Por Nícolas Munoz, para o TechTudo


Counter-Strike: Global Offensive (CS:GO), Call of Duty: Warzone e H1Z1, assim como outros jogos competitivos online, possuem brechas na programação que podem ser exploradas por jogadores mal intencionados. Os players que aproveitam esses erros para obter vantagens nas partidas são chamados de hackers, e são repudiados pela comunidade em geral, que se sente engajada a combatê-los com as próprias mãos, criando formas de prejudicar a experiência de jogo deles. Nesta lista, veja as soluções mais inusitadas usadas pelas empresas e pela comunidade para combater os hackers.

H1Z1 é um jogo de sobrevivência de zumbis — Foto: Divulgação / Daybreak Game Company

Quer comprar jogos, consoles e PC's com desconto? Conheça o Compare TechTudo

Cheat falso que trolla os hackers

A Valve, desenvolvedora do CS:GO, recebe muita reclamações por parte dos seus jogadores no mundo inteiro, que cobram uma ação mais efetiva e firme contra os hackers. Em virtude da falta de ação da empresa, alguns jogadores criaram formas próprias e inusitadas de combatê-los. Um deles foi o usuário ScriptKid, que postou em seu canal do YouTube um vídeo mostrando como criou um cheat falso que trollava os hackers.

O hack prejudicava a experiência de jogo deles, fazendo com que realizassem ações involuntárias, como se queimar ao jogar um Molotov ou granada, cancelar o desarmamento da bomba no último segundo, atirar em companheiros de equipe aleatoriamente, entre outras ações que confundiam os trapaceiros. Além disso, o hack notificava a ferramenta que monitora e bane os hackers do Counter-Strike, o VAC (Valve Anti-Cheat).

O usuário ScriptKid, que já havia criado um cheat falso com o mesmo intuito e funcionamento para o PUBG, usou o Google Ads para colocar sua armadilha na primeira página do buscador e atrair o maior número de hackers possível. Com o sucesso da primeira versão, o jogador criou uma segunda, com novas trollagens ainda mais inusitadas e irritantes.

Alguns exemplos são alterações involuntárias na movimentação do jogador e modificações no funcionamento de algumas arma. Além disso, havia uma trollagem chamada "controle mental", que forçava o hacker a realizar ações inesperadas, como jogar suas armas para longe e pular de prédios.

Outros jogadores tiveram ideias parecidas com a de ScriptKid, mas com execuções mais simples. É o caso do usuário "AndroidL" do Reddit, que criou um hack falso que prometia ângulos de visão privilegiados e munição infinita, mas na realidade denunciava os jogadores que o utilizavam para a Valve. Apesar de não ter as trollagens como no cheat anterior, foi uma medida efetiva que baniu mais de 3000 hackers.

Jogador cria cheat falso e faz mais de 3.000 hackers serem banidos — Foto: Reprodução/ Nícolas Munoz

Sistema Overwatch do CS:GO

A Valve também se preocupa e trabalha para combater os hackers no CS:GO. Além do VAC (Valve Anti-Cheat), a empresa também tem um sistema de Vigilância, ou Overwatch, que seleciona jogadores experientes e qualificados para analisar denúncias de mal comportamento e trapaças. Os “investigadores” são selecionados de acordo com partidas ganhas, idade da conta, horas de jogo, bom comportamento, entre outros fatores. Além disso, eles vão ganhando pontos sempre que avaliam uma conduta de forma correta, crescendo no ranking de investigadores e ganhando recompensas de XP.

Counter Strike é um dos jogos mais famosos de todo o mundo — Foto: Reprodução/Valve

Vídeo público de desculpas no H1Z1

Após um banimento massivo de cerca de 30.000 hackers do MMO de sobrevivência de zumbis, H1Z1, a Daybreak Game Company, desenvolvedora do game, recebeu inúmeras mensagens de jogadores que se arrependeram de trapacear e queriam voltar para o jogo. Para resolver isso, o CEO da empresa John Smedley comunicou que tiraria o ban dos jogadores desde que eles fizessem um vídeo pedindo desculpas publicamente, postassem no YouTube e mandassem o link para os desenvolvedores.

Matchmaking de COD: Warzone colocando hackers para jogar somente com outros hackers

Call of Duty: Warzone, o Battle Royale gratuito da Activision, foi um sucesso e registrou mais de 50 milhões de jogadores já nos primeiros meses de lançamento. Porém, com o aumento na popularidade do game, não demorou muito para os hackers aparecerem, o que ocasionou no banimento de cerca de 70 mil contas em abril de 2020.

Em adição às ferramentas de ban, as desenvolvedoras do game Infinity Ward e Raven Software, adotaram uma medida inusitada para combater os hackers, que foi forçá-los a jogar somente com outros hackers. Essa medida, já usada em alguns jogos como Max Payne 3, Titanfall e Dark Souls II, fazia com que o matchmaking do jogo identificasse usuários que usavam cheats e os colocasse em partidas com outros cheaters, aprisionando-os em “ilhas” de hackers.

Mais do TechTudo