E-commerce

Por Guilherme Ramos, para o TechTudo


O Allugator é um site criado por brasileiros especializado em aluguel de eletrônicos. O serviço ocorre por meio de assinatura, que pode variar entre três meses, seis meses ou um ano. A startup, que foi criada em 2016, funciona como um sistema em que o usuário aluga um aparelho, como celular, notebook ou videogame. No final do período de aluguel, o assinante pode renovar o contrato para manter o dispositivo ou trocar por um novo.

A plataforma também permite que o usuário compre o aparelho que alugou, caso cumpra o prazo do aluguel de no mínimo 12 meses. Por exemplo, ao manter uma assinatura de um celular por três anos, é permitido comprar esse aparelho por R$ 1,00 ao fim do contrato. A seguir, veja como o Allugator funciona, se a empresa é segura e como alugar eletrônicos.

Allugator oferece planos de assinatura para alugar eletrônicos — Foto: Divulgação/Allugator

Quer comprar celular, TV e outros produtos com desconto? Conheça o Compare TechTudo

Como funciona o Allugator?

O serviço do site funciona a partir de uma assinatura. No processo, o usuário escolhe qual produto deseja alugar e o tempo que pretende ficar com o produto. São três planos de assinatura do Allugator: três meses, seis meses ou um ano. Após a escolha do aparelho e do prazo do aluguel, é preciso efetuar o pagamento para receber o dispositivo em sua casa.

Ao fim do período de aluguel, o usuário pode decidir como proceder, considerando as opções que a plataforma oferece. Uma delas é renovar a assinatura do aparelho que já está alugado, estendendo o período por até mais um ano. Além disso, pode haver a troca do produto por um novo ou o cancelamento da assinatura e a devolução do produto.

Allugator é confiável?

Perfil do Allugator no Reclame Aqui tem reputação considerada boa — Foto: Reprodução/Guilherme Ramos

No geral, os comentários de clientes da plataforma são positivos. No Facebook, o Allugator tem nota de 3.9/5 em avaliações da página. Na página da rede social, que conta com 73 opiniões, os usuários destacam a praticidade e o bom atendimento, mas também ressaltam a demora na entrega.

Já no Reclame Aqui, a reputação é considerada boa: 7.5/10. Em três anos no serviço, foram 62 reclamações, aproximadamente 20 por ano. Assim, 61 foram respondidas e 76% dos casos foram resolvidos. Contudo, a nota dos consumidores é de 6.62/10. Além disso, 61% dos usuários disseram que voltariam a fazer negócio com o Allugator.

Quais são as formas de pagamento?

O Allugator oferece quatro formas de pagamento, que envolvem tanto boleto bancário quanto cartões de crédito. O usuário pode pagar à vista por meio do boleto e parcelar em até 12 vezes no cartão de crédito (em casos de quatro parcelas ou mais, haverá juros). Entretanto, a plataforma permite mesclar os dois formatos: pagar uma parte à vista, no boleto, e o restante em parcelas no cartão de crédito. Também é possível parcelar em dois cartões diferentes.

Veja também: Quatro dicas para proteger suas informações online

Quatro dicas para proteger suas informações online

Quatro dicas para proteger suas informações online

A assinatura oferece algum tipo de proteção?

Ao alugar um eletrônico no Allugator, o usuário receberá o produto com proteção da 88i, uma plataforma de serviços digitais para distribuição de seguros. O site da 88i permite que o cliente possa contratar seguros, por exemplo, de celulares. Com isso, o Allugator oferece proteção contra roubo e furto do aparelho, mediante pagamento de franquia.

Há garantia de cobertura de 60% na reposição do valor do aparelho, em casos de roubo ou furto. Se o produto for danificado, há cobertura integral do valor, caso os danos não ultrapassem 70% do valor do aparelho. Os procedimentos de todos os casos são regulados diretamente com a 88i, mas o usuário também pode contratar outro serviço de proteção por conta própria se preferir.

Quais são os produtos disponíveis?

Allugator oferece diferentes tipos de eletrônicos e acessórios — Foto: Reprodução/Guilherme Ramos

A plataforma conta com três principais eletrônicos: celulares, videogames e notebooks. Os celulares são de diferentes modelos da Apple (iPhone) e Samsung, com aparelhos da linha Galaxy. Os consoles disponíveis são duas opções de PS4, Pro e Slim, e Nintendo Switch. O Allugator também oferece o aluguel de três versões de MacBook Pro e câmeras fotográficas da Canon e Panasonic. Além disso, há opções de acessórios, como relógios (Apple Watch e Galaxy Watch) e fones de ouvido (Galaxy Buds e AirPods).

Como funciona o envio e devolução dos produtos?

Os aparelhos são enviados pelos Correios, por SEDEX, para todo o Brasil. O Allugator também oferece frete grátis independente da localização do cliente. No site, a plataforma dá um prazo de 25 a 30 dias úteis para a entrega, mas alguns usuários comentam sobre um atraso na data marcada. No momento da devolução, o produto também é enviado de volta pelos Correios.

Allugator compensa?

Para comprar um iPhone 11 na Amazon, o cliente gastará mais do que em um aluguel no Allugator — Foto: Reprodução/Guilherme Ramos

No Allugator, uma assinatura para alugar um iPhone 11 de 128 GB por um ano é de R$ 2.584,00. Para comprar o mesmo modelo de smartphone na Amazon, por exemplo, o valor pode chegar a R$ 5.999,90. Se o usuário quiser manter esse mesmo aparelho e comprá-lo, ele deverá manter o plano de assinatura por três anos, o que resultaria em R$ 7.752,00, um valor maior do que o da compra inicialmente. Entretanto, vale lembrar que a empresa oferece um desconto de 15% na renovação depois de um ano, já que é considerado a desvalorização do produto no mercado.

Por outro lado, a vantagem de alugar um aparelho é que, a cada ano, o usuário pode ter a opção de assinar um modelo novo e mais recente. Ao investir na compra de um produto, a tendência é que o cliente gaste mais na hora de trocar por outro superior, mas é provável que leve mais de um ano (período da assinatura de aluguel) para fazer a próxima compra. Por isso, cada consumidor deve avaliar se o aluguel na Allugator vale a pena de acordo com seu perfil de usuário e suas necessidades.

Mais do TechTudo