Por Matheus Fiuza, para o TechTudo


Jogos como Counter Strike: Global Offensive (CS:GO), League of Legends (LoL) e Fortnite deram milhões em prêmios em 2020. Alguns países, no entanto, foram destaque, venceram muitos torneios e faturaram valores altíssimos nesta temporada. Os Estados Unidos foram o país que mais lucrou: foram quase US$ 21 milhões (R$ 111 milhões) conquistados em competições de games como Call of Duty e xadrez online. O Brasil, por sua vez, subiu seis posições em relação ao ano passado, foi de 12º para 6º colocado, acumulando cerca de US$ 4,2 milhões (R$ 23,7 milhões) em premiações. Confira, a seguir, os sete países que mais lucraram nos esports em 2020.

Melhores do Ano 2020: conheça os vencedores de cada categoria

Melhores do Ano 2020: conheça os vencedores de cada categoria

Reino Unido (7º lugar)

Abrindo o Top 7, o Reino Unido conquistou cerca de US$ 4,7 milhões (R$ 24,7 milhões) em 2020. Jaden "Wolfiez" Ashman, pro player de Fortnite, foi vice-campeão da Fortnite Champion Series Invitational - Grand Finals: Europe, onde faturou US$ 95 mil (R$ 500 mil). Uma outra boa parcela do valor arrecado pelos britânicos vem da Call of Duty League 2020, o principal campeonato do game no mundo. Os britânicos contaram com nove jogadores no torneio, dos quais cinco fizeram parte da London Royal Ravens, que terminou na 4ª colocação e faturou US$ 450 mil (R$ 2,4 milhões).

Brasil (6º lugar)

PVDDR é o jogador profissional que mais lucrou em 2020 — Foto: Divulgação/Magic Esports

Embora o Brasil tenha saltado seis posições em relação ao ano anterior, houve uma diminuição de arrecadação em premiações, de US$ 4,5 milhões (R$ 23,7 milhões) para aproximadamente US$ 4,2 milhões (R$ 22,1 milhões). O brasileiro que encabeça a lista é Paulo "PVDDR" Damo da Rosa, destaque no Magic: The Gathering Arena. Paulo foi campeão do Magic World Championship XXVI, faturando US$ 300 mil (R$ 1,6 milhão). No Rainbow Six: Siege (R6), a line up brasileira da Ninjas in Pyjamas (NiP) teve resultados expressivos, como o título do Six August 2020 Brazil e o vice-campeonato do Six Invitational de 2020, em Montreal, no Canadá, conquistando US$ 50 mil (R$ 263,4 mil) e US$ 450 mil (R$ 2,4 milhões), respectivamente.

Já o Counter-Strike: Global Offensive (CS:GO), contando com MIBR e FURIA Esports, deixou a sua contribuição. Vito "kNgV" Giuseppe, atleta da MIBR, foi o jogador com maior valor acumulado em premiações, com cerca de US$ 92 mil (R$ 485 mil), enquanto o maior pelo lado da FURIA foi Andrei "arT" Piovezan, com quase US$ 81 mil (R$ 427 mil). Já o astro Gabriel "FalleN" Toledo foi apenas o 14º entre os brasileiros em 2020, com cerca US$ 78,7 mil (R$ 414,7 mil) acumulados.

Quer comprar jogos, consoles e PC's com desconto? Conheça o Compare TechTudo

Rússia (5º lugar)

A Rússia teve uma situação parecida com a do Brasil, pois subiu oito posições de um ano para o outro - 13º para 5º lugar - mesmo com uma diminuição de quase US$ 1,5 milhão (R$ 7,9 milhões) em prêmios acumulados. Ao todo, o país lucrou US$ 4,2 milhões (R$ 22,1 milhões) em 2020. O jogador líder da lista é Ali "Jame" Dzhami, pro player de CS:GO pela Virtus.pro e campeão pela equipe da segunda edição da Flashpoint, que deu US$ 100 mil (R$ 525,8 mil) ao time. Já a Natus Vincere, time de CS:GO, também conta com russos em sua line up e venceu torneios como o Intel Extreme Masters Season XIV - World Championship, que deu US$ 200 mil (R$ 1,1 milhão) para a equipe.

O russo s1mple é a principal entrela da Natus Vincere — Foto: Reprodução/ESL

França (4º lugar)

Em relação a 2019, a França subiu da 5ª colocação para a 4ª posição, com aproximadamente US$ 4,3 milhões (R$ 22,6 milhões) conquistados neste ano. O atleta Alexandre "Andilex" Christophe aparece no topo do ranking com quase US$ 120 mil (R$ 631 mil). O francês conquistou a Fortnite Champion Series - Capítulo 2 - Season 2 - Europe ao lado do compatriota Nathan "Nayte" Berquignol, e os dois levaram juntos US$ 70 mil (R$ 368 mil).

Outra grande contribuição veio do CS:GO, pela conquista da Vitality na BLAST Premier: Fall 2020, com os franceses Dan "apEX" Madesclaire, Kévin "Misutaaa" Rabier, Richard "shox" Papillon, Mathieu "ZywOo" Herbaut e Cédric "RpK" Guipouy, que acumularam, ao longo de 2020, cerca de US$ 562 mil (R$ 3 milhões) em prêmios.

ZywOo em ação pela Vitality — Foto: Divulgação/ESL

Coreia do Sul (3º lugar)

Os sul-coreanos se mantiveram na 3ª posição com aproximadamente US$ 8,6 milhões (R$ 45,3 milhões). O grande destaque da Coreia do Sul foi Lee "Rogue" Byung Ryul, pro player de StarCraft II que foi campeão da IEM XIV - Katowice 2020 e faturou US$ 151 mil (R$ 795,6 mil) no torneio. Mas essa é uma parte do total dos quase US$ 207 mil (R$ 1,1 milhão) faturados por ele em 2020.

Na Overwatch League 2020 - Playoffs - Grand Finals, a line up do campeão San Francisco Shock tinha sete sul-coreanos entre os seus 10 jogadores, representando 70% dos US$ 1,5 milhão (R$ 7,9 milhões) obtidos pelo título, pouco mais de US$ 1 milhão (5,3 milhões). No Mundial de LoL de 2020, a Coreia teve a DAMWON Gaming como campeã, que faturou US$ 562,5 mil (R$ 3 milhões) de premiação.

San Francisco Shock Overwatch League 2020 — Foto: Reprodução/Overwatch League

China (2º lugar)

A nação mais populosa do mundo continuou na segunda posição, com pouco mais de US$ 9 milhões (R$ 47,3 milhões) ganhos. Vale destacar que entre os sete países que mais lucraram neste ano, a China foi o país que teve menos jogadores acumulando prêmios, com 654. Dentre este grupo, chefia a lista Zhu "paraboy" Bojun, pro player de PUBG Mobile, acumulando cerca de US$ 243 mil (R$ 1,3 milhão) em 2020. A principal conquista dele foi a Peacekeeper Elite Championship 2020, vestindo a camisa da Nova eSports.

No League of Legends (LoL), o título da LPL por parte da Top Esports rendeu à China cerca de US$ 242 mil (R$ 1,3 milhão), além da quarta colocação no Mundial de LoL 2020, com US$ 162 mil (R$ 852 mil) para os chineses - apenas um integrante da line up não é chinês. Considerando apenas esta última competição, a China contou com 14 representantes e faturou aproximadamente US$ 500 mil (R$ 2,6 milhões). Ela foi a segunda nacionalidade com maior acúmulo de prêmios no campeonato, atrás apenas da Coreia do Sul, com US$ 895 mil (R$ 4,7 milhões) e 29 jogadores.

DAMWON Gaming Mundial de LoL 2020 — Foto: Divulgação/LoL Esports

EUA (1º lugar)

Pelo terceiro ano consecutivo, os Estados Unidos são a nação que mais lucrou em esportes eletrônicos no ano. Contando com 4260 mil jogadores, os americanos acumularam quase US$ 21 milhões (R$ 110,4 milhões), mais que o dobro conseguido pela segunda colocada China. Os três primeiros colocados da lista são James "Clayster" Eubanks, Ian "Crimsix" Porter e Anthony "Shotzzy" Cuevas-Castro, campeões da Call of Duty League 2020 pelo Dallas Empire. Pelo título da competição, os três, somados, passaram de US$ 1,1 milhão (R$ 5,8 milhões) em prêmios. No mesmo torneio, com 34 jogadores, os EUA lucraram US$ 3,2 milhões (R$ 16,9 milhões).

O primeiro jogador fora do circuito de Call of Duty é Hikaru "Hikaru" Nakamura, atleta de xadrez online. Hikaru acumulou quase US$ 325 mil (R$ 1,7 milhão) entre títulos e vice-campeonatos. Pelo Rainbow Six, a Spacestation Gaming, contando com quatro estadunidenses na sua line up, foi campeã do Six Invitational 2020, contribuindo com US$ 800 mil (R$ 4,2 milhões) para a terra os norte-americanos.

Mais do TechTudo