seguir, sete ferramentas online que trazem informações sobre a pandemia do novo coronavírus no Brasil. É possível ter acesso a dados como número de casos por estado, quantidade de pessoas recuperadas e número de óbitos. Vale ressaltar que os dados podem ser diferentes de uma plataforma para outra, já que existem divergências na divulgação das informações.

Veja sete sites que mostram dados sobre o coronavírus no Brasil — Foto: Paulo Alves/TechTudo

Quer comprar celular, TV e outros produtos com desconto? Conheça o Compare TechTudo

1. Painel Conass

O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) mantém um painel (www.conass.org.br/painelconasscovid19/) com dados das secretarias estaduais atualizados diariamente às 18h. Dividido em duas colunas, ele mostra a lista de estados de um lado e o mapa do Brasil do outro, com destaques coloridos em áreas mais afetadas pelo coronavírus.

É possível organizar a lista por estado, número de casos ou óbitos, além da taxa de letalidade conforme a população. Além disso, um clique em uma das linhas altera o mapa para focar apenas no estado selecionado.

Há também a possibilidade de manusear os filtros e as imagens e, ao final, fazer o download das informações para uso offline. O site permite baixar tabelas e mapas em imagem, PDF e PowerPoint, além de tabela de referência cruzada, apenas dados ou no formato usado pelo software de visualização de dados Tableau.

Painel do Conass pode ser baixado para consulta offline — Foto: Reprodução/Paulo Alves

Veja também: Como identificar fake news? Veja sites para checar se notícia é verdadeira

Como identificar fake news? Veja sites para checar se notícia é verdadeira

Como identificar fake news? Veja sites para checar se notícia é verdadeira

2. MonitoraCovid-19 da Fiocruz

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) também mantém um sistema próprio de acompanhamento do coronavírus. No MonitoraCovid-19 (bigdata-covid19.icict.fiocruz.br/), é possível ver os casos e óbitos por estado separando o acumulado dos números novos. A ferramenta usava dados oficiais do Governo Federal, mas, dada a mudança no site do Ministério da Saúde, passou a obter informações junto às secretarias estaduais de saúde. Os dados são atualizados conforme os boletins são divulgados.

Além de informações sobre a Covid-19, o painel traz dados consolidados de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), que inclui pacientes de coronavírus. Embora não traga mapa como o painel da Conass, o sistema oferece gráficos que mostram a evolução da pandemia nos estados e no país.

Ferramenta da Fiocruz permite consultar também os óbitos por Síndrome Respiratória Aguda Grave — Foto: Reprodução/Paulo Alves

3. Painel do Ministério da Saúde

Depois que sofreu alteração, o painel do Ministério da Saúde (covid.saude.gov.br/) passou a ocultar algumas estatísticas da Covid-19. Atualmente, dá destaque ao número de pacientes recuperados e mostra apenas casos e óbitos confirmados no último dia.

É possível obter uma visão geral do país ou filtrar por estado, além de pesquisar localidades manualmente. Desde a última semana, os dados passaram a ser atualizados sempre às 21h50. Há, no entanto, dúvida sobre a metodologia utilizada para levantar essas informações. Mesmo considerando apenas os dados do dia, os dados diferem muito daqueles reportados pelas secretarias estaduais.

Ministério da Saúde mudou portal do coronavírus e ocultou números totais de casos e mortes — Foto: Reprodução/Paulo Alves

4. Mapa da Universidade Johns Hopkins

A reconhecida universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, lançou um dos primeiros monitores da Covid-19 do mundo. Apesar do foco na visualização mais ampla dos casos no planeta, o site (coronavirus.jhu.edu/map.html) também divide os dados por estado ou região. No caso dos EUA, ainda mostrar números de hospitalizações.

Além dos números em forma crua, o painel da universidade conta com uma seção analítica que responde a algumas perguntas sobre o estágio da doença. É possível descobrir onde a curva de casos foi achatada, as diferenças de taxa de mortalidade entre países, entre outras informações.

A universidade chegou a retirar o Brasil do monitor após as alterações na divulgação de resultados do Ministério da Saúde, mas voltou logo em seguida. Atualmente, o painel exibe dados em compasso com as secretarias estaduais de saúde do Brasil.

Universidade Johns Hopkins foi uma das primeiras a monitorar o coronavírus — Foto: Reprodução/Paulo Alves

5. Dashboard da Rice University

A Rice University conta com painéis separados por país. A versão brasileira (https://coronavirusnobrasil.org/) guarda fortes semelhanças com o monitor da Johns Hopkins. É possível conferir dados de mortes, casos confirmados e recuperados acumulados e apenas do último dia, além da letalidade.

De um lado, o site mostra informações por estado e, de outro, por cidade mais afetada. Em um menu na parte superior, é possível filtrar dados por região do país. O usuário pode, ainda, redimensionar, maximizar ou apagar os cartões informativos para destacar o que acha mais importante para alimentar apresentações, por exemplo. Além disso, o mapa permite alterar a visualização entre básico, com desenhos de ruas e híbrido.

Dashboard da Rice University permite editar cartões para dar ou tirar destaque a determinado número — Foto: Reprodução/Paulo Alves

6. Iniciativa de voluntários do site Brasil.IO

O Brasi.IO (brasil.io/covid19/) reúne o trabalho de 40 voluntários para a divulgação de dados sobre o coronavírus no país. O grupo compila os boletins epidemiológicos estaduais diariamente e alimentam uma base de dados com a série histórica de casos e óbitos confirmados por município. A iniciativa surgiu após as mudanças nos canais oficiais do Ministério da Saúde.

A ferramenta permite visualizar os casos no mapa por estado ou em sua totalidade. É possível filtrar por óbitos, casos, letalidade ou pelas variáveis “confirmados/100.000 habitantes” e “óbitos/100.000 habitantes”. Ao abrir cada estado, você pode verificar os números segundo cada localidade.

Além de manusear a tabela para organizar os resultados, o usuário também confere diversos gráficos prontos que mostram a evolução dos casos e óbitos ao longo do tempo. Em um deles, é possível ver o histórico baseado no Registro Civil, o que inclui, por exemplo, também as mortes com causa suspeita de Covid-19.

Iniciativa Brasil.IO traz dados de secretarias, cartórios e outras fontes — Foto: Reprodução/Paulo Alves

7. Parceria G1, O Globo, Extra, Estadão, Folha e UOL

Na esteira das mudanças implementadas pelo Ministério da Saúde, alguns dos maiores veículos de imprensa do país selaram uma parceria inédita para divulgar dados sobre a Covid-19. G1, O Globo, Extra, Estadão, Folha e UOL vão realizar a apuração junto aos estados e divulgar os dados conjuntamente, todos os dias.

Ao acessar qualquer um desses veículos, será possível encontrar o mesmo número de óbitos e casos confirmados da doença, incluindo o acumulado e os novos números diários conforme registrados pelas secretarias. O balanço diário será fechado às 20h.

Coronavírus: como limpar o celular? Descubra no Fórum do TechTudo

Mais do TechTudo