Redes sociais

Por Guilherme Ramos, para o TechTudo


O início da década de 2010 foi de consolidação das redes sociais como meios de comunicação e interação. Naquela época, os smartphones ainda estavam em ascensão. Por isso, era no computador que os usuários conversavam e curtiam os acontecimentos dos amigos. Além disso, o cenário era diferente e alguns dos aplicativos consolidados hoje, como Instagram e WhatsApp, sequer faziam sucesso, embora já existissem. Por outro lado, algumas das plataformas mais populares da época já foram até desativadas, como o Orkut e o MSN. A seguir, relembre sete redes sociais que bombavam em 2010.

TechTudo completa 10 anos: veja o que mudou no mundo da tecnologia e jogos

TechTudo completa 10 anos: veja o que mudou no mundo da tecnologia e jogos

O TechTudo comemora 10 anos em dezembro de 2020! Desde o seu surgimento, em 2010, o site vem descomplicando a tecnologia para você e assim se consolidou como o maior portal de technology news do Brasil, segundo a Comscore. Para comemorar a data, o site lança uma série especial para relembrarmos como a tecnologia evoluiu nesse tempo. E conte com o TT para descobrirmos juntos o que nos aguarda pelos próximos anos!

Orkut era uma das rede sociais mais famosas em 2010 — Foto: Barbara Mannara/TechTudo

Quer comprar celular, TV e outros produtos com desconto? Conheça o Compare TechTudo

1. Orkut

No topo em 2010, o Orkut já começava a dar indícios de decadência. A rede social foi criada em 2004 e pertencia ao Google - seu nome foi dado em referência ao engenheiro turco que projetou o sistema, Orkut Büyükkökten. A versão em português surgiu um ano depois. Em 2008, o site ganhou a funcionalidade do bate-papo, que permitia navegar e conversar com seus amigos.

Como o grande público do Orkut era brasileiro, em 2008, o Google anunciou que o Google Brasil passaria a ter controle mundial sobre a rede social. As comunidades eram o grande atrativo do site e reuniam fãs de um assunto para debates com fóruns, enquetes e eventos que reuniam pessoas do Brasil inteiro. Além disso, os atributos, também populares, eram uma forma de “classificar” os usuários em níveis de “confiável”, “legal” e “sexy”.

Uma das comunidades mais famosas do Orkut — Foto: Reprodução/Orkut

Dez anos depois de seu lançamento, a rede social foi desativada. Segundo pesquisa da Experian Hitwise, o Orkut perdeu cerca de 95% dos acessos fixos no Brasil em um período de três anos entre 2011 e 2013. A rede mais popular do país, em abril de 2011, tinha aproximadamente 50% dos acessos entre os internautas brasileiros, mas foi ultrapassada pelo Facebook ao longo do tempo. Em abril de 2013, os usuários fixos do Orkut foram reduzidos a 2%. Em junho de 2014, a plataforma foi desativada.

2. Twitter

Popular e consolidado em 2020, o Twitter buscava seu espaço em 2010. Criada em 2006, a rede passou por diversas mudanças até chegar no produto de hoje. De início, a ferramenta permitia mensagens (tuítes) de até 140 caracteres, mas em 2017 passou para 280. Em 2008, Barack Obama usou o Twitter para agradecer os eleitores quando se tornou presidente dos Estados Unidos e, em 2009, as eleições do Irã também ajudaram a aumentar a popularidade da plataforma. A rede social se tornou um lugar onde os usuários comentavam quase que instantaneamente sobre o que acontecia no mundo.

Em 2010, os assuntos mais comentados do Twitter envolviam personagens brasileiros. Entre as “Pessoas/Celebridades”, Dilma Rousseff, então presidente eleita, foi o segundo tema mais comentado do ano no Brasil, atrás apenas de Justin Bieber. Nesse ano, o Twitter chegou a registrar cerca de 65 milhões de tuítes por dia.

Twitter começou a fazer sucesso no início da década — Foto: Helito Beggiora/TechTudo

Em 2011, o Twitter foi traduzido para diversas línguas, inclusive o português, e a atualização ajudou a popularizar a rede social no Brasil. Entre as principais funções, a rede social oferecia o “retweet”, uma forma de compartilhar uma mensagem de outra pessoa para o próprio ciclo do usuário. Além disso, com o tempo, outros recursos foram adicionados, como a Twitter List (lista que funciona como um “grupo” para ler tuítes de determinadas pessoas), e os Trending Topics, que mostram os assuntos mais quentes do momento.

3. MSN

Em 1999, nasceu o MSN, serviço de mensagens da Microsoft. Em 2010, o mensageiro chegou à 11ª versão, o “Windows Live Messenger 2010”. Esse novo modelo tentava se modernizar, visando a integração com outras redes sociais, e só rodava em Windows Vista e 7. Segundo a Microsoft, em 2009, a aplicação estava disponível em 36 idiomas e cerca de 330 milhões de pessoas entravam no mensageiro por mês.

A janela tremia para chamar a atenção no MSN — Foto: Divulgação/MSN

Em uma época sem aplicativos de mensagens famosos, o MSN se consagrou como o mensageiro mais popular da Internet. Além de conversar por texto, os usuários também podiam fazer chamadas de vídeo, ligando a webcam, e mandar figurinhas interativas, os “winks”. Além disso, era possível podiam jogar paciência, campo minado e jogo da velha enquanto conversavam.

Em 2010, era comum fazer a tela do amigo balançar quando usava a função “chamar atenção”, para que o usuário fosse notificado para responder uma mensagem, ou colocar uma música em seu status. Entretanto, o MSN foi descontinuado pela Microsoft em 2013 e o programa foi incorporado ao Skype.

4. Foursquare

O Foursquare é uma rede social relacionada à geolocalização, onde os usuários faziam “check-in” nos lugares em que visitavam. Assim, sua localização aparecia no site e também no Twitter e Facebook, caso estivesse conectado a esses serviços. A aplicação também era suportada em celulares com os sistemas Android, iOS, Windows Phone, BlackBerry e Symbian. Além disso, os usuários tinham trajetos e comentários sobre o lugar.

Foursquare foi a rede social mais popular da Internet em meados dos anos 2000 — Foto: Reprodução/Foursquare

A rede social também dava medalhas, como uma espécie de conquista de um jogo, conforme a pessoa fazia check-ins. Essas medalhas classificavam os usuários como “Prefeito” ou “Superestrela” de algum lugar, por exemplo, de acordo com o número de vezes que a pessoa visitava e mostrava aquela localização no Foursquare.

Criado em 2009, o Foursquare registrou um crescimento de 3.400% no ano seguinte, em que contava com aproximadamente 5 milhões de usuários. Em 2011, o número de pessoas na rede social chegou a 15 milhões. A rede social ainda existe, mas, em 2014, foi “dividida” em dois aplicativos diferentes. Um manteve o nome de Foursquare, responsável pela parte geográfica, com mapas, e o Swarm, que era a parte que manteve a gamificação da rede social, com os sistemas de pontuação e medalhas.

Veja também: quatro coisas que você nunca deve postar nas redes sociais

Quatro coisas que você nunca deve postar nas redes sociais

Quatro coisas que você nunca deve postar nas redes sociais

5. MySpace

O MySpace é uma plataforma com um sistema interno de e-mail, fóruns e grupos. Já foi a rede social mais popular do mundo, em um período de 2005 a 2008. No auge, em 2005, o MySpace foi comprado por US$ 580 milhões pela News Corporation, dona da FOX. Seis anos depois, quando já estava começando seu declínio, a rede social foi vendida por US$ 35 milhões.

O site contava com boletins, espécie de recado que o usuário deixava em um quadro para que seus amigos pudessem ver, grupos e até um mensageiro próprio, o MySpaceIM. Os perfis eram personalizáveis com código HTML e ainda permitiam que os usuários expressassem humor por meio de emoticons e blogs próprios. O MySpace era popular pelo compartilhamento de músicas, o que possibilitava novos artistas a espalhar seu trabalho para a comunidade da rede social. Artistas como Arctic Monkeys e Lily Allen surgiram lá.

O MySpace foi reformulado, mas não tem o mesmo impacto que antes — Foto: Reprodução/Isabela Giantomaso

As críticas sobre o MySpace vieram no período após a venda da rede à News Corporation, pelo seu marketing de anúncios agressivo no site. Ultrapassado pelo Facebook, que era uma plataforma mais amigável, a rede social perdeu espaço. Em 2012, foi relançada com foco em música e tinha Justin Timberlake como um dos acionistas. A plataforma existe até hoje, mas já não faz o mesmo sucesso.

6. Tumblr

O Tumblr é uma plataforma de blogging, que permitia publicar imagens, vídeos, citações, áudios e textos, geralmente pequenos. Os usuários podiam seguir outras pessoas e, assim, ver o conteúdo postado por elas em seus respectivos painéis - uma espécie de linha do tempo. Também era possível “gostar” e “reblogar” os conteúdos, o que seriam semelhantes às “curtidas” e “retweets”, por exemplo.

Tumblr era usado como uma plataforma de blogging — Foto: Foto: Reprodução/Barbara Mannara

Lançada em 2007, a rede social foi aos poucos entrando nos smartphones, com versões para iOS, Android, Windows Phone e BlackBerry. Em 2011, o Tumblr contava com 4,2 bilhões de publicações, espalhadas por cerca de 19 milhões de blogs. A plataforma ficou popular pelas fotos e frases que eram compartilhadas, mas, por ser uma rede social com muita liberdade, passou a ter grande quantidade de conteúdo adulto e pornográfico.

Em 2013, o Tumblr foi comprado pelo Yahoo! por US$ 1,1 bilhão. O conteúdo adulto fez com que, em 2018, o aplicativo fosse banido da App Store, da Apple, até que houvesse proibição de conteúdos pornográficos. Com isso, o tráfego na plataforma caiu, diminuindo ainda mais o lucro da empresa, e o Tumblr foi vendido por menos de 2,6 milhões de euros em 2019.

7. Blogger

Como o nome sugere, o Blogger é uma plataforma para criar blogs. Sob o comando do Google, o serviço ficou popular pela facilidade e o modo intuitivo para publicar conteúdos. Além disso, vários blogs podem ser hospedados em uma mesma conta do Blogger, com diferentes endereços a partir do subdomínio “blogspot.com”.

Blogger se tornou popular pela facilidade na edição — Foto: Foto: Camila Peres/TechTudo

Lançado em 1999, a plataforma foi comprada pelo Google em 2003. Já em 2010, contava com novidades como páginas estáticas e gadgets, que facilitavam a edição dos criadores dos blogs. Os concorrentes do Blogger eram, principalmente, o WordPress e o Tumblr. Entretanto, a ferramenta do Google era popular pela praticidade, além da diversidade de opções de temas para personalizar o blog. Além disso, era possível colocar anúncios e monetizar a página por meio do Adsense.

Mais do TechTudo